Olhares sobre Lisboa: o \'Livro do desassossego\' e \'O que o turista deve ver\'

A cidade de Lisboa, que se lê nas páginas do Livro do Desassossego: composto por Bernardo Soares, ajudante de guarda-livros na cidade de Lisboa, de Fernando Pessoa, confirma-se como criação artística e se faz cidade literária, pelos olhos elaborados por Fernando Pessoa para o seu semi-heterônimo Ber...

Full description

Access type:openAccess
Publication Date:2006
Main Author: Davi Fazzolari
Advisor: Maria Helena Nery Garcez
Referee: Jose Horacio de Almeida Nascimento Costa, Paola Poma
Document type: Master thesis
Language:por
Published: Universidade de São Paulo
Program: Letras (Literatura Portuguesa)
Portuguese subjects:
English subjects:
Online Access:http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8150/tde-24082007-145007/
Portuguese abstract:A cidade de Lisboa, que se lê nas páginas do Livro do Desassossego: composto por Bernardo Soares, ajudante de guarda-livros na cidade de Lisboa, de Fernando Pessoa, confirma-se como criação artística e se faz cidade literária, pelos olhos elaborados por Fernando Pessoa para o seu semi-heterônimo Bernardo Soares. Aproximar essa leitura de Lisboa de outra, também produzida por Fernando Pessoa para o guia de viagem Lisboa: o que o turista deve ver, ou seja, para uma obra de outra natureza que não a literária, permite, em nosso trabalho, uma abordagem estética e antropológica da percepção visual exercitada pelo autor. De um lado, no Livro do Desassossego, a construção de uma estética citadina particular e original a revelar uma cidade conformada pelo contraste espaço habitado e paisagem interior. De outro, um lugar tecido na memória do autor mais próximo do homem aparentemente real, a partir de sua identificação histórica com a cidade.
English abstract:The city of Lisbon depicted in the pages of the Book of Disquiet: composed by Bernardo Soares, keep-book assistant in the city of Lisbon, written by Fernando Pessoa, is confirmed as an artistic creation and it is transformed into a literary city, by the eyes of Fernando Pessoa to his \"semiheteronym\" Bernardo Soares. Comparing this view of Lisbon to another one, also produced for Fernando Pessoa for the traveller\'s guide Lisbon: what the tourist should see - a not literary it -, allows, in our research, an aesthetic and anthropological approach of the visual perception attempted by the author. On one hand, in the Book of Disquiet, the building up of a certain original aesthetic city revealing a city conformed by the contrast inhabited space and interior landscape view. On the other hand, a place woven in the memory of the author, closer to the apparent real man, starting from his historical identification with the city.