Análise experimental da resistência de aderência à tração em revestimentos argamassados

Detalhes bibliográficos
Autor(a) principal: Schmitz, Lucas Borsatto
Data de Publicação: 2014
Idioma: por
Título da fonte: Repositório Institucional da UNESC
Texto Completo: http://repositorio.unesc.net/handle/1/3024
Resumo: Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil.
id UNESC-1_92774c81f3b53a211bfeed58361e0e30
oai_identifier_str oai:repositorio.unesc.net:1/3024
network_acronym_str UNESC-1
network_name_str Repositório Institucional da UNESC
spelling Schmitz, Lucas BorsattoAraújo, Jakson Fábio BitencourtUniversidade do Extremo Sul Catarinense2015-07-20T23:50:47Z2015-07-20T23:50:47Z2014-122015-07-20http://repositorio.unesc.net/handle/1/3024Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil.Patologias construtivas relacionadas à perda ou falta de aderência de revestimentos argamassados, vem crescendo de forma considerável na construção civil, preocupando empresas e profissionais do ramo. Uma das principais características no estado endurecido da argamassa de revestimento é a resistência de aderência à tração, que depende da interação das camadas constituintes do revestimento argamassado. O presente trabalho tem como objetivo avaliar em condições reais de utilização, a resistência de aderência à tração de diferentes tipos de argamassas. As variáveis do estudo foram: o tipo de argamassa (argamassa produzida em obra e argamassa estabilizada fornecida por empresa especializada), a variação de preparo do substrato de alvenaria cerâmica (com e sem chapisco) e a idade de cura da argamassa (14 e 28 dias). Foram determinadas as propriedades de aderência à tração conforme recomendação da norma técnica NBR 13528 (2010). Os resultados obtidos indicaram que no geral a argamassa estabilizada (grupo EC e ES) apresentou os melhores valores de aderência, quando comparada com a argamassa produzida em obra (PS e PC). O tipo de ruptura, porém, alertou sobre uma possível manifestação patológica futura nas argamassas estabilizadas dependendo de seu uso, além de apontar para fissuras nas argamassas produzidas em obra. No geral, todas as argamassas analisadas atenderam o desempenho exigido pela NBR 13749 (2013).Aderência à traçãoArgamassaRevestimento de paredesAnálise experimental da resistência de aderência à tração em revestimentos argamassadosinfo:eu-repo/semantics/publishedVersioninfo:eu-repo/semantics/bachelorThesisporreponame:Repositório Institucional da UNESCinstname:Universidade do Extremo Sul Catarinense (Unesc)instacron:UNESCinfo:eu-repo/semantics/openAccessORIGINALLucasBorsattoSchmitz.pdfLucasBorsattoSchmitz.pdfArtigoapplication/pdf955546http://repositorio.unesc.net/bitstream/1/3024/1/LucasBorsattoSchmitz.pdfaab79e136ac541e4ae0eb45231aad839MD51LICENSElicense.txtlicense.txttext/plain; charset=utf-8894http://repositorio.unesc.net/bitstream/1/3024/2/license.txt09af850207095721090e50e21d50d1efMD52TEXTLucasBorsattoSchmitz.pdf.txtLucasBorsattoSchmitz.pdf.txtExtracted texttext/plain25768http://repositorio.unesc.net/bitstream/1/3024/3/LucasBorsattoSchmitz.pdf.txta2987bd04bd1c74e0809d47442397ca0MD53THUMBNAILLucasBorsattoSchmitz.pdf.jpgLucasBorsattoSchmitz.pdf.jpgGenerated Thumbnailimage/jpeg1771http://repositorio.unesc.net/bitstream/1/3024/4/LucasBorsattoSchmitz.pdf.jpg2211bc34cba3cf8e30e7d540d0cb564dMD541/30242015-08-24 23:31:42.581VEVSTU8gREUgQVVUT1JJWkHDh8ODTyBQQVJBIFVUSUxJWkHDh8ODTyBERSBPQlJBCgpOYSBxdWFsaWRhZGUgZGUgdGl0dWxhciBkb3MgZGlyZWl0b3MgYXV0b3JhaXMgcmVsYXRpdm9zIMOgIG9icmEgYWNpbWEgZGVzY3JpdGEsCm8gYXV0b3IsIGNvbSBmdW5kYW1lbnRvIG5vIGFydGlnbyAyOSBkYSBMZWkgbi4gOS42MTAvMTk5OCwgYXV0b3JpemEgYSAKVU5FU0Mg4oCTIFVuaXZlcnNpZGFkZSBkbyBFeHRyZW1vIFN1bCBDYXRhcmluZW5zZSwgYSBkaXNwb25pYmlsaXphciBncmF0dWl0YW1lbnRlIHN1YQpvYnJhLCBzZW0gcmVzc2FyY2ltZW50byBkZSBkaXJlaXRvcyBhdXRvcmFpcywgcGFyYSBmaW5zIGRlIGxlaXR1cmEsCmltcHJlc3PDo28gZS9vdSBkb3dubG9hZCBwZWxhIGludGVybmV0LCBhIHTDrXR1bG8gZGUgZGl2dWxnYcOnw6NvIGRhIHByb2R1w6fDo28gY2llbnTDrWZpY2EKZ2VyYWRhIHBlbGEgVU5FU0MsIG5hcyBzZWd1aW50ZXMgbW9kYWxpZGFkZXM6CgphKSBkaXNwb25pYmlsaXphw6fDo28gaW1wcmVzc2Egbm8gYWNlcnZvIGRhIEJpYmxpb3RlY2EgUHJvZi4gRXVyaWNvIEJhY2s7CmIpIGRpc3BvbmliaWxpemHDp8OjbyBlbSBtZWlvIGVsZXRyw7RuaWNvLCBlbSBiYW5jbyBkZSBkYWRvcyBuYSByZWRlIG11bmRpYWwKZGUgY29tcHV0YWRvcmVzLCBlbSBmb3JtYXRvIGVzcGVjaWZpY2FkbyAoUERGKTsKYykgRGlzcG9uaWJpbGl6YcOnw6NvIHBlbG8gUHJvZ3JhbWEgZGUgQ29tdXRhw6fDo28gQmlibGlvZ3LDoWZpY2Eg4oCTICBDb211dCwgZG8KSUJJQ1QgKEluc3RpdHV0byBCcmFzaWxlaXJvIGRlIEluZm9ybWHDp8OjbyBlbSBDacOqbmNpYSBlIFRlY25vbG9naWEpLCDDs3Jnw6NvIGRvCk1pbmlzdMOpcmlvIGRlIENpw6puY2lhIGUgVGVjbm9sb2dpYS4KRepositório de Publicaçõeshttp://repositorio.unesc.net/
dc.title.pt_BR.fl_str_mv Análise experimental da resistência de aderência à tração em revestimentos argamassados
title Análise experimental da resistência de aderência à tração em revestimentos argamassados
spellingShingle Análise experimental da resistência de aderência à tração em revestimentos argamassados
Schmitz, Lucas Borsatto
Aderência à tração
Argamassa
Revestimento de paredes
title_short Análise experimental da resistência de aderência à tração em revestimentos argamassados
title_full Análise experimental da resistência de aderência à tração em revestimentos argamassados
title_fullStr Análise experimental da resistência de aderência à tração em revestimentos argamassados
title_full_unstemmed Análise experimental da resistência de aderência à tração em revestimentos argamassados
title_sort Análise experimental da resistência de aderência à tração em revestimentos argamassados
author Schmitz, Lucas Borsatto
author_facet Schmitz, Lucas Borsatto
author_role author
dc.contributor.author.fl_str_mv Schmitz, Lucas Borsatto
dc.contributor.advisor1.fl_str_mv Araújo, Jakson Fábio Bitencourt
contributor_str_mv Araújo, Jakson Fábio Bitencourt
dc.subject.por.fl_str_mv Aderência à tração
Argamassa
Revestimento de paredes
topic Aderência à tração
Argamassa
Revestimento de paredes
dc.description.pt_BR.fl_txt_mv Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil.
dc.description.abstract.por.fl_txt_mv Patologias construtivas relacionadas à perda ou falta de aderência de revestimentos argamassados, vem crescendo de forma considerável na construção civil, preocupando empresas e profissionais do ramo. Uma das principais características no estado endurecido da argamassa de revestimento é a resistência de aderência à tração, que depende da interação das camadas constituintes do revestimento argamassado. O presente trabalho tem como objetivo avaliar em condições reais de utilização, a resistência de aderência à tração de diferentes tipos de argamassas. As variáveis do estudo foram: o tipo de argamassa (argamassa produzida em obra e argamassa estabilizada fornecida por empresa especializada), a variação de preparo do substrato de alvenaria cerâmica (com e sem chapisco) e a idade de cura da argamassa (14 e 28 dias). Foram determinadas as propriedades de aderência à tração conforme recomendação da norma técnica NBR 13528 (2010). Os resultados obtidos indicaram que no geral a argamassa estabilizada (grupo EC e ES) apresentou os melhores valores de aderência, quando comparada com a argamassa produzida em obra (PS e PC). O tipo de ruptura, porém, alertou sobre uma possível manifestação patológica futura nas argamassas estabilizadas dependendo de seu uso, além de apontar para fissuras nas argamassas produzidas em obra. No geral, todas as argamassas analisadas atenderam o desempenho exigido pela NBR 13749 (2013).
description Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil.
publishDate 2014
dc.date.created.fl_str_mv 2014-12
dc.date.accessioned.fl_str_mv 2015-07-20T23:50:47Z
dc.date.available.fl_str_mv 2015-07-20T23:50:47Z
dc.date.issued.fl_str_mv 2015-07-20
dc.type.status.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/publishedVersion
dc.type.driver.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/bachelorThesis
status_str publishedVersion
dc.identifier.uri.fl_str_mv http://repositorio.unesc.net/handle/1/3024
url http://repositorio.unesc.net/handle/1/3024
dc.language.iso.fl_str_mv por
language por
dc.rights.driver.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/openAccess
eu_rights_str_mv openAccess
dc.coverage.spatial.pt_BR.fl_str_mv Universidade do Extremo Sul Catarinense
dc.source.none.fl_str_mv reponame:Repositório Institucional da UNESC
instname:Universidade do Extremo Sul Catarinense (Unesc)
instacron:UNESC
instname_str Universidade do Extremo Sul Catarinense (Unesc)
instacron_str UNESC
institution UNESC
reponame_str Repositório Institucional da UNESC
collection Repositório Institucional da UNESC
bitstream.url.fl_str_mv http://repositorio.unesc.net/bitstream/1/3024/1/LucasBorsattoSchmitz.pdf
http://repositorio.unesc.net/bitstream/1/3024/2/license.txt
http://repositorio.unesc.net/bitstream/1/3024/3/LucasBorsattoSchmitz.pdf.txt
http://repositorio.unesc.net/bitstream/1/3024/4/LucasBorsattoSchmitz.pdf.jpg
bitstream.checksum.fl_str_mv aab79e136ac541e4ae0eb45231aad839
09af850207095721090e50e21d50d1ef
a2987bd04bd1c74e0809d47442397ca0
2211bc34cba3cf8e30e7d540d0cb564d
bitstream.checksumAlgorithm.fl_str_mv MD5
MD5
MD5
MD5
repository.name.fl_str_mv
repository.mail.fl_str_mv
_version_ 1725763300907548672