Cooperativismo: estudo comparativo do mercado formal de trabalho entre cooperativas e não-cooperativas no Extremo Sul Catarinense de 2006 a 2015

Trabalho de Conclusão de Curso, apresentado para obtenção do grau de Bacharel, no Curso de Ciências Econômicas da Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC.

Access type:openAccess
Publication Date:2017
Main Author: Verginio, Max Richard Coelho
Advisor: Estevam, Dimas de Oliveira
Document type: Bachelor thesis
Language:por
Portuguese subjects:
Online Access:http://repositorio.unesc.net/handle/1/5338
Portuguese abstract:O cooperativismo desempenha importante papel para a sociedade viabilizando a produção e comercialização de bens e serviços nos mais diversos setores da economia. Na última década a economia brasileira passou com período de expansão, o que impactou diretamente no nível de empregos gerados no país. As cooperativas são sociedade de capital social e visam resolver problemas enfrentados pelos associados muitas vezes como uma alternativa ao sistema capitalista. Deste modo, gerar empregos não é o objetivo principal das cooperativas, mas devido à forte influência do mercado, algumas cooperativas passaram a contratar empregados com carteira assinada numa quantidade significativa e crescente ano-a-ano. A presente monografia tem por objetivo estudar o mercado de trabalho formal, nas cooperativas do extremo sul catarinense. Há uma vasta literatura tratando o movimento do cooperativismo pelas mais diversas abordagens, o mais comum é tratar das questões referente aos associados, esta pesquisa diferencia-se por direcionar o estudo aos empregos formais gerados por estes estabelecimentos. A escolha do local é dada pela importância que as cooperativas exercem na economia regional, em algumas cidades a principal organização é a cooperativa. A metodologia é exploratório-descritivo, utiliza-se fontes bibliográficas e bases de dados oficiais, principalmente os Microdados da Relação Anual de Informação Social – RAIS. O período de estudo está delimitado nos anos de 2006 e 2015, devido ao CNAE 2.0, que inicia em 2006, além de haver mudanças na classificação de escolaridade. Define-se dois grupos para comparação: o primeiro, estabelecimentos de natureza jurídica igual a cooperativa. E o segundo grupo para fins de comparação é denominado não-cooperativa, são estabelecimentos classificados como entidades empresariais, exceto cooperativas. No período analisado constatou-se que para a região do extremo sul catarinense, cooperativas apresentaram médias de remuneração maiores, em relação ao segmento não cooperativista. A diferença de remuneração pode ser devido a participação considerável de empregados com curso superior em cooperativa. No entanto reproduzindo algumas desigualdades presentes no mercado, como no caso da diferença salarial entre homens e mulheres.