O bebê, sua educação e cuidado em discursos de mães de camadas médias

This doctoral thesis is linked with the Center of Studies of Gender, Race and Age (Núcleo de Estudos de Gênero, Raça e Idade NEGRI) of the postgraduate studies program in Social Psyhcology from the Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), as part of the collective research project whi...

Full description

Access type:openAccess
Publication Date:2010
Main Author: Laviola, Elaine Cardia lattes
Advisor: Rosemberg, Fúlvia
Document type: Doctoral thesis
Language:por
Published: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Program: Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia: Psicologia Social
Department: Faculdade de Ciências Humanas e da Saúde
Portuguese subjects:
English subjects:
Knowledgement areas:
Online Access:https://tede2.pucsp.br/handle/handle/17404
Citation:Laviola, Elaine Cardia. O bebê, sua educação e cuidado em discursos de mães de camadas médias. 2010. 434 f. Tese (Doutorado em Psicologia) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2010.
Portuguese abstract:Esta tese de doutorado vincula-se ao Núcleo de Estudos de Gênero, Raça e Idade (NEGRI) do Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia Social da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), integrando o projeto coletivo de pesquisas que vem focalizando discursos proferidos por adultos sobre o bebê, sua educação e cuidado. Seu objetivo foi descrever e interpretar discursos de oito mães de bebês, inseridas profissionalmente, com formação universitária, pertencentes às camadas médias urbanas e residentes no município paulista de São Caetano do Sul, sobre o bebê e suas concepções sobre o que consideram adequado em termos de modalidades de educação e cuidado não só para seus filhos, mas também, para outros bebês. Partimos da hipótese de que prevaleceria, nos discursos das entrevistadas, uma concepção de criança pequena, considerada frágil, imatura, dependente, que vincula o bebê, prioritária ou exclusivamente, ao espaço doméstico, sustentando sua invisibilidade no plano social e em contexto público, dificultando que seus direitos à educação sejam plenamente contemplados pelas políticas de Educação Infantil. Adotamos os aportes teóricos proporcionados tanto pelos novos estudos sobre a infância, que procuram romper com concepções adultocêntricas e naturalizantes, quanto pela produção acadêmica das pesquisadoras francesas Bloch e Buisson (1998, 1999) sobre o processo de escolha de casais por modalidades de educação infantil, analisado, por elas, a partir da perspectiva das relações intergeracionais e de gênero. Com base na utilização de técnicas de análise de conteúdo apresentamos os resultados, que corroboram nossa hipótese inicial, em torno de cinco eixos interpretativos: os contextos sociais das entrevistadas; concepções sobre o bebê e a criança pequena; modalidades de educação e cuidado para bebês; responsabilidades do Estado e da sociedade; aspectos intergeracionais
English abstract:This doctoral thesis is linked with the Center of Studies of Gender, Race and Age (Núcleo de Estudos de Gênero, Raça e Idade NEGRI) of the postgraduate studies program in Social Psyhcology from the Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), as part of the collective research project which focus on the discourse made by adults about their babies, their upbringing, education and care. This thesis' objective is to describe and interpret the discourse of eight mothers of babies, professionally active, with a university degree, belonging to the urban middle class and living in the city of São Caetano do Sul, in the state of São Paulo, about the baby and their perception of what they consider adequate methods od upbringing, education and care not only for their own children, but also for other babies. We assumed that, in the interviewees' discourse, the perception of the small child as fragile, immature and dependent would prevail. This view links the baby, first and foremost or exclusively, to the domestic realm, sustaining its invisibility in the social level and in public context, making it difficult for its rights for education to be completely fulfilled by the policies of education of children ages 0-3. We adopted the theoretical approaches offered by the new studies on childhood, which attempt to break away from the adult-centered and naturalizing concepts, as well as the academic production of the French researchers Bloch and Buisson (1998,1999), on the process of choice of couples of methods of child upbringing and education, analyzed by them, from the perspective of relations between generations as well as gender relations. Based on the use of content analysis techniques we present the results, which confirm our initial hypothesis, around five interpretative axles: the interviewees' social contexts; perceptions of the baby and the toddler; methods of upbringing, education and care for babies; the government and the society's responsibilities; and aspects related to the relations between generations