Agregação familiar da obesidade e fatores de risco associados em população adscrita ao Programa Médico de Família de Niterói – RJ, Brasil, Estudo Camélia

Introdução: A obesidade tem etiologia multifatorial e a ocorrência nos pais está associada com aumento da prevalência nos filhos. No Brasil, não há estudos que permitam avaliar a agregação familiar de obesidade e os fatores ambientais associados. Objetivo: Investigar se há agregação familiar de obes...

Full description

Access type:openAccess
Publication Date:2009
Main Author: Pinto, Fernanda Neves
Advisor: Rosa, Maria Luiza Garcia
Document type: Master thesis
Language:por
Published: Universidade Federal Fluminense
Department: Niterói
Online Access:https://app.uff.br/riuff/handle/1/4714
Portuguese abstract:Introdução: A obesidade tem etiologia multifatorial e a ocorrência nos pais está associada com aumento da prevalência nos filhos. No Brasil, não há estudos que permitam avaliar a agregação familiar de obesidade e os fatores ambientais associados. Objetivo: Investigar se há agregação familiar de obesidade e verificar a contribuição de variáveis ambientais para esta associação em população assistida pelo Programa Médico de Família (PMF) em Niterói-RJ. Métodos: Trata-se de um caso-controle familiar envolvendo famílias cujos pais obesos foram classificados como casos e os não obesos, como controles. As associações foram estimadas através do modelo de Equações de Estimação Generalizadas. As correlações de obesidade foram estimadas com o FCOR. Resultados: Identificou-se agregação familiar de obesidade para os diferentes pares familiares com correlações brutas e ajustadas com significância estatística. A correlação entre casais foi semelhante à encontrada entre pais e filhos e inferior à encontrada entre irmãos. Os coeficientes de correlação, após o controle por sexo e comorbidades, diminuíram entre pais e filhos, sugerindo haver contribuição dessas variáveis para a correlação bruta da obesidade. Após a inclusão do fumo e grupo alimentar, houve um pequeno decréscimo na correlação entre irmãos, indicando haver contribuição das duas variáveis. Entre casais, após a inclusão dos controles, a correlação aumentou, indicando que a correlação de obesidade entre casais estava subestimada. Estes resultados apontam para uma maior participação de variáveis ambientais na agregação familiar da obesidade. Para um fenótipo cuja variação fosse totalmente atribuível a efeitos genéticos, as correlações entre irmãos e entre pais e filhos deveriam ser próximas e a de casais, nula. No entanto, encontramos pequena influência das variáveis ambientais nas correlações. Futuros estudos devem ser realizados para explorar os riscos ambientais compartilhados pelas famílias, visando reconhecer os grupos vulneráveis para melhor orientar ações em saúde e proporcionar intervenção adequada à obesidade.