Consumo de sal entre sujeitos portadores de hipertensão arterial : estudos dos determinantes individuais do comportamento

Orientador: Maria Cecilia Bueno Jayme Gallani

Access type:openAccess
Publication Date:2008
Main Author: Cornelio, Marilia Estevam, 1982-
Advisor: Gallani, Maria Cecilia Bueno Jayme, 1966-
Referee: Carvalho, Emilia Campos de, Alexandre, Neusa Maria Costa
Document type: Master thesis
Language:por
Published: [s.n.]
Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Ciências Médicas
Program: Programa de Pós-Graduação em Enfermagem
Portuguese subjects:
English subjects:
Online Access:http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/313643
Citation:CORNELIO, Marilia Estevam. Consumo de sal entre sujeitos portadores de hipertensão arterial: estudos dos determinantes individuais do comportamento. 2008. 209p. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciencias Medicas, Campinas, SP. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/313643>. Acesso em: 12 ago. 2018.
Portuguese abstract:Resumo: Este estudo teve como objetivo identificar os fatores individuais associados ao comportamento do consumo de uma dieta com baixo teor de sal entre sujeitos portadores de hipertensão arterial, com emprego de uma extensão da Teoria do Comportamento Planejado (TPB). O consumo de sal foi avaliado por meio de três comportamentos distintos: Comportamento I - uso de no máximo 4 gramas de sal/dia no preparo dos alimentos; Comportamento II - evitar a adição de sal nos alimentos já preparados; Comportamento III - evitar o consumo de alimentos com alto teor de sal. Foi conduzido estudo longitudinal, com coleta de dados em T0 e T1 - 2 meses após a abordagem inicial. A amostra foi composta por 108 sujeitos em T0 e em T1 retornaram 95 sujeitos. Em T0 foi realizada a caracterização sociodemográfica e clínica e a medida das variáveis psicossociais oriundas da TPB (Intenção, Atitude, Norma Subjetiva, Controle Comportamental Percebido) e adicionais (Auto-eficácia, Hábito, Comportamento Passado, Preferências Alimentares, Determinantes Hedônicos, Auto-avaliação da Qualidade da Dieta e Ambiente). O comportamento foi mensurado em T0 (Comportamento passado) e em T1 (Comportamento atual), por meio de uma questão subjetiva, auto-avaliativa, sobre do consumo de sódio específico para cada um dos comportamentos estudados e por meio das medidas objetivas: recordatório de 24h; consumo de sal per capita, Questionário de Freqüência Alimentar de Sódio (QFASó) e sódio urinário. Os dados foram analisados inicialmente de forma descritiva e, em seguida, submetidos às análises inferenciais: de correlação (coeficiente de Spearman) - para verificar a relação entre as variáveis psicossociais oriundas da TPB / variáveis adicionais e a motivação para agir (Intenção), bem como entre Intenção e Comportamento; análise de regressão linear univariada seguida de regressão multivariada - para testar a capacidade das variáveis oriundas da TPB e adicionais em predizer a Intenção e da Intenção em predizer o Comportamento. Os principais achados apontaram que Auto-eficácia e Hábito explicaram 62% da variabilidade da Intenção relacionada ao Comportamento I, o Controle Comportamental Percebido 19% da variabilidade da Intenção relacionada ao Comportamento II, e as variáveis Auto-eficácia, Controle Comportamental Percebido e Norma Subjetiva 63% da variabilidade da Intenção relacionada ao Comportamento III. A Intenção foi preditora do Comportamento I, explicando 22% de sua variabilidade e preditora limítrofe estatisticamente do Comportamento III, explicando 4% de sua variabilidade. Assim, os dados obtidos fornecem subsídios para as atividades educativas posteriores, baseadas nos fatores determinantes da Intenção e dos Comportamentos I e III.
English abstract:Abstract: The aim of this study was to identify the individual factors associated to the behavior of low salt consumption among hypertensive subjects, based on an extension of the Theory of Planned Behavior (TPB). The salt consumption was evaluated by 3 distinct behaviors: Behavior I - the use of less than 4g of salt (corresponding to 1 "flat" teaspoon of salt) when you cook one of your usual recipes for any meal; Behavior II - to avoid adding salt/using table salt to the prepared food; Behavior III - to avoid the consumption of food with high salt content. The study was conducted over a 2-month period, with data collection at T0 (baseline) and T1 - 2 months after the first approach. A total of 95 (95/108; 87.9%) participants completed the study for the Behaviors II and III and 45 for the Behavior I (45/53; 84.9%). Questionnaire at baseline included demographic and clinical data, TPB variables (Intention, Attitude, Subjective Norm and Perceived Behavioral Control) and additional variables (Self-efficacy, Habit, Past Behavior, Food Preferences, Hedonic Determinants, Diet Quality and Environment). The Behavior was measured at T0 (Past Behavior) and at T1 (Actual Behavior), using an self-reported item about salt consumption specific for each behavior and through the objective measures: 24h-recall, per capita salt, food-frequency questionnaire for sodium intake(FFQ-Na) and 24-h urinary sodium. Data were initially submitted to a descriptive analysis and afterwards to the inferential analyses: Spearman's correlation coefficient, to investigate the relation between the TPB/additional variables and the motivation (Intention), as well as the relation between the Intention and the Behavior; and finally, linear regression analysis, to determine the ability of the Intention in predicting each one of the 3 Behaviors at the follow-up. The main findings pointed the Self-efficacy and Habit explained 62% in Intention variance related to Behavior I; for Behavior II, Intention was mainly predicted by Perceived Behavioral Control, that explained 19% of its variance; and Self-efficacy, Perceived Behavioral Control and Subjective Norm explained 63% of the Intention variance regarding Behavior III. Intention was a predictor of the Behavior I, explaining 22% of its variance, and statistically bordering predictor of the Behavior III, explaining 4% of its variability. The results provide subsidies to the development of educational interventions based on the Intention and the Behavior (I and III) determinants.