Modernismo hispano-americano : trajetória e o "retorno das caravelas"

Esta dissertação visa analisar por que o Modernismo espanhol nasceu na América hispânica, as dificuldades que teve para superar um modelo de frases feitas, temas repetitivos e imagens desgastadas, bem como as influências que seus poetas receberam dos românticos, parnasianos e simbolistas; e, mesmo r...

Full description

Access type:openAccess
Publication Date:2010
Main Author: José Ferreira Guimarães
Advisor: Marta Dantas da Silva .
Referee: Antonio Roberto Esteves, Sérgio Paulo Adolfo
Document type: Master thesis
Language:por
Published: Universidade Estadual de Londrina. Centro de Letras e Ciências Humanas. Curso de Pós-Graduação em Letras.
Online Access:http://www.bibliotecadigital.uel.br/document/?code=vtls000153863
Portuguese abstract:Esta dissertação visa analisar por que o Modernismo espanhol nasceu na América hispânica, as dificuldades que teve para superar um modelo de frases feitas, temas repetitivos e imagens desgastadas, bem como as influências que seus poetas receberam dos românticos, parnasianos e simbolistas; e, mesmo rompendo esses clichês verbais provindos da metrópole e criticados pela Real Academia Española, não abandonaram os mestres do passado. Esta dissertação objetiva, também, mostrar que o Modernismo Hispano-americano não foi obra apenas de um autor, de um poeta. No entanto, a crítica é unânime em afirmar que o poeta nicaragüense Rubén Darío foi o porta-voz da nova estética, pois levou à Espanha um novo fazer poético, constituindo um verdadeiro “retorno das caravelas”. Conclui que a ampliação do comércio hispano-americano com a Europa, e o consequente contato dos seus jovens poetas com outras literaturas, principalmente a Francesa, foram responsáveis pelo surgimento do modernismo hispano-americano que operou as transformações que o Romantismo não tinha realizado, daí ter sido o Modernismo o verdadeiro Romantismo hispano-americano.
English abstract:This dissertation aims to analyze why the Spanish Modernism was born in Hispanic America, the difficulties it had to overcome a model of clichés, repetitive themes and consumed images, as well as the influences that their poets received from the Romantics, Parnassian and Symbolism; and, even breaking those clichés coming from the metropolis and criticized by the “Real Academia Española”, they didn’t abandon the masters of the past. It also shows that the Hispano-American modernism was not work of just an author, a single poet. However, the critic is unanimous in affirming that the Nicaraguan poet Rubén Dario was the spokesman of the new aesthetics, because it took to Spain a new way to write poetry, constituting a true “return of the caravels”. The enlargement of the Hispano-American trade with Europe, and the consequent contact of their youth poets with other literatures, mainly the French one, were responsible for the appearance of the Hispano-American modernism that operated the transformations that the Romanticism had not accomplished, which leads to conclude than it was the Modernism the true Hispano-American Romanticism.