A translação de sentidos entre língua e classe social

Ao se falar de língua, fala-se da classe social que se imagina associada a essa mesma língua. Fundamentada na Análise do Discurso Franco-Brasileira (iniciada na França pelo grupo de Michel Pêcheux e retrabalhada no Brasil a partir de formulações de Eni Orlandi) e analisando corpòra diversos, que se...

Full description

Access type:openAccess
Publication Date:2010
Main Author: Phellipe Marcel da Silva Esteves lattes
Advisor: Vanise Gomes de Medeiros lattes
Referee: Silmara Cristina Dela da Silva lattes, Magda Bahia Schlee lattes
Document type: Master thesis
Language:por
Published: Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Program: Programa de Pós-Graduação em Letras
Portuguese subjects:
English subjects:
Knowledgement areas:
Online Access:http://www.bdtd.uerj.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=2877
Portuguese abstract:Ao se falar de língua, fala-se da classe social que se imagina associada a essa mesma língua. Fundamentada na Análise do Discurso Franco-Brasileira (iniciada na França pelo grupo de Michel Pêcheux e retrabalhada no Brasil a partir de formulações de Eni Orlandi) e analisando corpòra diversos, que se encontram em gramáticas, dicionários, manuais de redação jornalística e o jornal carioca Meia Hora de Notícias, esta dissertação busca entender como os sentidos sobre língua e classe social vão sendo constituídos ao mesmo tempo. A Análise do Discurso com que este estudo vai trabalhar se apresenta como um campo inserido no entremeio das ciências humanas e sociais. Entre as principais questões levantadas por este campo, estão as crenças ilusórias em que as palavras emanam sentidos próprios, apropriados, e em que o sujeito é o dono de seu dizer e de suas intenções. Entende-se, na Análise do Discurso, que os sentidos são irrecorrivelmente formados ideologicamente, e que o sujeito se constitui analogamente, por processos inconscientes que não deixam de fora também a historicidade das relações sociais. Dessa forma, para se compreender como se dão as relações entre as formações de sentido entre língua e classe social, importará a depreensão do funcionamento discursivo do tratamento que os instrumentos de gramatização dão à variedade linguística. No Meia Hora, também se procura analisar de que modo um jornal vai significando, inscrito numa prática jornalística determinada, língua e classe social concomitantemente, através do uso de uma língua imaginária
English abstract:When it comes to say something about language, one is always saying something about the imaginary social class associated with that same language. Based on French Brazilian Discourse Analysis (inaugurated in France by Michel Pêcheuxs group and revived in Brazil by Eni Orlandi) and analyzing different corpòra, took from grammars, dictionaries, newspaper manuals and Meia Hora de Notíciasa newspaper from Rio de Janeiro, this dissertation seeks the comprehension of how the meanings about language and social class are established simultaneously. This Discourse Analysis with which we work presents itself as a field in between the social e human sciences. Among the main issues brought up by it are two illusory beliefs: the words would possess their own and crystal clear meanings, and the subjects would be the owners of their sayings and their intentions. In Discourse Analysis its also said that meanings are inevitably set up by ideological processes, and that this also occurs in subjects formation, by unconscious processes that have to do with the historicity of social relations. By that, in order to understand how the meanings of language and social class relate, its first a main question to comprehend the discursive functioning of the linguistic variation on instruments of grammaticalization. As to Meia Hora, we also intend to analyze in which way a newspaper works on the meanings of language and social class altogether, inserted in determinate practice, through the use of an imaginary language