O transplante e a questão da alteridade: biologia e subjetividade

O desenvolvimento do conceito de corpo é marcado pela visão dissociada do homem em sua relação com a natureza, com conseqüentes implicações na epidemiologia. Este estudo tem aperspectiva de entender o corpo como integrado numa rede de elementos constitutivos, numa dinâmica de interações entre seus c...

Full description

Access type:openAccess
Publication Date:2009
Main Author: Soares, Teresa Cristina
Advisor: Czeresnia, Dina
Document type: Doctoral thesis
Language:por
Portuguese subjects:
Online Access:https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/2572
Citation:Rio de Janeiro s.n 2009 162p x
Portuguese abstract:O desenvolvimento do conceito de corpo é marcado pela visão dissociada do homem em sua relação com a natureza, com conseqüentes implicações na epidemiologia. Este estudo tem aperspectiva de entender o corpo como integrado numa rede de elementos constitutivos, numa dinâmica de interações entre seus componentes e entre estes e outros seres e seu ambiente. Esta dinâmica se dá num contexto de alteridade, entendida não apenas no sentido das relações humanas, mas na sua acepção original, como qualidade do que é outro. Estudos recentes da biologia permitem supor um elo entre a questão da alteridade e suas raízes biológicas, integrando-a aos processos do adoecer. A capacidade de ação, de rearranjo do ser vivo em uma dinâmica de relações regulatórias e a noção de identidade são considerados na discussão dos fenômenos imunes. A alteridade aqui é vista como inata e biológica, no interior da qual a subjetividade é construída. Não há como considerar a alteridade sem aludir à subjetividade e à individualidade. Estes aspectos aparecem com clareza na experiência do transplante. Para desvendá-la, foi realizado um estudo qualitativo com base na abordagem fenomenológica, inspirado nas teorias da complexidade e referenciado por aporte teórico de vários saberes,num diálogo interdisciplinar. Foram realizadas vinte entrevistas em profundidade com pessoas que passaram pela experiência do transplante, independentemente do tipo de transplante realizado, do sexo ou grau de instrução. Após análise, foram identificadas as seguintes unidades de significado: a doença, um susto; riqueza de detalhes: a memória do corpo; qualidade (?) de vida antes do transplante; o tempo de espera; um telefonema: o chamado para uma nova vida; acordando diferente: começo de uma nova história; o estranhamento; alteridade: dívida, dádiva e gratidão; a dívida negativa; rejeição: a ameaça que vem de dentro; a dívida positiva; doadores vivos; nascendo de novo: uma vida praticamente normal; mudança de valores: o transplante como um caminho de transformação; a rede de alteridade conexões e esgarçamentos. Estas unidades de significado deram origem a quatro grandes temas que foram distribuídos nos seguintes capítulos: A Vida Antes do Transplante; O Transplante de (uma nova) Vida; Paradoxos da Alteridade: fechamento e abertura; A Vida Depois do Transplante. O estudo conclui considerando que tudo o que o homem é está enraizado na sua biologia, nela incluída e justaposta a dimensão subjetiva. A dimensão subjetiva humana é cunhada nas interações com os outros e com o meio. O ser humano (e, acreditamos, todo ser vivo) é constitutivamente relacional. Está, portanto, atrelado a uma dinâmica de alteridade, vivida de maneira radical pela pessoa transplantada. Sugere, assim, a conclusão de que não há separação entre mente e corpo, embora ainda subsista uma ponte a construir sobre o conhecimento para transpor o hiato entre as questões biológicas, as práticas intervencionistas e a experiência subjetiva.
English abstract:The development of the concept of body is marked by men’s dissociated vision with his relationship with nature with consequents implication in epidemiology. This study has the perspective of understand the body as a part of a net of constitutive elements, in a dynamic of interaction between its components, and between those, and other beings in its environment. This dynamic happens in an alterity context, understood not only in the human relationship, but in its original acceptation, as “quality of what is the other”. Recent biology studies permit to assume a connection between the alterity issue and its biological roots, integrating it to the sickening process. The action capacity, of rearrangement of living beings in a dynamic of regulatory relationships and the notion of identity is considered in the discussion of the immunes phenomena. The alterity is seen here as innate and biological in the interior of which the subjectivity is built. There is no way to considerate alterity without alluding to the subjectivity and individuality. These aspects appear with clarity in the transplant experiment. To unfold it, a qualitative study was made with base in the phenomenological approach, inspired by the theories of complexity and referencing in theoretical port of several knowledge in an interdisciplinary dialogue. Twenty interviews were made in depth, with people who have gone trough the transplant experience, independently of the kind of transplant performed, gender or instruction degree. After analysis, there were identified the following units of meaning, the disease, a scary; richness of details: the body memory: life quality before the transplant; the waiting period; a phone call: the call to a new life; waking up differently: the beginning of a new story, the strangeness; alterity: debt, gift and thankfulness; the negative debt; rejection: the threat that comes from inside; the positive debt; living donors; being born again; a “practically normal life”; change of values: the transplant as a way of transformation; the alterity net: connections and separations. These units of meaning gave origin to four big themes that were distributed in the following chapters: The Life Before the Transplant; The Transplant of (a new) Life; Alterity paradoxes: closing and opening; The Life after Transplant. The study concludes considering that every thing that men is, is enrooted in our biology, and on it is included and juxtaposed to the subjective dimension. The human subjective dimension is intrinsic to the interaction with others and the environment. The human being (and, we believe all live beings) is constitutively relational. Is, ergo, attached to an alterity dynamic, experienced in a radical manner by the transplanted person. So it is suggested the conclusion that there is no separation between body and mind, even though there is a bridge to still be built over the knowledge to connect the hiatus between the biological issues, interventionist practices and subjective experience.