Casa, comida e roupa lavada: fatores associados à saída do jovem brasileiro do domicílio de origem

O objetivo deste trabalho é verificar alguns fatores associados à saída dos jovens brasileiros do domicílio de origem. Aqui, jovens são aqueles que tinham entre 15 e 34 anos na data de referência da pesquisa. Considerou-se que os jovens que ocupavam, no domicílio, a posição de pessoa responsável ou...

Full description

Access type:openAccess
Publication Date:2009
Main Author: Regiane Lucinda de Carvalho
Advisor: Paula de Miranda Ribeiro
Co-advisor: Ana Maria Hermeto Camilo de Oliveira
Referee: Eduardo Luiz Goncalves Rios Neto, Dimitri Fazito de Almeida Rezende
Document type: Master thesis
Language:por
Published: Universidade Federal de Minas Gerais
Portuguese subjects:
Online Access:http://hdl.handle.net/1843/AMSA-8LBKKK
Portuguese abstract:O objetivo deste trabalho é verificar alguns fatores associados à saída dos jovens brasileiros do domicílio de origem. Aqui, jovens são aqueles que tinham entre 15 e 34 anos na data de referência da pesquisa. Considerou-se que os jovens que ocupavam, no domicílio, a posição de pessoa responsável ou cônjuge haviam saído de seu domicílio de origem, enquanto aqueles que ocupavam a posição de filho do responsável pelo domicílio não haviam deixado o domicílio de origem. Utilizando dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), foi feita uma análise descritiva dos jovens de 15 a 34 anos residentes em áreas urbanas do Brasil para anos 1986, 1996 e 2006 e modelos de regressão logística para 1996 e 2006. A análise descritiva revelou elevada e crescente proporção de co-residência entre jovens adultos e seus pais, sendo a maioria composta por jovens brancos do sexo masculino, que possuíam alto nível de escolaridade e que trabalhavam. Houve também um aumento na proporção de homens que não trabalhavam nem estudavam e viviam com os pais. Diferentemente dos homens, em 2006 havia mais mulheres ocupando a posição de responsáveis pelo domicílio e um crescente aumento na proporção de cônjuges que trabalhavam. Os resultados das regressões logísticas revelam que, em 1996 e controlando pelas demais co-variáveis, os pardos e pretos tinham menos chance de deixar o domicílio de origem se comparados com os brancos. Já em 2006, a maior chance de sair de casa foi observada apenas entre os pardos. Não ter mãe viva foi um importante fator para aumentar a chance do jovem constituir um domicílio independente, uma vez que a mãe é a responsável por proporcionar a comodidade da casa, comida e roupa lavada aos filhos e, na sua ausência, a atratividade do ambiente familiar poderia ser reduzida.
This masters thesis aims at verifying some factors associated with youth departure from the household of origin in Brazil. I consider youth those between 15 and 34 years of age in the date of reference of the survey. I also consider that those who were heads of households or spouses of the heads were the ones who had left the parental household, whereas those who were the children of the head were considered as not having left the household of origin. I used PNAD (National Household Sample Survey) data for urban Brazil in 1986, 1996 and 2006. I did some descriptive analyses for the three years considered and used only 1996 and 2006 data for regression models. Descriptive analyses show that the proportion of youth living with parents is high and has increased over the period. Those who still live with their parents were mostly male, white, with high levels of education and in the labor force. The two decades under study witnessed an increase in the proportion of males who had not left the parental household and did not either work or study. Differently from men, there was an increase in the proportion of female heads and spouses participating in the labor market. Logistic regression results indicate that the significance of race/skin color of the individual has changed between 1996 and 2006. Compared to whites, blacks and browns were less likely to leave the parental household in 1996 but only browns are more likely to do so in 2006. Those with deceased mothers were more likely to have departed from the household of origin, once the mother is responsible for food, shelter, and clean clothes and, in the absence of the mother, the household of origin may be less attractive.