Repensando o sentido formativo da atividade filosófica à luz do “Trabalho sobre si-mesmo” de Wittgenstein: se filosofar é trabalhar sobre si, o que se trabalha quando se filosofa?

Cette recherche a pour objectif d'analyser la problématique formative de l'activité philosophique à la lumière de la notion “travail sur soi-même” du philosophe Ludwig Wittgenstein, afin de repenser un sens autre que celui “philosopher éduque”. Dans cette direction, Wittgenstein sera pris...

Full description

Access type:openAccess
Publication Date:2016
Main Author: Mendonça, José Carlos [UNESP]
Advisor: Gelamo, Rodrigo Pelloso [UNESP]
Document type: Doctoral thesis
Language:por
Published: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Portuguese subjects:
English subjects:
Online Access:http://hdl.handle.net/11449/136480
Portuguese abstract:Esta pesquisa tem por objetivo analisar a problemática formativa da atividade filosófica à luz da noção “trabalho sobre si-mesmo” do filósofo austríaco Ludwig Wittgenstein, no intuito de repensar um sentido outro ao “filosofar que educa”. Nessa direção, Wittgenstein será tomado como o referencial, bem como a própria testemunha dos movimentos a que a sua noção faz remeter o filosofar. De modo particular o exercício de si sobre si, testemunhado pelos cadernos de anotações e as observações de Remarques mêlées, que acaba por caracterizar o seu filosofar aproximando-o de uma exercitação que Pierre Hadot denominou de “exercícios espirituais”; os quais, sob tal viés, acabam por caracterizar o filosofar como uma experiência formativa, o que desloca o sentido da atividade filosófica para o contexto de uma “arte de aprender a viver” e não “ensinar a viver”. Razão pela qual pode-se dizer que há em sua proposta filosófica um ‘giro formativo’, pois, principalmente com a noção de “trabalho sobre si-mesmo” é exigido da atividade filosófica movimentos outros que não o estritamente conceitual discursivo. Sob este ‘novo’ viés, atrelada ao viver, o filosofar se mostra como “arte de aprender a viver” porque a prática, via “exercício” e “maneira de viver” que cuida, consiste nesta ação vinculada à “primeira pessoa”. Dessa forma, se o filosofar “travestido como maneira de viver que exercita” visa à constituição de um “discurso interno” com o fim de operar a transformação de si, a atividade filosófica se vê diante de uma “nova” proposta, cujo ‘jogo da verdade’ – de base ética e não epistemológica – acaba por demandar a atualização de seu sentido educativo. Assim, a partir dos referenciais mencionados e ao fim proposto, e pautado por uma pesquisa bibliográfica de metodologia teórico-filosófica, o trabalho toma por eixo três movimentos os quais se impõe como variáveis de análise à questão formativa pressuposta na noção wittgensteiniana – “Se a filosofia é um trabalho sobre si-mesmo, o que se trabalha sobre si quando se filosofa?” –, cujos principais movimentos fazem com que o próprio sentido formativo da atividade seja repensado: 1) experiência de si na prática da exercitação ou do exercício como prática de si; 2) experiência de si na linguagem; 3) experiência ética de si como prática da própria verdade.
English abstract:This research aims to analyze the formative problem of philosophical activity in the light of the notion "work about itself" of the Austrian philosopher Ludwig Wittgenstein, in order to rethink a sense other to "philosophize that educates." In this way, Wittgenstein will be taken as the reference, as well as the very witness of the movements that its notion does refer philosophizing. Particularly, the exercise about itself, witnessed by notebooks of Notes mêlées, which ultimately characterize your philosophy approaching it from a Pierre Hadot´s practice called "spiritual exercises"; which ones, under such bias, characterize the philosophy as a formative experience, that shifts the philosophical activity senses to the context of an "learning to live science" and do not "teaching to live science". Reason why it can be said that is in its philosophical proposal as a 'formative turning' because, mainly with the "work about itself" notion is required from philosophical activity movements other than strictly discursive conceptual. Under this 'new' bias, linked to live philosophizing shown as "learning to live science" because the practice, through the "exercise" and "way of life" that cares, it consists in this linked action to the "first person". Thus, if the philosophizing "disguised as a way of living that exercise" aimed at the establishment of an "inner speech" in order to operate the transformation of the self, philosophical activity is faced with a "new" proposal, whose 'game the truth '- ethics and not epistemological basis - ultimately require updating its educational sense. Thus, from the aforementioned references and the proposed end, and guided by a literature review of theoretical and philosophical methodology, the work takes axle three which movements is imposed as analysis variables to the question formative presupposed in Wittgenstein's notion – “If the philosophy is a work of self, which works on itself when it philosophizes” –, whose main movements cause the formation direction of the activity itself to be rethought: 1) experience of itself in the practice of drilling or exercise as practice itself; 2) experience in the language itself; 3) ethical experience itself as a practice of truth itself.