Ectoparasitos em morcegos (mammalia: chiroptera) em ambiente de Mata Atlântica, Sul do Brasil

Trabalho de Conclusão de Curso, apresentado para obtenção do grau de Bacharel no curso de Ciências Biológicas, da Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC.

Access type:openAccess
Publication Date:2017
Main Author: Biz, Luana da Silva
Advisor: Carvalho, Fernando
Document type: Bachelor thesis
Language:por
Portuguese subjects:
Online Access:http://repositorio.unesc.net/handle/1/5768
Portuguese abstract:Chiroptera é a segunda maior ordem de mamíferos em número de espécies, apresenta ampla distribuição geográfica, o que favorece também a dispersão de seus ectoparasitos. Este fator torna interessante os estudos desta associação parasito/hospedeiro, visto que diversas espécies são parasitos hematófagos exclusivos de morcegos. Desta maneira, este trabalho teve como objetivo avaliar a composição de ectoparasitos de morcegos (Diptera: Streblidae e Nycteribiidae), em ambiente de Mata Atlântica, na região Sul do Brasil. O estudo foi realizado em dois sítios amostrais, no Sul do estado de Santa Catarina, um considerado como ambiente natural, e outro, ambiente antrópico. Foram realizadas três noites de amostragens, mensalmente, entre setembro de 2016 a julho de 2017, ocorrendo à coleta de ectoparasitos. Foram capturados 494 morcegos, distribuídos em 10 espécies e duas famílias (Phyllostomidae e Vespertilionidae), destes, 171 estavam parasitados. Foram coletados 342 ectoparasitos, distribuído em 12 espécies. Paratrichobius longicrus foi a espécie mais abundante para ectoparasito, e Carollia perspicillata e Sturnira lilium foram as espécies de morcegos com maior riqueza de ectoparasitos. Basilia sp. comportou a maior prevalência e maior intensidade média de infestação. Em relação à comparação na infestação de parasitos entre os gêneros do morcegos e entre os ambientes, não houve diferenças, apesar de o ambiente natural apresentar um maior número de espécies. Ambientes naturais e/ou com menor interferência humana apresentam uma maior riqueza de quirópteros e proporcionam maior disponibilidade de abrigos (ex.: cavernas e fendas). Possibilitando variáveis climáticas mais estáveis, influenciando positivamente na fauna de ectoparasitos. Com estes resultados, pode-se observar uma alta especialização de parasitos sobre as espécies de hospedeiros, influenciando na sua riqueza e abundância total.