Epidemiologia de comportamentos de saúde no Brasil: diferenças entre adultos com e sem planos privados de saúde na Região Metropolitana de Belo Horizonte (2003‐2010) e hábitos alimentares em idosos com e sem limitação funcional na Pesquisa Nacional de Saúde (2013)

Esta tese investiga dois aspectos epidemiológicos Acerca de comportamentos saudáveis e uso de serviços preventivos de saúde em grandes inquéritos populacionais brasileiros. O primeiro artigo examina indicadores em adultos, uma em 2003 (N= 13.757), e outra em 2010 (N=12.983), cobertas ou não por plan...

Full description

Access type:openAccess
Publication Date:2016
Main Author: Valle, Estevão Alves
Advisor: Costa, Maria Fernanda Furtado de Lima
Document type: Doctoral thesis
Language:por
Online Access:https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/16251
Citation:VALLE, Estevão Alves. Epidemiologia de comportamentos de saúde no Brasil: diferenças entre adultos com e sem planos privados de saúde na região Região Metropolitana de Belo Horizonte (2003‐2010) e hábitos alimentares em idosos com e sem limitação funcional na Pesquisa Nacional de Saúde (2013). 2016. 57 f. Tese (Doutorado em Ciências - Concentração Saúde Coletiva)-Centro de Pesquisas René Rachou, Fundação Oswaldo Cruz, Belo Horizonte, 2016.
Portuguese abstract:Esta tese investiga dois aspectos epidemiológicos Acerca de comportamentos saudáveis e uso de serviços preventivos de saúde em grandes inquéritos populacionais brasileiros. O primeiro artigo examina indicadores em adultos, uma em 2003 (N= 13.757), e outra em 2010 (N=12.983), cobertas ou não por planos privados de saúde, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Após ajustamentos por fatores demográficos, variação temporal e fonte de atenção, houve redução da prevalência do tabagismo, semelhante entre aqueles sem e com plano privado de saúde, no período compreendido entre 2003 e 2010. A prevalência do consumo excessivo de bebidas alcoólicas e do sedentarismo no cotidiano aumentou nos dois grupos e diminuiu a prevalência de atividades físicas no lazer. Não foram observadas mudanças na prevalência de aferição de pressão arterial, mas a prevalência da realização de dosagem de colesterol, da realização da mamografia e da citologia oncótica do colo uterino aumentou mais acentuadamente entre indivíduos não filiados a planos de saúde. O segundo artigo compara o consumo de grupos alimentares entre idosos brasileiros de acordo com a presença de limitação funcional. Foram utilizados dados da Pesquisa Nacional de Saúde de 2013, com 11.177 idosos participantes. Comparados com aqueles sem limitação funcional, o consumo diário de carne, regular de feijões e recomendado de frutas e verduras foi significativamente menor entre idosos com limitação funcional (razão de prevalência 0,89, IC 95% 0,80 ‐0,98;0,90, IC 95% 0,82‐0,99; e 0,86, IC 95%0,76‐0,96, respectivamente), independentemente do sexo, nível educacional, situação conjugal ou arranjo familiar. A escolaridade apresentou forte associação positiva com o consumo recomendado de frutas e verduras, e negativa com consumo regular de feijões. Os resultados dessa tese apontam a grande necessidade de ampliação de medidas preventivas para DCNT, Sobretudo para a identificação de populações mais vulneráveis a seus fatores de risco e agravos relacionados, para as quais devem ser endereçadas ações específicas de promoção da saúde.
English abstract:This thesis investigates two aspects of epidemiology of health behavior and use of preventive health services in large Brazilian surveys. The first article evaluates indicators of health behavior and preventive healthcare utilization in two probabilistic sample of adults, one in 2003 (N = 13,757) and the other in 2010 (N = 12,983), covered or not by health plans, in Belo Horizonte, Minas Gerais State, Brazil. After adjusting for demographics, temporal trends and healthcare delivery type, there was lower prevalence of smoking, both in private plan users and non‐users, from 2003 to 2010. In the same period, prevalence of alcohol abuse as well as sedentary behavior increased in both groups, and was lower the prevalence of free‐time physical activity. No changes were observed in blood pressure measurement, but cholesterol measurement and cancer screening tests mammogram and cervical uterine smear were significantly more frequent in non‐users in comparison with affiliated to private health plans. The second article compares consumption of selected food groups among elderly Brazilians, categorized accordingly to the presence daily living activity limitations. Data from the Brazilian National Health Survey, conducted in 2013, with 11,177 Brazilians aged 60 and over were studied. Consumption of daily meat, beans on a regular basis, and recommended fruit and vegetables were significantly lower among older adults with functional limitation (Prevalence Ratio = 0.89, 95% CI 0.80, 0.98; 0.90, 95% CI 0.82, 0.99 and PR 0.86, 95% CI, 0.76, 0.96, respectively), independently of age, sex, marital status, living arrangements and education. Level of education showed a strong positive association with fruit and vegetable consumption, and a negative association with bean consumption, a staple diet in Brazil. Results from our thesis point out the huge need for preventive measures against NCCD, especially identification of most vulnerable populations which have specific risk factors and for whom specific health promotion strategies must be addressed.