A espada em forma de cruz: honra, serviço e fidelidade na busca por hábitos das Ordens Militares na primeira metade do Século XVIII em Pernambuco

Esta dissertação pretende demonstrar que parte significativa dos atores sociais que requereram hábitos das Ordens Militares na primeira metade do século XVIII, em Pernambuco, justificou seus pedidos com os serviços prestados na defesa do Recife contra a nobreza da terra durante a Guerra dos Mascates...

Full description

Access type:openAccess
Publication Date:2017
Main Author: MACHADOS, Estevam Henrique dos Santos
Advisor: SOUZA, George Felix Cabral de
Document type: Master thesis
Language:por
Published: Universidade Federal de Pernambuco
Program: Programa de Pos Graduacao em Historia
Portuguese subjects:
Online Access:https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/24119
Portuguese abstract:Esta dissertação pretende demonstrar que parte significativa dos atores sociais que requereram hábitos das Ordens Militares na primeira metade do século XVIII, em Pernambuco, justificou seus pedidos com os serviços prestados na defesa do Recife contra a nobreza da terra durante a Guerra dos Mascates (1710-1711). Para realizar tal intento foram discriminados os requerimentos que solicitavam hábitos das Ordens Militares no Arquivo Histórico Ultramarino referentes às capitanias de Pernambuco, Paraíba, Ceará e Alagoas, a partir desse conjunto pôde-se perceber semelhanças e diferenças entre os atores sociais destacados, principalmente no tempo e na qualidade dos serviços prestados. O recorte temporal estabelecido foi situado da data do primeiro requerimento após a Guerra dos Mascates em 1713, até a instalação da Companhia Geral de Pernambuco e Paraíba, em 1759. A análise dessa documentação permite realizar uma série de perguntas que podem ser feitas a todos os suplicantes e a partir deste ponto, perceber as semelhanças e diferenças nas estratégias de afirmação social destes indivíduos, caracterizando uma pesquisa com uma orientação prosopográfica. É, portanto, a partir dos requerimentos solicitando hábitos das Ordens Militares e de outras fontes presentes no AHU que mencionam estes atores sociais que descobrimos indícios dos serviços prestados e de suas origens sociais e familiares, tentando entender de que forma eles se inseriam na sociedade colonial. Tendo o episódio da Guerra dos Mascates como ponto de interseção, este trabalho aponta, primeiramente, para a ascensão social de uma elite econômica através de tentativas de apropriação do universo simbólico da elite política. O segundo movimento desta dissertação foi o de perceber como o hábito da Ordem de Cristo, outrora recompensa de serviços prestados contra “o outro”: o infiel muçulmano, o gentio bárbaro, o herege holandês, no caso da Restauração pernambucana, passa a ser utilizado como recompensa pelos serviços de guerra prestados contra súditos da mesma monarquia e fiéis à mesma Igreja Católica, sendo um sinal claro da perda progressiva da áurea religiosa das ordens militares à serviço da razão de Estado. Esta pesquisa contou com financiamento do CNPq.