Fatores de cooperação no Instituto Federal de Santa Catarina

Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós-Graduação em Tecnologias da Informação e Comunicação, Araranguá, 2017.

Access type:openAccess
Publication Date:2017
Main Author: Barros, Alberto Felipe Friderichs
Advisor: Bilessimo, Simone Meister Sommer
Co-advisor: Esteves, Paulo Cesar Leite
Document type: Master thesis
Language:por
Online Access:https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/179802
Portuguese abstract:Neste ambiente de rápidas mudanças em que as organizações estão inseridas, a inovação tem sido o elemento-chave para o crescimento e a competitividade das empresas. Por muito tempo, a inovação foi vista como alternativa apenas da empresa em produzir tecnologia para manter-se competitiva. Porém, viu-se que as universidades, favorecem o acesso de conhecimento e tecnologias, passando a incorporarem essa relação. Nesta perspectiva, esta pesquisa tem como objetivo investigar os principais fatores de cooperação universidade-empresa no Instituto Federal de Santa Catarina - IFSC. Para se chegar aos resultados, foi realizada uma pesquisa com natureza aplicada de objetivo exploratório e abordagem qualitativa, através de um estudo de caso foram selecionados a participar da pesquisa o coordenador de pesquisa e extensão em cada um dos 22 campi do IFSC. A coleta dos dados ocorreu por meio de um questionário com perguntas abertas e fechadas relacionadas as motivações, barreiras e benefícios de cooperação. Dentre os resultados obtidos aparecem como as principais motivações para a cooperação: o incentivo a pesquisa e inovação; a imagem institucional e inserção dos alunos no mercado de trabalho. Contudo, na prática, nota-se que a instituição enfrenta ainda limitações relacionadas à burocracia para firmar as parcerias, estrutura e carga horária docente, entre outros problemas de comunicação que embarreiram a ampliação desse tipo de cooperação. Em relação aos principais benefícios destacam-se: o aproveitamento de mão de obra dos alunos em empregos e estágios, o cumprimento da finalidade social como missão institucional e a aquisição de novos conhecimentos. Por fim, no que diz respeito ao desenvolvimento de inovação, pode-se concluir que embora alguns campi possuem atividades de inovação ligadas a empresas, isto ainda ocorre de forma tímida, o que nos leva a conclusão que, de forma geral, o IFSC ainda pouco contribui para a inovação a partir da cooperação com o setor produtivo.
English abstract:Abstract: In this environment of rapid changes in which organizations are inserted, innovation has been the key element for the growth and competitiveness of enterprises. For a long time, the innovation was seen as only the enterprises alternative in producing technology to remain competitive. However, it was seen that the universities encourage access to knowledge and technologies, beginning to incorporate this relationship. In this perspective, this study aims to identify the key factors of university-enterprises cooperation in the Federal Institute of Santa Catarina - IFSC. To get results, we conducted a survey of nature applied, objective exploratory and qualitative approach, through a case study. Were selected to participate in the study the coordinators of teaching, research and extension in each of the 22 campuses of the IFSC. The data were collected through a questionnaire with open and closed questions related to motivations, barriers and cooperation benefits. Among the results obtained appear as the main motivations for cooperation: the incentive to research and innovation; the institutional image and integration of students into the labor market. In practice, however, it is noted that the institution still faces limitations related to the bureaucracy to establish partnerships, structure and course load faculty, among other communication problems that embarreiram the expansion of this type of cooperation. In relation to the main benefits include: the use of labor of students in jobs and internships, the fulfilment of social purpose as institutional mission and the acquisition of new knowledge. Finally, with regard to the development of innovation, it can be concluded that although some campuses have activities of innovation related to companies, this still occurs in a timid, which leads us to conclude that, in general, the IFSC does little for innovation from the cooperation with the productive sector.