Taxonomia e distribuição das espécies do gênero Microlaimus de Man, 1880 (Nematoda: Chromadorida) nos ambientes de plataforma e talude da Bacia de Campos, Rio de Janeiro, Brasil

Microlaimus é um gênero predominantemente marinho, cosmopolita e com elevado número de espécies. O objetivo do presente estudo é identificar as espécies deste gênero, descrever os novos táxons para a Ciência, redescrever as espécies conhecidas e descrever a sua distribuição ao longo de um gradiente...

Full description

Access type:embargoedAccess
Publication Date:2016
Main Author: LIMA, Rita de Cássia Coelho
Advisor: ESTEVES, André Morgado
Co-advisor: NERES, Patrícia Fernandes
Document type: Doctoral thesis
Language:por
Published: Universidade Federal de Pernambuco
Program: Programa de Pos Graduacao em Biologia Animal
Portuguese subjects:
Online Access:https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/27103
Portuguese abstract:Microlaimus é um gênero predominantemente marinho, cosmopolita e com elevado número de espécies. O objetivo do presente estudo é identificar as espécies deste gênero, descrever os novos táxons para a Ciência, redescrever as espécies conhecidas e descrever a sua distribuição ao longo de um gradiente de profundidade. As amostras do sedimento foram obtidas durante os anos de 2008 e 2009, na Bacia de Campos. As coletas foram realizadas em 108 estações posicionadas sobre nove transectos perpendiculares às profundidades entre 25-3000 m. Foram identificadas 13 espécies de Microlaimus, das quais, 10 são novos táxons. Microlaimus sp. nov. 1 apresenta dois testículos anteriores, 7-11 suplementos pré-cloacais papiliformes e fêmeas com duas glândulas para cada ramo do ovário. M.sp. nov. 2 possui quatro fileiras longitudinais de glândulas associadas a pequenos poros, uma cerda e três poros pré-cloacais. M. sp. nov. 3 demonstra dimorfismo sexual no tamanho da fóvea anfidial (♂100%/ ♀32%), cavidade bucal com cinco dentes e anel cuticular levemente esclerotizado, corpo com fileiras longitudinais de glândulas. Em M. sp. nov. 4 a região anterior do corpo é mais estreita na fêmea, há dimorfismo sexual no tamanho da fóvea anfidial (♂100% / ♀43,5%), cerdas cefálicas consideradas longas (♂60% / ♀85,7% do diâmetro correspondente). M.sp. nov. 5 apresenta fóvea anfidial pequena, em forma de círculo incompleto e (26%), arranjos cefálicos setiforme, cerdas cefálicas longas, 70% do diâmetro cefálico e pequenos suplementos pré-cloacais. M. sp. nov. 6 possui cutícula fortemente estriada, corpo delgado (índice a - 49,3/66), cauda cônica e índice c’ diferente entre machos e fêmeas (♂5,0/♀10). M. sp. nov. 7 apresenta cutícula fortemente estriada, arranjo cefálico papiliforme, gubernáculo com tamanho reduzido. Possui ainda cauda cônica com porção final cilíndrica, e valor do índice c’ diferente entre macho e fêmea (♂3,3/♀6,2). M. sp. nov. 8 possuem tamanho reduzido (<500 μm), arranjo cefálico papiliforme, fóvea anfidial de maior tamanho nos machos e situada mais anteriormente em ambos os sexos, corpo largo (índice a - ♂ 19,4 - 24,5 /♀17,5 – 22,2). M.sp. nov. 9 apresenta cerdas cefálicas com 36% do diâmetro cefálico em comprimento, fóvea anfidial medindo 53% da região do corpo correspondente, cavidade bucal e dentes reduzidos e cutícula com fortes estriações. M.sp. nov. 10 tem corpo delgado (índice a - 75,6), arranjo cefálico papiliforme, fóvea anfidial localizada mais posteriormente, cavidade bucal e dentes reduzidos. M. kaurii, M. minutus e M. monstrosus foram s identificadas para a área de estudo. Para facilitar os estudos taxonômicos foi proposto um conjunto de caracteres diagnósticos. Além disso, a diagnose do gênero foi emendada, incluindo informações verificadas nas novas espécies, descritas no presente estudo, e também aquelas verificadas na literatura. Entre as espécies encontradas, algumas foram restritas ao ambiente de plataforma ou talude, enquanto que duas espécies, M. sp. nov. 8 e M. sp. nov. 9, mostraram um padrão euribático.