Um olhar sistêmico sobre famílias de jovens vítimas de homicídio

A presente dissertação tem como objetivo investigar os impactos do homicídio de um jovem na família, através das narrativas de familiares que vivenciaram esta perda violenta. A partir dos pressupostos da metodologia de história de vida, em particular da história de vida temática, a entrevista semies...

Full description

Access type:openAccess
Publication Date:2015
Main Author: Costa, Daniella Harth da
Advisor: Njaine, Kathie, Schenker, Miriam
Document type: Master thesis
Language:por
Online Access:https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/13478
Citation:COSTA, Daniella Harth da. Um olhar sistêmico sobre famílias de jovens vítimas de homicídio. 2015. 121 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) - Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2015.
Portuguese abstract:A presente dissertação tem como objetivo investigar os impactos do homicídio de um jovem na família, através das narrativas de familiares que vivenciaram esta perda violenta. A partir dos pressupostos da metodologia de história de vida, em particular da história de vida temática, a entrevista semiestruturada foi utilizada como instrumento de pesquisa, tendo como foco principal a trajetória de vida e morte do jovem e a vivência da família diante da perda. A abordagem sistêmica do pensamento científico se apresenta como o pilar de sustentação teórica desta pesquisa, principalmente, as enunciações de Maria José Esteves de Vasconcellos. Integra ainda às ações da pesquisa uma revisão não sistemática da literatura sobre o tema em questão. A partir da análise das entrevistas foram identificados os seguintes temas: a vivência da perda, o impacto do homicídio na saúde dos familiares, o impacto do homicídio na dinâmica familiar, justiça versus impunidade, redes sociais de apoio e enfrentamento da perda. A discussão desses temas centrais permitiu as seguintes considerações: a morte de um jovem por homicídio é sempre um evento trágico e doloroso para a família, independente da trajetória de vida do jovem; desperta sentimentos de raiva, angústia e, principalmente, de inconformismo diante de uma morte considerada prematura, violenta e fora do lugar; as ressonâncias da perda atingem a dinâmica familiar, impactando os seus membros no âmbito físico, emocional, financeiro e social; a justiça, enquanto mecanismo regulador da convivência coletiva, falha em sua função. Desse modo, a impunidade nos casos de homicídio se apresenta como um dos principais fatores de revitimização dessas famílias no contexto brasileiro; viver a partir da perda de um ente querido por homicídio não é uma tarefa fácil, mas parece ser facilitada quando a família pode contar com uma rede social de apoio composta por amigos, parentes e outros atores e serviços da comunidade; observa-se que, em geral, as famílias se utilizam do apego à espiritualidade como modo de apaziguar a dor e dar sentido à perda. Acredita- se que o conhecimento sobre os impactos do homicídio nas famílias pode contribuir para a discussão teórica e prática dessa problemática e para a construção de ações de intervenção de profissionais de saúde, assistência social e outros junto aos familiares e amigos de pessoas vítimas de homicídio.
English abstract:This work aims to investigate the impact of murder of young people on family through family s narratives that experienced this violent loss. From the assumptions of the life history approach, in particular the thematic life history, the semi- structured interview was used as a research tool, focusing mainly on young s life and death trajectory and the loss experience of the family. The systemic approach of scientific thinking is presented as the base of theoretical support of this research mainly assertions of Maria José Esteves de Vasconcellos. The research actions also includes a non-systematic review of the literature on the subject. The interviews analysis identified the following themes: the experience of loss, the impact of the murder on family s heath, the impact of the murder on family s dynamics, justice versus impunity, social support networks and coping with loss. The discussion of these central themes led to the following considerations: the death of a young person for murder is always a tragic and painful event for the family, regardless of the young s life trajectory. Arouses feelings of anger, anxiety, and especially nonconformity toward a death considered premature, violent and out of place; the resonances of loss affect family dynamics, impacting its members in the physical, emotional, financial and social ambit; justice, as a regulatory mechanism of collective life, fails in its function. Thus, impunity in cases of murder is one of the main revictimization factors for families in the Brazilian context; to live whereof a loved one for murder is not an easy task, but it seems to be facilitated when the family can have a social support network composed of friends, relatives and other actors and community services; it is observed that, in general, the family use the spirituality attachment as a way to appease the pain and make sense of the loss. It is believed that knowledge about the impacts of murder on families can contribute to the theoretical and practice discussion of this problem and to the building of interventions by health professionals, social worker and others with families and friends of victims of homicide.