De Macondo a McOndo : os limites do Real Maravilhoso como discurso de representação da América Latina (1947-1996)

Orientador: José Alves de Freitas Neto

Access type:openAccess
Publication Date:2012
Main Author: Vieira, Felipe de Paula Góis, 1985-
Advisor: Neto, Jose Alves de Freitas
Referee: Fernandes, Luiz Estevam de Oliveira, Costa, Adriane Aparecida Vidal
Document type: Master thesis
Language:por
Published: [s.n.]
Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas
Program: Programa de Pós-Graduação em História
Portuguese subjects:
English subjects:
Online Access:http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/278674
Citation:VIEIRA, Felipe de Paula Góis. De Macondo a McOndo: os limites do Real Maravilhoso como discurso de representação da América Latina (1947-1996). 2012. 148 p. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas, SP. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/278674>. Acesso em: 20 ago. 2018.
Portuguese abstract:Resumo: O presente texto de dissertação analisa os limites do Real Maravilhoso como conceito e discurso estético-político de representação da América Latina. A intenção é buscar nos debates entre os principais expoentes da chamada nova narrativa hispano-americana reflexões sobre a identidade do continente. Essa literatura iniciada nos anos de 1950 e continuada nas décadas seguintes é responsável por fomentar uma ideia de unidade latino-americana, criando um pastiche sobre aquilo que seria a América. Como salienta grande parte dos estudiosos do tema, a narrativa desse período, de maneira consciente, tentou realizar a busca de um centro do espaço americano e começou propensa a dar uma versão típica da nossa realidade: a América como espaço do maravilhoso. Divergindo dessa representação, na década de 1990 tem início o movimento McOndo, criado pelos escritores chilenos Alberto Fuguet e Sergio Gómez, para definir uma geração de novos escritores latino-americanos cuja principal característica era rechaçar o aspecto mágico que passou a ser o ?selo? dos autores do Real Maravilhoso. Analisar os limites e as implicações políticas desses discursos, assim como as formas através das quais os intelectuais da década de 1960 e 1990 representaram a América Latina, é o principal objetivo do trabalho
English abstract:Abstract: This dissertation explores the limits of the Real Maravilhoso as a concept and an esthetic-political speech of Latin America representation. The purpose of it is looking for reflections about the continent identity through discussions among the main exponents of the new Spanish American narrative. This literature that was introduced in the 1950s and has been proceeded in the following decades is responsible for promoting a concept of Latin-America unity, creating a common sense of what would be America. As emphasized by many literary critics and historians, the narrative of this period, in a conscious way, tried to achieve the search of a center of an American space and began tending to give a typical version of our reality: America as a place of wonder. Diverging from this representation, in the 1990s the movement McOndo has begun, created by chilean writers Alberto Fuguet and Sergio Gómez, to define a generation of new Latin American writers whose main feature was to reject the magical aspect that became the "seal" of the Real Maravilhoso's authors. Analyze the limits and political implications of these speeches, as well as the intellectuals of the 1960s and 1990s represented Latin American, is the main objective of this study