A disseminação da epidemia da AIDS no Brasil, no período de 1987-1996: uma análise espacial

As taxas médias de incidência da AIDS em adultos no Brasil foram estimadas para os períodos 1987-89, 1990-92 e 1993-96, segundo o município de residência dos casos. Nas análises foram utilizadas as variáveis "tamanho da população do município de residência"; "proporção de população qu...

Full description

Access type:openAccess
Publication Date:2000
Main Author: Szwarcwald, Celia Landmann
Other Authors: Bastos, Francisco Inácio Pinkusfeld Monteiro, Esteves, Maria Angela Pires, Andrade, Carla Lourenço Tavares de
Document type: Article
Language:por
Published: Escola Nacional de Saúde Pública/ Fundação Oswaldo Cruz
Portuguese subjects:
Online Access:https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/666
Citation:SZWARCWALD, Celia Landmann et al. A disseminação da epidemia da AIDS no Brasil, no período de 1987-1996: uma análise espacial. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 16 (supl. 1), p. 7-19, 2000.
Portuguese abstract:As taxas médias de incidência da AIDS em adultos no Brasil foram estimadas para os períodos 1987-89, 1990-92 e 1993-96, segundo o município de residência dos casos. Nas análises foram utilizadas as variáveis "tamanho da população do município de residência"; "proporção de população que vive em área urbana" e "concentração de pobreza", estratificando-se por sexo e categoria de exposição. A Região Sudeste apresenta menor ritmo de crescimento em contraste com os aclives acentuados das regiões Norte e Sul, do 2o ao 3o intervalo. Cotejando-se as variações das taxas de incidência de 1990-92 a 1993-96 por região ou tamanho de população, obtém-se maiores aumentos relativos entre as mulheres. Nas cidades grandes, a categoria "homo/bissexuais" prevalece, decrescendo proporcionalmente à medida que cresce o número de casos por transmissão heterossexual. Nos municípios médios predominam os usuários de drogas injetáveis e nos menores há aumento dos casos por transmissão heterossexual. A epidemia - ainda fenômeno urbano - dá sinais de expansão nos municípios rurais, intensificando-se naqueles situados abaixo do limite crítico regional do índice de pobreza. Há disseminação crescente da epidemia nos municípios mais pobres.
English abstract:Mean AIDS incidence rates were calculated for three time periods, 1987-89, 1990-92, and 1993-96, using reported adult AIDS cases by county. The analysis included the following variables: “population of counties for resident AIDS cases”; “proportion of population residing in urban areas”, and “concentration of poverty”, stratifying by gender and exposure categories. The Southeast region has experienced the lowest increase, contrasting with the steep rise observed in the North and South between the second and third study periods. Comparing variations in incidence rates from 1990-92 and 1993-96 by region or population, the greatest increase was among women. In the larger cities, AIDS cases among “homo/bisexual men” predominate, although the proportion of cases among men who have sex with men has decreased as heterosexual cases have undergone a continuous increase. IDUs have been the core stratum in medium-sized counties. For the smallest counties, heterosexual transmission has been the basic element in local dynamics. Even though AIDS is still an urban phenomenon in Brazil, the epidemic is spreading to rural counties. Until recently it has mainly affecting relatively more affluent areas, but there is now an evident spread of the epidemic to poorer areas.