Dennett e Chalmers: argumentos e intuição

Bibliographic Details
Main Author: Leal-Toledo, Gustavo
Publication Date: 2006
Format: Article
Language: por
Source: Trans/Form/Ação - Revista de Filosofia
Download full: https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/transformacao/article/view/918
Summary: Chalmers e Dennett se encontram em lados opostos da discussão do problema da consciência. Para Chalmers, ela é um dado indubitável que não pode ser explicada em termos de outra coisa. Para Dennett, o que existe verdadeiramente são múltiplos julgamentos sobre nossa consciência. Cada um acusa o outro de circularidade. Isto só é possível porque a diferença entre estas duas teorias é verdadeiramente uma diferença de princípios. A mesma oposição que encontramos no aparato teórico encontramos também em suas pressuposições mais básicas e fundamentais. Este fato torna extremamente difícil escolher entre as duas ao mesmo tempo em que radicaliza a diferença entre elas. De um lado temos que argumentos podem refutar intuições, de outro temos que é preciso primeiro sondar nossas intuições para depois criar argumentos a partir delas. Entre um extremo e outro nos encontramos com o velho dilema de “o que vem primeiro?”. No entanto, mais importante do que escolher lados é mostrar o quanto é difícil escolher.
id UNESP-10_67714d17b1cef7a0f994dacd9e807fae
oai_identifier_str oai:ojs.www2.marilia.unesp.br:article/918
network_acronym_str UNESP-10
network_name_str Trans/Form/Ação - Revista de Filosofia
spelling Dennett e Chalmers: argumentos e intuiçãoDavid ChalmersDaniel DennettQualiaChalmers e Dennett se encontram em lados opostos da discussão do problema da consciência. Para Chalmers, ela é um dado indubitável que não pode ser explicada em termos de outra coisa. Para Dennett, o que existe verdadeiramente são múltiplos julgamentos sobre nossa consciência. Cada um acusa o outro de circularidade. Isto só é possível porque a diferença entre estas duas teorias é verdadeiramente uma diferença de princípios. A mesma oposição que encontramos no aparato teórico encontramos também em suas pressuposições mais básicas e fundamentais. Este fato torna extremamente difícil escolher entre as duas ao mesmo tempo em que radicaliza a diferença entre elas. De um lado temos que argumentos podem refutar intuições, de outro temos que é preciso primeiro sondar nossas intuições para depois criar argumentos a partir delas. Entre um extremo e outro nos encontramos com o velho dilema de “o que vem primeiro?”. No entanto, mais importante do que escolher lados é mostrar o quanto é difícil escolher.Faculdade de Filosofia e Ciências2006-12-01info:eu-repo/semantics/articleinfo:eu-repo/semantics/publishedVersionapplication/pdfhttps://revistas.marilia.unesp.br/index.php/transformacao/article/view/91810.1590/S0101-31732006000200010TRANS/FORM/AÇÃO: Revista de Filosofia; Vol. 29 No. 2 (2006); 123-132TRANS/FORM/AÇÃO: Revista de Filosofia; v. 29 n. 2 (2006); 123-1321980-539X0101-3173reponame:Trans/Form/Ação - Revista de Filosofiainstname:Universidade Estadual Paulista (UNESP)instacron:UNESPporhttps://revistas.marilia.unesp.br/index.php/transformacao/article/view/918/823Copyright (c) 2021 TRANS/FORM/AÇÃO: Revista de Filosofiahttp://creativecommons.org/licenses/by/4.0info:eu-repo/semantics/openAccessLeal-Toledo, Gustavo2021-11-25T16:30:29ZRevistahttps://revistas.marilia.unesp.br/index.php/transformacao/indexPUB
dc.title.none.fl_str_mv Dennett e Chalmers: argumentos e intuição
title Dennett e Chalmers: argumentos e intuição
spellingShingle Dennett e Chalmers: argumentos e intuição
Leal-Toledo, Gustavo
David Chalmers
Daniel Dennett
Qualia
title_short Dennett e Chalmers: argumentos e intuição
title_full Dennett e Chalmers: argumentos e intuição
title_fullStr Dennett e Chalmers: argumentos e intuição
title_full_unstemmed Dennett e Chalmers: argumentos e intuição
title_sort Dennett e Chalmers: argumentos e intuição
author Leal-Toledo, Gustavo
author_facet Leal-Toledo, Gustavo
author_role author
dc.contributor.author.fl_str_mv Leal-Toledo, Gustavo
dc.subject.por.fl_str_mv David Chalmers
Daniel Dennett
Qualia
topic David Chalmers
Daniel Dennett
Qualia
dc.description.none.fl_txt_mv Chalmers e Dennett se encontram em lados opostos da discussão do problema da consciência. Para Chalmers, ela é um dado indubitável que não pode ser explicada em termos de outra coisa. Para Dennett, o que existe verdadeiramente são múltiplos julgamentos sobre nossa consciência. Cada um acusa o outro de circularidade. Isto só é possível porque a diferença entre estas duas teorias é verdadeiramente uma diferença de princípios. A mesma oposição que encontramos no aparato teórico encontramos também em suas pressuposições mais básicas e fundamentais. Este fato torna extremamente difícil escolher entre as duas ao mesmo tempo em que radicaliza a diferença entre elas. De um lado temos que argumentos podem refutar intuições, de outro temos que é preciso primeiro sondar nossas intuições para depois criar argumentos a partir delas. Entre um extremo e outro nos encontramos com o velho dilema de “o que vem primeiro?”. No entanto, mais importante do que escolher lados é mostrar o quanto é difícil escolher.
description Chalmers e Dennett se encontram em lados opostos da discussão do problema da consciência. Para Chalmers, ela é um dado indubitável que não pode ser explicada em termos de outra coisa. Para Dennett, o que existe verdadeiramente são múltiplos julgamentos sobre nossa consciência. Cada um acusa o outro de circularidade. Isto só é possível porque a diferença entre estas duas teorias é verdadeiramente uma diferença de princípios. A mesma oposição que encontramos no aparato teórico encontramos também em suas pressuposições mais básicas e fundamentais. Este fato torna extremamente difícil escolher entre as duas ao mesmo tempo em que radicaliza a diferença entre elas. De um lado temos que argumentos podem refutar intuições, de outro temos que é preciso primeiro sondar nossas intuições para depois criar argumentos a partir delas. Entre um extremo e outro nos encontramos com o velho dilema de “o que vem primeiro?”. No entanto, mais importante do que escolher lados é mostrar o quanto é difícil escolher.
publishDate 2006
dc.date.none.fl_str_mv 2006-12-01
dc.type.driver.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/article
info:eu-repo/semantics/publishedVersion
format article
status_str publishedVersion
dc.identifier.uri.fl_str_mv https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/transformacao/article/view/918
10.1590/S0101-31732006000200010
url https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/transformacao/article/view/918
identifier_str_mv 10.1590/S0101-31732006000200010
dc.language.iso.fl_str_mv por
language por
dc.relation.none.fl_str_mv https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/transformacao/article/view/918/823
dc.rights.driver.fl_str_mv Copyright (c) 2021 TRANS/FORM/AÇÃO: Revista de Filosofia
http://creativecommons.org/licenses/by/4.0
info:eu-repo/semantics/openAccess
rights_invalid_str_mv Copyright (c) 2021 TRANS/FORM/AÇÃO: Revista de Filosofia
http://creativecommons.org/licenses/by/4.0
eu_rights_str_mv openAccess
dc.format.none.fl_str_mv application/pdf
dc.publisher.none.fl_str_mv Faculdade de Filosofia e Ciências
publisher.none.fl_str_mv Faculdade de Filosofia e Ciências
dc.source.none.fl_str_mv TRANS/FORM/AÇÃO: Revista de Filosofia; Vol. 29 No. 2 (2006); 123-132
TRANS/FORM/AÇÃO: Revista de Filosofia; v. 29 n. 2 (2006); 123-132
1980-539X
0101-3173
reponame:Trans/Form/Ação - Revista de Filosofia
instname:Universidade Estadual Paulista (UNESP)
instacron:UNESP
instname_str Universidade Estadual Paulista (UNESP)
instacron_str UNESP
institution UNESP
reponame_str Trans/Form/Ação - Revista de Filosofia
collection Trans/Form/Ação - Revista de Filosofia
repository.name.fl_str_mv
repository.mail.fl_str_mv
_version_ 1724304969261121536