O ingresso dos jovens no mercado de trabalho: uma análise das regiões metropolitanas brasileiras nas últimas décadas

Este trabalho tem por objetivo principal analisar o ingresso no mercado de trabalho entre os jovens de 15 a 24 anos de idade, nos períodos de 1982/1983, 1991/1992 e 2000/2001, em seis regiões metropolitanas: Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre; analisadas conju...

Full description

Access type:openAccess
Publication Date:2007
Main Author: Maria Carolina Tomas
Advisor: Ana Maria Hermeto Camilo de Oliveira
Co-advisor: Eduardo Luiz Goncalves Rios Neto
Referee: Eduardo Luiz Goncalves Rios Neto, Bernardo Lanza Queiroz, Jorge Alexandre Barbosa Neves
Document type: Master thesis
Language:por
Published: Universidade Federal de Minas Gerais
Portuguese subjects:
Online Access:http://hdl.handle.net/1843/AMSA-72MNW8
Portuguese abstract:Este trabalho tem por objetivo principal analisar o ingresso no mercado de trabalho entre os jovens de 15 a 24 anos de idade, nos períodos de 1982/1983, 1991/1992 e 2000/2001, em seis regiões metropolitanas: Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre; analisadas conjuntamente. As motivações do trabalho são investigar a estrutura etária da transição; os fatores que a influenciam, como as características individuais, os recursos familiares e as variáveis demográficas e, finalmente, se ao longo do tempo houve mudanças significativas no efeito destas variáveis. A base de dados utilizada foi a Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE e três técnicas para análise foram empregadas: a primeira foi o singulate mean age para o cálculo da idade média do primeiro emprego; a segunda, tabelas de sobrevivência para a análise da estrutura etária da transição (diferenciando-se por condição de ocupação) entre todos os jovens, homens e mulheres, separadamente, e jovens estudantes e aqueles que não freqüentam escola, também separadamente. E, a terceira foi um modelo logit multinomial a fim de se analisar os fatores que influenciam o momento da inserção no mercado de trabalho. Ao final, observou-se que está ocorrendo um adiamento na idade de ingresso, há diferenças significativas por sexo, embora se perceba uma tendência à conversão ao longo do tempo. Da mesma maneira, há um padrão distinto de ingresso no mercado de trabalho entre os jovens que freqüentam ou não escola. E há tanto influências significativas das características individuais, como o sexo e a escolaridade, dos recursos familiares disponíveis, como o capital cultural, econômico e social das famílias e, igualmente, relações com variáveis demográficas como a idade, o tamanho da coorte e o período .
The main objective of this dissertation is to analyze the debut in the labor market of the youth between 15 and 24 years old, during 1982/1983, 1991/1992 and 2000/2001 periods. The analysis considers six metropolitan regions in Brazil together: Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre. The works motivation are to investigate the age structure of the transition to the labor market; the factors that influence it, such as, the individual characteristics, family resources and demographic variables, and, finally, if during the time have happened significant changes. The data basis used was the Monthly Employment Survey (PME) of IBGE and three techniques were applied: first, the singulate mean age in order to calculate the first job mean age; second, survival tables to analyze the transitions age structure, considering different groups, such as, all the youth together; males and females separately; and students and no students also separately. Third, a multinomial logit model to analyze the factors that influence the labor markets insertion moment. At the end, it is possible to say that the youth are postponing their transition to work; there are significant differences between males and females, although they are declining during the time; there are also important differences between youth that study and those who dont study. Besides, there are significant influence of individual characteristics (for instance, gender and schooling), family resources (cultural, economic and familiar social capitals) and demographic variables (age, cohort size, period).