Do AZT à PrEP e à PEP: Aids, HIV, movimento LGBTI e jornalismo

O objetivo deste artigo é destacar características e atravessamentos dos movimentos LGBTI brasileiros, da Aids, do HIV e de coberturas jornalísticas da síndrome que surgiu publicamente no início dos anos 1980. Resgatamos dimensões históricas e questões atuais como desafiadoras para as ciências, a me...

Full description

Access type:openAccess
Publication Date:2019
Main Author: Carvalho, Carlos Alberto
Other Authors: Azevêdo, José Henrique Pires
Document type: Article
Language:por
Online Access:https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/33804
Citation:CARVALHO, Carlos Alberto; AZEVÊDO, José Henrique Pires. Do AZT à PrEP e à PEP: Aids, HIV, movimento LGBTI e jornalismo. RECIIS - Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde, Rio de Janeiro, v. 13, n. 2, p. :246-260, abr./jun. 2019.
Portuguese abstract:O objetivo deste artigo é destacar características e atravessamentos dos movimentos LGBTI brasileiros, da Aids, do HIV e de coberturas jornalísticas da síndrome que surgiu publicamente no início dos anos 1980. Resgatamos dimensões históricas e questões atuais como desafiadoras para as ciências, a medicina, governos e militantes com o intuito de refletir sobre disputas que estiveram e estão em curso, principalmente aquelas que se relacionam com a LGBTIfobia e outras opressões sociais. A pesquisa foi realizada por meio de levantamento bibliográfico acerca das políticas do movimento LGBTI, do HIV e da Aids, bem como do uso de resultados de pesquisa anteriormente realizada sobre homofobia e narrativas jornalísticas. Observou-se uma conexão complexa entre as relações engendradas no surgimento da síndrome, próxima aos primeiros passos do movimento LGBTI no Brasil, como a produção ambivalente de visibilidades, assim como a manutenção de preconceitos históricos que ainda reverberam no tecido social.
English abstract:The aim of this article is to highlight the characteristics and crossings of Brazilian LGBTI, AIDS, HIV movements and of journalistic coverage of the syndrome that emerged publicly in the early 1980s. We brought up historical dimensions and current issues as challenging for the sciences, medicine, governments and militants in order to reflect on ongoing disputes, especially those that are related to LGBTIphobia and others social oppressions. The research was carried out through a bibliographical survey about policies of the LGBTI, HIV and AIDS movements, as well as the use of previously conducted research results on homophobia and journalistic narratives. It was observed a complex connection between the relations generated in the beginning of the syndrome, close to the first steps of the LGBTI movement in Brazil, as the ambivalent production of visibility, as well as the maintenance of historical prejudices that still reverberate in social world.