A IDEIA DE EQUILÍBRIO POLÍTICO DE BENJAMIN CONSTANT NO CONSTITUCIONALISMO BRASILEIRO: PODER JUDICIÁRIO COMO NOVO PODER MODERADOR?

Detalhes bibliográficos
Autor(a) principal: Lima, Martonio Mont'Alverne Barreto
Data de Publicação: 2020
Outros Autores: Gonçalves, Ítalo Reis
Tipo de documento: Artigo
Idioma: por
Título da fonte: Revista Opinião Jurídica (Fortaleza)
Texto Completo: https://periodicos.unichristus.edu.br/opiniaojuridica/article/view/3145
Resumo: Objetivo: Partindo da hipótese de que, no Brasil redemocratizado, o Poder Judiciário desempenha função análoga à do Poder Moderador da Constituição Imperial de 1824 e promove acúmulo de poder e desequilíbrio político, o artigo busca apresentar criticamente alguns dos principais postulados da teoria constitucional de limitação de poder de Benjamin Constant e, com base nesta, investigar a atuação jurídico-política dos juízes e tribunais nacionais (em especial, do Supremo Tribunal Federal), que desempenham papel fundamental na dinâmica democrática do País.Metodologia: Adota-se, quanto à natureza, metodologia aplicada, pois pretende oferecer respostas práticas sobre a jurisdição constitucional no Brasil; quanto ao objetivo, metodologia explicativa, pois pretende delimitar a relação entre a teoria de Benjamin Constant e a judicialização da política, assim como identificar algumas das principais consequências desse fenômeno para a democracia nacional; quanto à abordagem do problema, metodologia qualitativa, pois pretende analisar e interpretar a expansão funcional dos juízes e tribunais sobre controvérsias políticas e morais sem limitá-la a elementos numéricos específicos. Através principalmente de revisão bibliográfica, investigação legislativa e análise de casos, desenvolve-se pesquisa verticalizada sobre a temática proposta.Resultados: Conclui-se que a ideia de manutenção de equilíbrio político através da atuação majoritária de juízes e tribunais, novos pretensos agentes externos, neutros e reativos, viabiliza que o Poder Judiciário ultrapasse as suas amarras constitucionais e decida qualquer controvérsia política ilimitadamente, usurpando a soberania popular e fragilizando o pacto democrático estabelecido pela Constituição Federal de 1988. A solução para o desequilíbrio político não reside na autoridade de um agente político superior; mas sim na ativa atuação política popular e efetivação do sistema de freios e contrapesos.Contribuições: O artigo, através de análise histórico-política das bases teóricas do constitucionalismo nacional, elucida alguns dos mais relevantes pontos da teoria de Benjamin Constant e de como esta foi recepcionada pelo constitucionalismo nacional e ainda oferece algumas possíveis explanações sobre a judicialização da política brasileira e a sua influência sobre o delineamento jurídico-político do Brasil redemocratizado.
id CHRISTUS-2_d6ac61a15269cc743bc43e76e425287d
oai_identifier_str oai:ojs.unichristus.emnuvens.com.br:article/3145
network_acronym_str CHRISTUS-2
network_name_str Revista Opinião Jurídica (Fortaleza)
repository_id_str
spelling A IDEIA DE EQUILÍBRIO POLÍTICO DE BENJAMIN CONSTANT NO CONSTITUCIONALISMO BRASILEIRO: PODER JUDICIÁRIO COMO NOVO PODER MODERADOR?Teoria do Direito; Teoria PolíticaPoder Judiciário; Poder Moderador; Benjamin Constant; Equilíbrio político; Judicialização da políticaObjetivo: Partindo da hipótese de que, no Brasil redemocratizado, o Poder Judiciário desempenha função análoga à do Poder Moderador da Constituição Imperial de 1824 e promove acúmulo de poder e desequilíbrio político, o artigo busca apresentar criticamente alguns dos principais postulados da teoria constitucional de limitação de poder de Benjamin Constant e, com base nesta, investigar a atuação jurídico-política dos juízes e tribunais nacionais (em especial, do Supremo Tribunal Federal), que desempenham papel fundamental na dinâmica democrática do País.Metodologia: Adota-se, quanto à natureza, metodologia aplicada, pois pretende oferecer respostas práticas sobre a jurisdição constitucional no Brasil; quanto ao objetivo, metodologia explicativa, pois pretende delimitar a relação entre a teoria de Benjamin Constant e a judicialização da política, assim como identificar algumas das principais consequências desse fenômeno para a democracia nacional; quanto à abordagem do problema, metodologia qualitativa, pois pretende analisar e interpretar a expansão funcional dos juízes e tribunais sobre controvérsias políticas e morais sem limitá-la a elementos numéricos específicos. Através principalmente de revisão bibliográfica, investigação legislativa e análise de casos, desenvolve-se pesquisa verticalizada sobre a temática proposta.Resultados: Conclui-se que a ideia de manutenção de equilíbrio político através da atuação majoritária de juízes e tribunais, novos pretensos agentes externos, neutros e reativos, viabiliza que o Poder Judiciário ultrapasse as suas amarras constitucionais e decida qualquer controvérsia política ilimitadamente, usurpando a soberania popular e fragilizando o pacto democrático estabelecido pela Constituição Federal de 1988. A solução para o desequilíbrio político não reside na autoridade de um agente político superior; mas sim na ativa atuação política popular e efetivação do sistema de freios e contrapesos.Contribuições: O artigo, através de análise histórico-política das bases teóricas do constitucionalismo nacional, elucida alguns dos mais relevantes pontos da teoria de Benjamin Constant e de como esta foi recepcionada pelo constitucionalismo nacional e ainda oferece algumas possíveis explanações sobre a judicialização da política brasileira e a sua influência sobre o delineamento jurídico-político do Brasil redemocratizado.Instituto para o Desenvolvimento da Educacao (Centro Universitário Christus - Unichristus)Lima, Martonio Mont'Alverne BarretoGonçalves, Ítalo Reis2020-10-01info:eu-repo/semantics/articleinfo:eu-repo/semantics/publishedVersionapplication/pdfapplication/xmlhttps://periodicos.unichristus.edu.br/opiniaojuridica/article/view/314510.12662/2447-6641oj.v18i29.p171-197.2020Revista Opinião Jurídica (Fortaleza); v. 18, n. 29 (2020); 171-197Revista Opinião Jurídica (Fortaleza); v. 18, n. 29 (2020); 171-197Revista Opinião Jurídica (Fortaleza); v. 18, n. 29 (2020); 171-197Revista Opinião Jurídica (Fortaleza); v. 18, n. 29 (2020); 171-1972447-66411806-042010.12662/2447-6641oj.v18i29.2020reponame:Revista Opinião Jurídica (Fortaleza)instname:Centro Universitário Christus (Unichristus)instacron:UNICHRISTUSporhttps://periodicos.unichristus.edu.br/opiniaojuridica/article/view/3145/1200https://periodicos.unichristus.edu.br/opiniaojuridica/article/view/3145/1243BrasilDireitos autorais 2020 Revista Opinião Jurídica (Fortaleza)http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0info:eu-repo/semantics/openAccess2021-01-07T12:18:34Zoai:ojs.unichristus.emnuvens.com.br:article/3145Revistahttps://periodicos.unichristus.edu.br/opiniaojuridicaPRIhttps://periodicos.unichristus.edu.br/opiniaojuridica/oaiopiniaojuridica01@unichristus.edu.br || secretaria.oj@unichristus.edu.br2447-66411806-0420opendoar:2021-01-07T12:18:34Revista Opinião Jurídica (Fortaleza) - Centro Universitário Christus (Unichristus)false
dc.title.none.fl_str_mv A IDEIA DE EQUILÍBRIO POLÍTICO DE BENJAMIN CONSTANT NO CONSTITUCIONALISMO BRASILEIRO: PODER JUDICIÁRIO COMO NOVO PODER MODERADOR?
title A IDEIA DE EQUILÍBRIO POLÍTICO DE BENJAMIN CONSTANT NO CONSTITUCIONALISMO BRASILEIRO: PODER JUDICIÁRIO COMO NOVO PODER MODERADOR?
spellingShingle A IDEIA DE EQUILÍBRIO POLÍTICO DE BENJAMIN CONSTANT NO CONSTITUCIONALISMO BRASILEIRO: PODER JUDICIÁRIO COMO NOVO PODER MODERADOR?
Lima, Martonio Mont'Alverne Barreto
Teoria do Direito; Teoria Política
Poder Judiciário; Poder Moderador; Benjamin Constant; Equilíbrio político; Judicialização da política
title_short A IDEIA DE EQUILÍBRIO POLÍTICO DE BENJAMIN CONSTANT NO CONSTITUCIONALISMO BRASILEIRO: PODER JUDICIÁRIO COMO NOVO PODER MODERADOR?
title_full A IDEIA DE EQUILÍBRIO POLÍTICO DE BENJAMIN CONSTANT NO CONSTITUCIONALISMO BRASILEIRO: PODER JUDICIÁRIO COMO NOVO PODER MODERADOR?
title_fullStr A IDEIA DE EQUILÍBRIO POLÍTICO DE BENJAMIN CONSTANT NO CONSTITUCIONALISMO BRASILEIRO: PODER JUDICIÁRIO COMO NOVO PODER MODERADOR?
title_full_unstemmed A IDEIA DE EQUILÍBRIO POLÍTICO DE BENJAMIN CONSTANT NO CONSTITUCIONALISMO BRASILEIRO: PODER JUDICIÁRIO COMO NOVO PODER MODERADOR?
title_sort A IDEIA DE EQUILÍBRIO POLÍTICO DE BENJAMIN CONSTANT NO CONSTITUCIONALISMO BRASILEIRO: PODER JUDICIÁRIO COMO NOVO PODER MODERADOR?
author Lima, Martonio Mont'Alverne Barreto
author_facet Lima, Martonio Mont'Alverne Barreto
Gonçalves, Ítalo Reis
author_role author
author2 Gonçalves, Ítalo Reis
author2_role author
dc.contributor.none.fl_str_mv
dc.contributor.author.fl_str_mv Lima, Martonio Mont'Alverne Barreto
Gonçalves, Ítalo Reis
dc.subject.por.fl_str_mv Teoria do Direito; Teoria Política
Poder Judiciário; Poder Moderador; Benjamin Constant; Equilíbrio político; Judicialização da política
topic Teoria do Direito; Teoria Política
Poder Judiciário; Poder Moderador; Benjamin Constant; Equilíbrio político; Judicialização da política
description Objetivo: Partindo da hipótese de que, no Brasil redemocratizado, o Poder Judiciário desempenha função análoga à do Poder Moderador da Constituição Imperial de 1824 e promove acúmulo de poder e desequilíbrio político, o artigo busca apresentar criticamente alguns dos principais postulados da teoria constitucional de limitação de poder de Benjamin Constant e, com base nesta, investigar a atuação jurídico-política dos juízes e tribunais nacionais (em especial, do Supremo Tribunal Federal), que desempenham papel fundamental na dinâmica democrática do País.Metodologia: Adota-se, quanto à natureza, metodologia aplicada, pois pretende oferecer respostas práticas sobre a jurisdição constitucional no Brasil; quanto ao objetivo, metodologia explicativa, pois pretende delimitar a relação entre a teoria de Benjamin Constant e a judicialização da política, assim como identificar algumas das principais consequências desse fenômeno para a democracia nacional; quanto à abordagem do problema, metodologia qualitativa, pois pretende analisar e interpretar a expansão funcional dos juízes e tribunais sobre controvérsias políticas e morais sem limitá-la a elementos numéricos específicos. Através principalmente de revisão bibliográfica, investigação legislativa e análise de casos, desenvolve-se pesquisa verticalizada sobre a temática proposta.Resultados: Conclui-se que a ideia de manutenção de equilíbrio político através da atuação majoritária de juízes e tribunais, novos pretensos agentes externos, neutros e reativos, viabiliza que o Poder Judiciário ultrapasse as suas amarras constitucionais e decida qualquer controvérsia política ilimitadamente, usurpando a soberania popular e fragilizando o pacto democrático estabelecido pela Constituição Federal de 1988. A solução para o desequilíbrio político não reside na autoridade de um agente político superior; mas sim na ativa atuação política popular e efetivação do sistema de freios e contrapesos.Contribuições: O artigo, através de análise histórico-política das bases teóricas do constitucionalismo nacional, elucida alguns dos mais relevantes pontos da teoria de Benjamin Constant e de como esta foi recepcionada pelo constitucionalismo nacional e ainda oferece algumas possíveis explanações sobre a judicialização da política brasileira e a sua influência sobre o delineamento jurídico-político do Brasil redemocratizado.
publishDate 2020
dc.date.none.fl_str_mv 2020-10-01
dc.type.none.fl_str_mv

dc.type.driver.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/article
info:eu-repo/semantics/publishedVersion
format article
status_str publishedVersion
dc.identifier.uri.fl_str_mv https://periodicos.unichristus.edu.br/opiniaojuridica/article/view/3145
10.12662/2447-6641oj.v18i29.p171-197.2020
url https://periodicos.unichristus.edu.br/opiniaojuridica/article/view/3145
identifier_str_mv 10.12662/2447-6641oj.v18i29.p171-197.2020
dc.language.iso.fl_str_mv por
language por
dc.relation.none.fl_str_mv https://periodicos.unichristus.edu.br/opiniaojuridica/article/view/3145/1200
https://periodicos.unichristus.edu.br/opiniaojuridica/article/view/3145/1243
dc.rights.driver.fl_str_mv Direitos autorais 2020 Revista Opinião Jurídica (Fortaleza)
http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0
info:eu-repo/semantics/openAccess
rights_invalid_str_mv Direitos autorais 2020 Revista Opinião Jurídica (Fortaleza)
http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0
eu_rights_str_mv openAccess
dc.format.none.fl_str_mv application/pdf
application/xml
dc.coverage.none.fl_str_mv Brasil


dc.publisher.none.fl_str_mv Instituto para o Desenvolvimento da Educacao (Centro Universitário Christus - Unichristus)
publisher.none.fl_str_mv Instituto para o Desenvolvimento da Educacao (Centro Universitário Christus - Unichristus)
dc.source.none.fl_str_mv Revista Opinião Jurídica (Fortaleza); v. 18, n. 29 (2020); 171-197
Revista Opinião Jurídica (Fortaleza); v. 18, n. 29 (2020); 171-197
Revista Opinião Jurídica (Fortaleza); v. 18, n. 29 (2020); 171-197
Revista Opinião Jurídica (Fortaleza); v. 18, n. 29 (2020); 171-197
2447-6641
1806-0420
10.12662/2447-6641oj.v18i29.2020
reponame:Revista Opinião Jurídica (Fortaleza)
instname:Centro Universitário Christus (Unichristus)
instacron:UNICHRISTUS
instname_str Centro Universitário Christus (Unichristus)
instacron_str UNICHRISTUS
institution UNICHRISTUS
reponame_str Revista Opinião Jurídica (Fortaleza)
collection Revista Opinião Jurídica (Fortaleza)
repository.name.fl_str_mv Revista Opinião Jurídica (Fortaleza) - Centro Universitário Christus (Unichristus)
repository.mail.fl_str_mv opiniaojuridica01@unichristus.edu.br || secretaria.oj@unichristus.edu.br
_version_ 1797052898233810944