Práticas discursivas maternas e compreensão de estados mentais: um estudo com crianças de 3 anos e 6 meses a 4 anos

The present paper report investigates the hypothesis of an association between the language experiences of a child has along family environment (here also considering influence from kindergarten school) and the development of a mental state comprehension. This experiment questions what effects an in...

Full description

Access type:openAccess
Publication Date:2009
Main Author: Oliveira, Fernanda Germani de lattes
Advisor: Maluf, Maria Regina
Document type: Doctoral thesis
Language:por
Published: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Program: Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação: Psicologia da Educação
Department: Psicologia
Portuguese subjects:
English subjects:
Knowledgement areas:
Online Access:https://tede2.pucsp.br/handle/handle/16491
Citation:Oliveira, Fernanda Germani de. Práticas discursivas maternas e compreensão de estados mentais: um estudo com crianças de 3 anos e 6 meses a 4 anos. 2009. 133 f. Tese (Doutorado em Psicologia) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2009.
Portuguese abstract:O presente estudo verificou a hipótese de uma associação entre as experiências de linguagem que a criança possui no meio familiar (considerando também as influências na escola de educação infantil) e o desenvolvimento da compreensão de estados mentais. Pergunta-se que efeitos um programa de intervenção com as mães, visando orientá-las no uso de linguagem explicativa de estados mentais (próprios e alheios), produz no desenvolvimento de uma teoria da mente, em crianças de 3 anos e 6 meses a 4 anos, de ambos os sexos. A pesquisa foi desenvolvida em duas instituições escolares de educação infantil, localizadas no município de Itajaí (SC). Participaram 40 díades mãe-criança, sendo 20 designadas para compor o grupo experimental (GE) e 20 para compor o grupo controle (GC). A pesquisa, de tipo quaseexperimental, foi desenvolvida em três fases. a) Pré-teste: foram aplicadas as cinco primeiras tarefas de teoria da mente do estudo de Wellman e Liu (2004) e só participaram do estudo as crianças que não deram resposta correta à quinta tarefa, de atribuição de crença falsa. As mães foram solicitadas a contar uma história para o(a) seu(sua) filho(a) participante da pesquisa. b) Intervenção experimental com o objetivo de orientar as mães para que utilizassem verbos e outros termos mentais para narrar histórias que envolviam compreensão e atribuição de estados mentais aos personagens, incluindo desejos, intenções e atribuição de crença ao outro. Foram realizadas 4 sessões de treinamento, uma por semana. As mães do grupo controle foram orientadas a narrar as mesmas histórias, sem orientação específica sobre o modo de fazê-lo. Cada semana o pesquisador teve um encontro com a mãe, onde fez uma entrevista com ela, sobre as atividades relacionadas às instruções dadas durante a semana anterior. A mãe ficava com o livro de história durante a semana e foi orientada a exercitar a interação verbal com a criança, contando a mesma história, sempre ressaltando os estados mentais. c) Pós-teste: após uma semana da intervenção, as crianças foram avaliadas, por meio da aplicação das mesmas cinco tarefas de teoria da mente. As mães foram solicitadas novamente a contar uma história para a criança. Foi utilizado o mesmo livro de história do pré-teste. Os resultados mostraram um forte efeito da linguagem, sobre o desenvolvimento da teoria da mente nas crianças, sendo esse efeito maior no grupo experimental, em que as mães foram orientadas a utilizar verbos e termos mentais. No pós-teste as crianças dos dois grupos mostraram progressos na compreensão de estados mentais, mas as do grupo experimental progrediram mais. E seu desempenho foi significativamente melhor nas tarefas de crença falsa. Esses resultados dão sustentação à hipótese de uma relação entre habilidade de atribuição de estados mentais e desenvolvimento da linguagem. Mostraram que as conversações realizadas entre as díades mãe-criança possibilitaram o desenvolvimento da habilidade de compreender e atribuir estados mentais, mas que o uso intencional de termos mentais, nas condições do grupo experimental, produz maiores efeitos e favorece o desempenho nas tarefas de crença falsa
English abstract:The present paper report investigates the hypothesis of an association between the language experiences of a child has along family environment (here also considering influence from kindergarten school) and the development of a mental state comprehension. This experiment questions what effects an intervention program with mothers, which aims to orient them to use mental state explanatory language (their own mental state and others) causes on a mind theory development on children from 3,6 years old to 4 years old, both boys and girls. The research occurred in two local kindergarten schools from Itajaí city (SC). About 40 motherschild pairs participated in the study where 20 of them were the experimental group (GE) and the others 20 pairs were the control group (GC). This almost-experimental research type was divided into three parts: a) Pre-test: the five first tasks from the mind theory study of Wellman and Liu (2004) studies were applied to the children and only the ones who did not reached the right answers to the fifth question of false believe attribution participated in the study. The mothers were asked to tell a story to their child participating on the research. b) Experimental intervention aiming to orient the mothers to use verbs and other mental terms to narrate stories which consisted of characters mental state attribution and comprehension, including desire, intention and others believes attribution. The training lasted four sessions, one session a week. Mothers from the control group were guided to narrate the same stories with no specific orientation of how to do it. Each week the researcher met the mother for an interview about the instructions given on the previous week. The mother was told to keep the book story during a week and she was oriented to try a verbal interaction with her child, repeating the same story always emphasizing mental states c) Post-Test: after a week from the intervention, the children were evaluated using the same five tasks from mind theory study. Again, the mothers were asked to tell the child a story, using the same book story previously used in the pre-test phase. The results presented that language causes a strong effect on the development of mind theory in children and on the experimental group these effects were significantly more present where mothers were asked to use verbs and other mental terms. Post-test phase showed that children from both groups (GE) and (GC) made progress on mental state comprehension however children from (GE) did it better especially on the false believe task. Therefore, these results support the hypotheses that lead to an existence of a relation between the ability to attribute mental state and language development. It also leads for the fact that conversation between mother-child pairs made it possible to develop the ability of comprehending and attributing mental but the use of mental terms on purpose the way it was done on the (GE), sure causes more effect and benefits the performance in false believe tasks