NÃO ME REPRESENTA: CRISE DA REPRESENTAÇÃO E AS PROPOSTAS DA TEORIA DO RECONHECIMENTO E DA PARTICIPAÇÃO POLÍTICA

A ciência política tem destacado o debate acerca da percepção de contexto de crise das instituições representativas e questionamentos sobre a existência, ou não, de correlação entre a atuação dos representantes estatais e a vontade popular. Nas manifestações sociais, ocorridas em Junho de 2013 no Br...

Full description

Access type:openAccess
Publication Date:2018
Main Author: CARLA DE CASTRO AMORIM M KRSULOVIC
Advisor: FERNANDO CARDOSO LIMA NETO lattes
Referee: PAULO RENATO FLORES DURAN, ALESSANDRA MAIA TERRA DE FARIA
Document type: Master thesis
Language:por
Published: PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO
Program: PPG EM CIÊNCIAS SOCIAIS
Online Access:https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/Busca_etds.php?strSecao=resultado&nrSeq=36234@1
https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/Busca_etds.php?strSecao=resultado&nrSeq=36234@2
Portuguese abstract:A ciência política tem destacado o debate acerca da percepção de contexto de crise das instituições representativas e questionamentos sobre a existência, ou não, de correlação entre a atuação dos representantes estatais e a vontade popular. Nas manifestações sociais, ocorridas em Junho de 2013 no Brasil, foi cunhada a expressão não me representa, como forma de sintetizar o distanciamento entre representantes e representados. Na presente dissertação, partimos da análise do sistema representativo e contrapomos os modos pelos quais a crise de representação tem sido abordada na teoria política e na filosofia política, por meio das propostas da participação democrática e da teoria do reconhecimento, intercaladas ao pensamento político nacional, para argumentar que a rejeição à representação política tradicional revela novas formas de ação política, como, por exemplo, por meio da participação em grupos chamados coletivos.
English abstract:Political science has approached the debate about the perception of context of crisis of representative institutions and questions about the existence, or not, of a correlation between the performance of state representatives and the popular will. In the social protests, that took place in June 2013 in Brazil, the expression without representation was coined as a way of synthesizing the distance between representatives and represented citizens. In this dissertation, we analyse the representative system and contrast the ways in which the crisis of representation has been approached in political theory and political philosophy, through the proposals of democratic participation and theory of recognition, interspersed with national political thought, to argue that the rejection of traditional political representation reveals new forms of political action, such as through participation in so-called collective groups.