NECROPOLÍTICA TRANS: o gênero, cor e raça das LGBTI que morrem no Brasil são definidos pelo racismo de Estado

Bibliographic Details
Main Author: Bomfim, Rainer
Access Level: Open Access
Publication Date: 2020
Other Authors: Salles, Victória Taglialegna, Bahia, Alexandre Gustavo Melo Franco de Moraes
Format: Article
Language: por
Defense institution: Universidade Estadual do Norte do Paraná
Source: Argumenta
Portuguese Subjects:
Download full: http://seer.uenp.edu.br/index.php/argumenta/article/view/1727
Summary: Sob a perspectiva da necropolítica de Achille Mbembe pretende-se, por meio da pesquisa crítico-metodológica, demonstrar como o racismo de Estado, conceituado por Michel Foucault, age sobre as travestis e mulheres trans, especialmente negras, que são tidas como corpos que não importam ou corpos feitos para morrer. Para isso, trabalha-se com o conceito de Necropolítica, apresentando como as políticas de Estado atuam diretamente sobre as travestis e as mulheres trans negras, de modo a determinar quem irá viver e quem irá morrer. Essa população é interpelada negativamente por aquela prática, de tal forma que a necropolítica se manifesta com a morte delas. Dessa maneira, o trabalho justifica-se pelo crescente número de assassinatos e crueldades praticados de forma institucional diante do estigma das travestis e mulheres trans negras. Por fim, conclui-se pela existência de um racismo de Estado, que é articulado com a formação do Estado-nação frente às pessoas trans.