A cor da dor: iniquidades raciais na atenção pré-natal e ao parto no Brasil

Poucas pesquisas com foco nas influências da raça/cor no tocante à experiência de gestação e parto foram conduzidas no Brasil, sendo inédita a análise de abrangência nacional. Este estudo teve como objetivo avaliar as iniquidades na atenção pré-natal e parto de acordo com a raça/cor utilizando o mét...

Full description

Access type:openAccess
Publication Date:2017
Main Author: Leal, Maria do Carmo
Other Authors: Gama, Silvana Granado Nogueira da, Pereira, Ana Paula Esteves, Pacheco, Vanessa Eufrauzino, Carmo, Cleber Nascimento do, Santos, Ricardo Ventura
Document type: Article
Language:por
Published: Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca
Online Access:https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/27811
Citation:LEAL, Maria do Carmo et al. A cor da dor: iniquidades raciais na atenção pré-natal e ao parto no Brasil. Cadernos de Saúde pública, v. 33, n. 13, p. 1-17, 2017.
Portuguese abstract:Poucas pesquisas com foco nas influências da raça/cor no tocante à experiência de gestação e parto foram conduzidas no Brasil, sendo inédita a análise de abrangência nacional. Este estudo teve como objetivo avaliar as iniquidades na atenção pré-natal e parto de acordo com a raça/cor utilizando o método de pareamento baseado nos escores de propensão. Os dados são oriundos da pesquisa Nascer no Brasil: Pesquisa Nacional sobre Parto e Nascimento, um estudo de base populacional de abrangência nacional com entrevista e avaliação de prontuários de 23.894 mulheres em 2011/2012. Regressões logísticas simples foram utilizadas para estimar as razões de chance (OR) e respectivos intervalos de 95% de confiança (IC95%) da raça/cor associada aos desfechos analisados. Em comparação às brancas, puérperas de cor preta possuíram maior risco de terem um pré-natal inadequado (OR = 1,6; IC95%: 1,4-1,9), falta de vinculação à maternidade (OR = 1,2; IC95%: 1,1-1,4), ausência de acompanhante (OR = 1,7; IC95%: 1,4-2,0), peregrinação para o parto (OR = 1,3; IC95%: 1,2-1,5) e menos anestesia local para episiotomia (OR = 1,5 (IC95%: 1,1-2,1). Puérperas de cor parda também tiveram maior risco de terem um pré-natal inadequado (OR = 1,2; IC95%: 1,1-1,4) e ausência de acompanhante (OR = 1,4; IC95%: 1,3-1,6) quando comparadas às brancas. Foram identificadas disparidades raciais no processo de atenção à gestação e ao parto evidenciando um gradiente de pior para melhor cuidado entre mulheres pretas, pardas e brancas
English abstract:Few studies on the influence of race/color on pregnancy and birthcare experiences have been carried out in Brazil. Additionally, none of the existing studies are of national scope. This study sought to evaluate inequities in prenatal and childbirth care according to race/color using propensity score matching. The data comes from the study Birth in Brazil: National Survey into Labor and Birth, a national population study comprised of interviews and revisions of medical records that included 23,894 women in 2011/2012. We used logistic regressions to estimate odds ratios (OR) and respective 95% confidence intervals (95%CI) of race/color associated with the outcomes were analyzed. When compared with white-skinned women, black-skinned women were more likely to have inadequate prenatal care (OR = 1.6; 95%CI: 1.4-1.9), to not be linked to a maternity hospital for childbirth (OR = 1.2 95%CI: 1.1-1.4), to be without a companion (OR = 1.7; 95%CI: 1.4- 2.0), to seek more than one hospital for childbirth (OR =1.3; 95%CI: 1.2-1.5), and less likely to receive local anesthesia for an episiotomy (OR = 1.5; 95%CI: 1.1-2.1). Brown-skinned women were also more likely to have inadequate prenatal care (OR = 1.2; 95%CI: 1.1-1.4) and to lack a companion (OR = 1.4; 95%CI: 1.3-1.6) when compared with white-skinned women. We identified racial disparities in care during pregnancy and childbirth, which displayed a gradient going from worst to best care provided to black, brown and whiteskinned women.