"Qualidade de vida em portadores de doença arterial coronária submetidos a diferentes tratamentos: comparação entre genêros."

OBJETIVO: Avaliar a qualidade de vida em portadores de Doença Arterial Coronária (DAC)submetidos a três tratamentos: clínico, cirúrgico ou por angioplastia, além de comparar possíveis diferenças entre gêneros. CASUÍSTICA E MÉTODO: O estudo incluiu 542 sujeitos com DAC submetidos a um dos tratamentos...

Full description

Access type:openAccess
Publication Date:2004
Main Author: Maria Elenita Corrêa de Sampaio Favarato
Advisor: Jose Mendes Aldrighi
Referee: Roberto Calvoso Junior, Whady Armindo Hueb, Alberto Olavo Advincula Reis, Adolfo Vitor Dias Sauerbronn
Document type: Doctoral thesis
Language:por
Published: Universidade de São Paulo
Program: Saúde Pública
Portuguese subjects:
English subjects:
Online Access:http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/6/6136/tde-17032005-090318/
Portuguese abstract:OBJETIVO: Avaliar a qualidade de vida em portadores de Doença Arterial Coronária (DAC)submetidos a três tratamentos: clínico, cirúrgico ou por angioplastia, além de comparar possíveis diferenças entre gêneros. CASUÍSTICA E MÉTODO: O estudo incluiu 542 sujeitos com DAC submetidos a um dos tratamentos: cirúrgico, clínico ou por angioplastia. Dos participantes, 376 eram homens (58,5 dp 8,7 anos)e 166 mulheres (61,8 dp 9,2 anos). O instrumento de avaliação foi o Questionário Genérico de Avaliação de Qualidade de vida (SF-36), aplicado no início do tratamento, após seis e doze meses.A análise estatística foi realizada pelo teste ANOVA. RESULTADOS: Em relação aos componentes físicos do SF-36, o grupo cirúrgico exibiu escores de 46, 63 e 68, respectivamente, na fase inicial, seis e doze meses; o clínico 52, 65 e 62 e a angioplastia 57, 66 e 70. Os escores dos componentes mentais do tratamento cirúrgico foram 58, 71 e 74, do clínico 61, 69 e 69 e da angioplastia 64, 74 e 74. As diferenças foram significantes ao longo do tempo e entre os tratamentos (p<0,01). Na comparação entre os gêneros notou-se que os componentes físicos nos homens apresentaram respectivamente escores de 56*, 69 e 77* e nas mulheres 41*, 64 e 62*; os componentes mentais nos homens revelaram 61*, 73 e 80* e nas mulheres 51*, 68 e 62* (*p<0,0001). CONCLUSÕES: Os sujeitos submetidos ao tratamento cirúrgico mostraram evolução mais favorável. Os homens apresentaram melhor qualidade de vida no início e se beneficiaram progressivamente após seis e doze meses dos tratamentos realizados, enquanto nas mulheres a melhora ocorreu aos seis meses, reduzindo-se aos doze.
English abstract:OBJECTIVE: To analyse the quality of life of people with coronary artery disease (CAD) who underwent distinct therapeutic interventions and to compare the possible differences between genders. METHOD: This study comprised 542 subjects, 376 men (58,5 years) and 166 women (61,8 years)with CAD, who underwent surgical, medical treatment or angioplasty. Quality of life was assessed with The Medical Outcomes Study 36-item short-form health survey (SF-36) that was administered at the beginning of the treatment, after 6 and 12 months; the applied statistical method was the ANOVA test. RESULTS: Those who underwent surgical treatment had scores of 46, 63 and 68, for SF-36 physical components; 52, 65 and 62 for medical treatment and 57,66 and 70 for angioplasty, respectively,in the inicial, 6 and 12 months phases. For mental components, results were 58, 71 and 74 for the surgical intervention; 61, 69 and 69 for the medical treatment and 64, 74 and 74 for angioplasty. The differences among treatments and repeted measures reached statistical significance (p<0,01). When comparing genders, physical components scores in men were 56*, 69 and 77* and 41*, 64 and 62* in women, respectively; mental components scores in men were 61*, 73 and 80* and 51*, 68 and 62* in women (*p<0,0001). CONCLUSIONS: Those subjetcts who underwent surgical treatment had the most favorable evolution. Men had better quality of life in the beginning of the treatment compared with that in women, with a progressive improvement after 6 and 12 months, while women, after an improvement at 6 months, present a decrease at 12 months.