De mãe para filha: um estudo sobre a transmissão intergeracional dos significados atribuídos pelas mulheres judias à sexualidade feminina

This study is concerned to a comprehension of the transmission process of the meanings attributed to feminine sexuality by Jewish mothers to their daughters, considering that this theme is one of the main propulsive points of social changes on the twentieth century. The guide question of this work i...

Full description

Access type:openAccess
Publication Date:2008
Main Author: Setton, Marcia Zalcman
Advisor: Macedo, Rosa Maria Stefanini de
Document type: Master thesis
Language:por
Published: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Program: Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia: Psicologia Clínica
Department: Psicologia
Portuguese subjects:
English subjects:
Knowledgement areas:
Online Access:https://tede2.pucsp.br/handle/handle/15747
Citation:Setton, Marcia Zalcman. De mãe para filha: um estudo sobre a transmissão intergeracional dos significados atribuídos pelas mulheres judias à sexualidade feminina. 2008. 135 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2008.
Portuguese abstract:O interesse deste estudo se volta para uma compreensão do processo de transmissão dos significados atribuídos à sexualidade feminina pelas mães judias às suas filhas, visto que este tema é um dos principais focos propulsores das mudanças sociais do século XX. A questão norteadora do trabalho é como esta mulher, que viveu e vive toda esta transformação, está conseguindo integrar as mudanças sociais, e o que é transmitido para a nova geração: se houve alterações e de que tipo, na educação que estas mulheres conseguiram proporcionar para suas filhas na área da sexualidade. Para atingir este objetivo geral proposto, foi realizada uma pesquisa qualitativa a partir dos pressupostos do pensamento sistêmico novo-paradigmático, cujos objetivos específicos, foram de: compreender quais valores e crenças a respeito da sexualidade as mães atuais receberam de suas próprias mães; de que forma se deu esta transmissão; quais valores e crenças a respeito da sexualidade estas mulheres estão transmitindo para suas filhas; de que forma se dá esta transmissão; quais valores e crenças as filhas têm e de que forma elas pretendem transmitir às suas filhas; como estes valores e crenças ajudam a construir o sentido de feminilidade para estas mulheres. Foram realizadas entrevistas semi-estruturadas com mulheres da comunidade judaica, com idades de 45 a 55 anos e suas respectivas filhas, com idades de 20 a 30 anos, sendo seis duplas mãe e filha laicas e duas duplas ortodoxas, de modo que se pudessem observar as diferenças de grupos mais voltados para a tradição e de grupos mais integrados à sociedade em geral. Estas mães são mulheres que viveram sua juventude na década de 70 e que receberam uma educação tradicional, baseada nos estereótipos culturais e socialmente desejáveis para elas, mas que vivenciaram a revolução sexual, ou seja, uma ruptura nas crenças, valores e padrões de comportamentos aprendidos. Como resultado, pôde-se observar que houve uma influência muito grande das alterações sócio-culturais na transmissão dos significados de mãe para filha, embora se notasse uma repetição dos padrões familiares. Entretanto, estas mudanças não foram uniformes, variando de acordo com a história, crenças, valores e comportamentos de cada família. As famílias seculares procuraram cada uma na sua medida, se abrir para novas reflexões frente às novas demandas, enquanto que as ortodoxas precisaram desenvolver uma série de recursos específicos para garantir a sobrevivência de suas tradições. Observou-se também uma grande dificuldade das mulheres para incorporarem em sua vida pessoal uma autonomia preconizada pelo discurso da revolução sexual. Apenas uma das entrevistadas conseguiu transpor este limiar, enfrentando muita resistência em seu meio familiar e social. É importante ter isto em vista para o profissional que vai atender esta mulher contemporânea em sua clínica, dentro dos parâmetros de uma ética, para aceitar o outro como um legítimo outro, e a partir daí construir com ela novas possibilidades
English abstract:This study is concerned to a comprehension of the transmission process of the meanings attributed to feminine sexuality by Jewish mothers to their daughters, considering that this theme is one of the main propulsive points of social changes on the twentieth century. The guide question of this work is how this woman, who lived and is still living this whole transformation is getting to integrate the social changes and what is transmitted to the new generation: if there are modifications and of what type, in the education that these women could provide to their daughters in the sexuality area. To achieve this general purpose, a qualitative research was made, based on the new paradigmatic systemic assumptions, which specific aims were: comprehend what values and beliefs about sexuality the actual mothers received from their own mothers; how this transmission was made; what values and beliefs about sexuality theses mothers are transmitting to their daughters; in what manner this transmission is done; what values and beliefs the daughters have and how they intend to transmit to their own daughters; how these values and beliefs help in the construction of the femininity sense to these women. There have been made semi-structured interviews with women of the Jewish Community, between 45 and 55 years old and their respective daughters, between 20 and 30 years old, six secular pairs of mother and daughter and two orthodox pairs, in order to observe the difference of groups more closed to traditions and groups more integrated to the general society. These mothers are women that lived their youth on the seventeenth decade and received a traditional education, based in the cultural and social desirable stereotypes for them, but that lived during the sexual revolution, that means, a rupture in the beliefs, values and patterns of learned behaviors. As a result it was possible to observe a great influence from the social and cultural changes in the transmission of the meanings from mother to daughter, although it was noted a repetition of the familiar patterns. However, these changes weren t uniforms, varying in according with the history, beliefs, values and behaviors of each family. The secular families looked for, each one in his measure, to be opened for new reflexions to the new demands, while the orthodox needed to develop a whole range of specific resources to have their traditions survival granted. It was also observed a great women difficulty to have the autonomy preconized by the speech of the sexual revolution incorporated in their personal lives. Only one of the women interviewed crossed this limit, confronting a lot of resistance in her familiar and social life. It is important to have this in mind for the professional that is going to receive this contemporaneous woman in his clinic, in ethics parameters, to accept the other as a legitimized other, and from this base, build with her new possibilities