O paradoxo de Chalmers

Bibliographic Details
Main Author: Leal-Toledo, Gustavo
Publication Date: 2009
Format: Article
Language: por
Source: Trans/Form/Ação - Revista de Filosofia
Download full: https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/transformacao/article/view/1014
Summary: O Argumento dos Zumbis proposto por Chalmers, ao contrário de defender o dualismo, bane as qualia para um “mundo” onde elas não podem influenciar o julgamento que fazemos sobre nós mesmos. Por este motivo, pelo próprio argumento, podemos ser um zumbi e não saber. A isso Chalmers chamou de The Paradox of Phenomenal Judgment. O problema é que ele aceita tal paradoxo como parte de sua própria teoria. No entanto, este movimento filosófico não é aceitável e este paradoxo mina a teoria de Chalmers por dentro mostrando que o argumento dos zumbis é, na verdade, um argumento contra o dualismo. Chalmers tenta resolver este problema com uma série de argumentos que tem como base o fato de que a consciência é um bruto explanandum indubitável. No entanto, tal tentativa fracassa por uma série de razões que mostram que mesmo se ele estivesse correto, ainda poderíamos ser um zumbi e não saber.
id UNESP-10_967bd6ec7587e116f9d6caca4d766d4f
oai_identifier_str oai:ojs.www2.marilia.unesp.br:article/1014
network_acronym_str UNESP-10
network_name_str Trans/Form/Ação - Revista de Filosofia
spelling O paradoxo de ChalmersO Argumento dos Zumbis proposto por Chalmers, ao contrário de defender o dualismo, bane as qualia para um “mundo” onde elas não podem influenciar o julgamento que fazemos sobre nós mesmos. Por este motivo, pelo próprio argumento, podemos ser um zumbi e não saber. A isso Chalmers chamou de The Paradox of Phenomenal Judgment. O problema é que ele aceita tal paradoxo como parte de sua própria teoria. No entanto, este movimento filosófico não é aceitável e este paradoxo mina a teoria de Chalmers por dentro mostrando que o argumento dos zumbis é, na verdade, um argumento contra o dualismo. Chalmers tenta resolver este problema com uma série de argumentos que tem como base o fato de que a consciência é um bruto explanandum indubitável. No entanto, tal tentativa fracassa por uma série de razões que mostram que mesmo se ele estivesse correto, ainda poderíamos ser um zumbi e não saber.Faculdade de Filosofia e Ciências2009-01-10info:eu-repo/semantics/articleinfo:eu-repo/semantics/publishedVersionapplication/pdfhttps://revistas.marilia.unesp.br/index.php/transformacao/article/view/101410.1590/S0101-31732009000200010TRANS/FORM/AÇÃO: Revista de Filosofia; Vol. 32 No. 2 (2009); 159-173TRANS/FORM/AÇÃO: Revista de Filosofia; v. 32 n. 2 (2009); 159-1731980-539X0101-3173reponame:Trans/Form/Ação - Revista de Filosofiainstname:Universidade Estadual Paulista (UNESP)instacron:UNESPporhttps://revistas.marilia.unesp.br/index.php/transformacao/article/view/1014/915Copyright (c) 2021 TRANS/FORM/AÇÃO: Revista de Filosofiahttp://creativecommons.org/licenses/by/4.0info:eu-repo/semantics/openAccessLeal-Toledo, Gustavo2021-11-25T17:18:46ZRevistahttps://revistas.marilia.unesp.br/index.php/transformacao/indexPUB
dc.title.none.fl_str_mv O paradoxo de Chalmers
title O paradoxo de Chalmers
spellingShingle O paradoxo de Chalmers
Leal-Toledo, Gustavo
title_short O paradoxo de Chalmers
title_full O paradoxo de Chalmers
title_fullStr O paradoxo de Chalmers
title_full_unstemmed O paradoxo de Chalmers
title_sort O paradoxo de Chalmers
author Leal-Toledo, Gustavo
author_facet Leal-Toledo, Gustavo
author_role author
dc.contributor.author.fl_str_mv Leal-Toledo, Gustavo
dc.description.none.fl_txt_mv O Argumento dos Zumbis proposto por Chalmers, ao contrário de defender o dualismo, bane as qualia para um “mundo” onde elas não podem influenciar o julgamento que fazemos sobre nós mesmos. Por este motivo, pelo próprio argumento, podemos ser um zumbi e não saber. A isso Chalmers chamou de The Paradox of Phenomenal Judgment. O problema é que ele aceita tal paradoxo como parte de sua própria teoria. No entanto, este movimento filosófico não é aceitável e este paradoxo mina a teoria de Chalmers por dentro mostrando que o argumento dos zumbis é, na verdade, um argumento contra o dualismo. Chalmers tenta resolver este problema com uma série de argumentos que tem como base o fato de que a consciência é um bruto explanandum indubitável. No entanto, tal tentativa fracassa por uma série de razões que mostram que mesmo se ele estivesse correto, ainda poderíamos ser um zumbi e não saber.
description O Argumento dos Zumbis proposto por Chalmers, ao contrário de defender o dualismo, bane as qualia para um “mundo” onde elas não podem influenciar o julgamento que fazemos sobre nós mesmos. Por este motivo, pelo próprio argumento, podemos ser um zumbi e não saber. A isso Chalmers chamou de The Paradox of Phenomenal Judgment. O problema é que ele aceita tal paradoxo como parte de sua própria teoria. No entanto, este movimento filosófico não é aceitável e este paradoxo mina a teoria de Chalmers por dentro mostrando que o argumento dos zumbis é, na verdade, um argumento contra o dualismo. Chalmers tenta resolver este problema com uma série de argumentos que tem como base o fato de que a consciência é um bruto explanandum indubitável. No entanto, tal tentativa fracassa por uma série de razões que mostram que mesmo se ele estivesse correto, ainda poderíamos ser um zumbi e não saber.
publishDate 2009
dc.date.none.fl_str_mv 2009-01-10
dc.type.driver.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/article
info:eu-repo/semantics/publishedVersion
format article
status_str publishedVersion
dc.identifier.uri.fl_str_mv https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/transformacao/article/view/1014
10.1590/S0101-31732009000200010
url https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/transformacao/article/view/1014
identifier_str_mv 10.1590/S0101-31732009000200010
dc.language.iso.fl_str_mv por
language por
dc.relation.none.fl_str_mv https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/transformacao/article/view/1014/915
dc.rights.driver.fl_str_mv Copyright (c) 2021 TRANS/FORM/AÇÃO: Revista de Filosofia
http://creativecommons.org/licenses/by/4.0
info:eu-repo/semantics/openAccess
rights_invalid_str_mv Copyright (c) 2021 TRANS/FORM/AÇÃO: Revista de Filosofia
http://creativecommons.org/licenses/by/4.0
eu_rights_str_mv openAccess
dc.format.none.fl_str_mv application/pdf
dc.publisher.none.fl_str_mv Faculdade de Filosofia e Ciências
publisher.none.fl_str_mv Faculdade de Filosofia e Ciências
dc.source.none.fl_str_mv TRANS/FORM/AÇÃO: Revista de Filosofia; Vol. 32 No. 2 (2009); 159-173
TRANS/FORM/AÇÃO: Revista de Filosofia; v. 32 n. 2 (2009); 159-173
1980-539X
0101-3173
reponame:Trans/Form/Ação - Revista de Filosofia
instname:Universidade Estadual Paulista (UNESP)
instacron:UNESP
instname_str Universidade Estadual Paulista (UNESP)
instacron_str UNESP
institution UNESP
reponame_str Trans/Form/Ação - Revista de Filosofia
collection Trans/Form/Ação - Revista de Filosofia
repository.name.fl_str_mv
repository.mail.fl_str_mv
_version_ 1724304969708863488