Faixa de gaza e o hamas no imaginário social: a corrida pelo voto

Bibliographic Details
Main Author: Collares, Valdeli Coelho
Publication Date: 2021
Format: Article
Language: por
Source: Revista Aurora (Online)
Download full: https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/aurora/article/view/2353
Summary: Um movimento seja ele qual for, não pode ser apenas consolidado, com base em seus trabalhos sociais ou arranjos políticos. O instrumento clássico de legitimação de regimes e movimentos políticos e sociais é naturalmente a ideologia2, todavia mesmo as justificativas ideológicas extrapolam o discurso. É através do imaginário que se podem atingir não só a cabeça mais de modo especial, o coração, isto é as a aspirações, os medos e as esperanças de um povo. A questão do imaginário social, ganha relevância a partir da assertiva, com a qual concordamos de que o homem está sempre imerso numa rede de sentidos ou numa comunidade de sentidos. Bazco,(1985). É a partir do social que os homens interagem entre si e constroem suas identidades. A insatisfação crescente com acordos de paz entre Israelenses e palestinos que não respondiam as demandas do território ocupado, a corrupção das lideranças seculares palestinas, tornou possível, o surgimento de movimentos islâmicos dispostos a tentar mudar a história da ocupação da opressão e minimizar pobreza da região. Assim surgiu o movimento Islâmico Hamas, que escandalizou o mundo com inesperada vitória obtida nas eleições do Conselho Legislativo Palestino (CLP)3 em Janeiro de 2006. O movimento vinha construindo uma base sólida devido as suas atividades educacionais, sociais de obras de caridade, além da propagação religiosa, conseguindo se tornar popular dentro e fora da Palestina. O artigo propõe fazer uma análise da atuação do Hamas no intuito de entender o que motivou a população palestina a delegar-lhe apoio. Que causas ou conjunto de causas podem ser apontados para o crescimento desse movimento a ponto de substituir em tão pouco tempo as poderosas forças políticas na Palestina. Esse estudo está baseado no método qualitativo e histórico, segundo Foucault (2005), há dezenas de anos a atenção dos historiadores se voltava para longos períodos, que revelava a continuidade os equilíbrios as regulações constantes difíceis de serem rompidas. “A atenção se deslocou, para os fenômenos de ruptura” FOUCAULT (2005, p.4-9). A pesquisa qualitativa, “compreende um conjunto de diferentes técnicas interpretativas que visam descrever e decodificar os componentes de um sistema complexo de significados, o objetivo é traduzir, expressar o sentido dos fenômenos sociais” MAANEN (1979, p. 520). A pesquisa bibliográfica conduzirá todo o trabalho a ser desenvolvido nesse estudo
id UNESP-32_c7046ff5a92a6015cce986d6cc03b9a3
oai_identifier_str oai:ojs.www2.marilia.unesp.br:article/2353
network_acronym_str UNESP-32
network_name_str Revista Aurora (Online)
repository_id_str
spelling Faixa de gaza e o hamas no imaginário social: a corrida pelo votoHamasVotoAscensão.Um movimento seja ele qual for, não pode ser apenas consolidado, com base em seus trabalhos sociais ou arranjos políticos. O instrumento clássico de legitimação de regimes e movimentos políticos e sociais é naturalmente a ideologia2, todavia mesmo as justificativas ideológicas extrapolam o discurso. É através do imaginário que se podem atingir não só a cabeça mais de modo especial, o coração, isto é as a aspirações, os medos e as esperanças de um povo. A questão do imaginário social, ganha relevância a partir da assertiva, com a qual concordamos de que o homem está sempre imerso numa rede de sentidos ou numa comunidade de sentidos. Bazco,(1985). É a partir do social que os homens interagem entre si e constroem suas identidades. A insatisfação crescente com acordos de paz entre Israelenses e palestinos que não respondiam as demandas do território ocupado, a corrupção das lideranças seculares palestinas, tornou possível, o surgimento de movimentos islâmicos dispostos a tentar mudar a história da ocupação da opressão e minimizar pobreza da região. Assim surgiu o movimento Islâmico Hamas, que escandalizou o mundo com inesperada vitória obtida nas eleições do Conselho Legislativo Palestino (CLP)3 em Janeiro de 2006. O movimento vinha construindo uma base sólida devido as suas atividades educacionais, sociais de obras de caridade, além da propagação religiosa, conseguindo se tornar popular dentro e fora da Palestina. O artigo propõe fazer uma análise da atuação do Hamas no intuito de entender o que motivou a população palestina a delegar-lhe apoio. Que causas ou conjunto de causas podem ser apontados para o crescimento desse movimento a ponto de substituir em tão pouco tempo as poderosas forças políticas na Palestina. Esse estudo está baseado no método qualitativo e histórico, segundo Foucault (2005), há dezenas de anos a atenção dos historiadores se voltava para longos períodos, que revelava a continuidade os equilíbrios as regulações constantes difíceis de serem rompidas. “A atenção se deslocou, para os fenômenos de ruptura” FOUCAULT (2005, p.4-9). A pesquisa qualitativa, “compreende um conjunto de diferentes técnicas interpretativas que visam descrever e decodificar os componentes de um sistema complexo de significados, o objetivo é traduzir, expressar o sentido dos fenômenos sociais” MAANEN (1979, p. 520). A pesquisa bibliográfica conduzirá todo o trabalho a ser desenvolvido nesse estudoFaculdade de Filosofia e Ciências2021-10-08info:eu-repo/semantics/articleinfo:eu-repo/semantics/publishedVersionapplication/pdfhttps://revistas.marilia.unesp.br/index.php/aurora/article/view/235310.36311/1982-8004.2012.v5n2.2353Revista Aurora; v. 5 n. 2 (2012); 101-1201982-80042177-0484reponame:Revista Aurora (Online)instname:Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP)instacron:UNESPporhttps://revistas.marilia.unesp.br/index.php/aurora/article/view/2353/1914Copyright (c) 2012 Revista Aurorahttps://creativecommons.org/licenses/by/4.0/info:eu-repo/semantics/openAccessCollares, Valdeli Coelho2020-07-29T11:17:05ZRevistahttps://revistas.marilia.unesp.br/index.php/aurora/indexPUB
dc.title.none.fl_str_mv Faixa de gaza e o hamas no imaginário social: a corrida pelo voto
title Faixa de gaza e o hamas no imaginário social: a corrida pelo voto
spellingShingle Faixa de gaza e o hamas no imaginário social: a corrida pelo voto
Collares, Valdeli Coelho
Hamas
Voto
Ascensão.
title_short Faixa de gaza e o hamas no imaginário social: a corrida pelo voto
title_full Faixa de gaza e o hamas no imaginário social: a corrida pelo voto
title_fullStr Faixa de gaza e o hamas no imaginário social: a corrida pelo voto
title_full_unstemmed Faixa de gaza e o hamas no imaginário social: a corrida pelo voto
title_sort Faixa de gaza e o hamas no imaginário social: a corrida pelo voto
author Collares, Valdeli Coelho
author_facet Collares, Valdeli Coelho
author_role author
dc.contributor.author.fl_str_mv Collares, Valdeli Coelho
dc.subject.por.fl_str_mv Hamas
Voto
Ascensão.
topic Hamas
Voto
Ascensão.
dc.description.none.fl_txt_mv Um movimento seja ele qual for, não pode ser apenas consolidado, com base em seus trabalhos sociais ou arranjos políticos. O instrumento clássico de legitimação de regimes e movimentos políticos e sociais é naturalmente a ideologia2, todavia mesmo as justificativas ideológicas extrapolam o discurso. É através do imaginário que se podem atingir não só a cabeça mais de modo especial, o coração, isto é as a aspirações, os medos e as esperanças de um povo. A questão do imaginário social, ganha relevância a partir da assertiva, com a qual concordamos de que o homem está sempre imerso numa rede de sentidos ou numa comunidade de sentidos. Bazco,(1985). É a partir do social que os homens interagem entre si e constroem suas identidades. A insatisfação crescente com acordos de paz entre Israelenses e palestinos que não respondiam as demandas do território ocupado, a corrupção das lideranças seculares palestinas, tornou possível, o surgimento de movimentos islâmicos dispostos a tentar mudar a história da ocupação da opressão e minimizar pobreza da região. Assim surgiu o movimento Islâmico Hamas, que escandalizou o mundo com inesperada vitória obtida nas eleições do Conselho Legislativo Palestino (CLP)3 em Janeiro de 2006. O movimento vinha construindo uma base sólida devido as suas atividades educacionais, sociais de obras de caridade, além da propagação religiosa, conseguindo se tornar popular dentro e fora da Palestina. O artigo propõe fazer uma análise da atuação do Hamas no intuito de entender o que motivou a população palestina a delegar-lhe apoio. Que causas ou conjunto de causas podem ser apontados para o crescimento desse movimento a ponto de substituir em tão pouco tempo as poderosas forças políticas na Palestina. Esse estudo está baseado no método qualitativo e histórico, segundo Foucault (2005), há dezenas de anos a atenção dos historiadores se voltava para longos períodos, que revelava a continuidade os equilíbrios as regulações constantes difíceis de serem rompidas. “A atenção se deslocou, para os fenômenos de ruptura” FOUCAULT (2005, p.4-9). A pesquisa qualitativa, “compreende um conjunto de diferentes técnicas interpretativas que visam descrever e decodificar os componentes de um sistema complexo de significados, o objetivo é traduzir, expressar o sentido dos fenômenos sociais” MAANEN (1979, p. 520). A pesquisa bibliográfica conduzirá todo o trabalho a ser desenvolvido nesse estudo
description Um movimento seja ele qual for, não pode ser apenas consolidado, com base em seus trabalhos sociais ou arranjos políticos. O instrumento clássico de legitimação de regimes e movimentos políticos e sociais é naturalmente a ideologia2, todavia mesmo as justificativas ideológicas extrapolam o discurso. É através do imaginário que se podem atingir não só a cabeça mais de modo especial, o coração, isto é as a aspirações, os medos e as esperanças de um povo. A questão do imaginário social, ganha relevância a partir da assertiva, com a qual concordamos de que o homem está sempre imerso numa rede de sentidos ou numa comunidade de sentidos. Bazco,(1985). É a partir do social que os homens interagem entre si e constroem suas identidades. A insatisfação crescente com acordos de paz entre Israelenses e palestinos que não respondiam as demandas do território ocupado, a corrupção das lideranças seculares palestinas, tornou possível, o surgimento de movimentos islâmicos dispostos a tentar mudar a história da ocupação da opressão e minimizar pobreza da região. Assim surgiu o movimento Islâmico Hamas, que escandalizou o mundo com inesperada vitória obtida nas eleições do Conselho Legislativo Palestino (CLP)3 em Janeiro de 2006. O movimento vinha construindo uma base sólida devido as suas atividades educacionais, sociais de obras de caridade, além da propagação religiosa, conseguindo se tornar popular dentro e fora da Palestina. O artigo propõe fazer uma análise da atuação do Hamas no intuito de entender o que motivou a população palestina a delegar-lhe apoio. Que causas ou conjunto de causas podem ser apontados para o crescimento desse movimento a ponto de substituir em tão pouco tempo as poderosas forças políticas na Palestina. Esse estudo está baseado no método qualitativo e histórico, segundo Foucault (2005), há dezenas de anos a atenção dos historiadores se voltava para longos períodos, que revelava a continuidade os equilíbrios as regulações constantes difíceis de serem rompidas. “A atenção se deslocou, para os fenômenos de ruptura” FOUCAULT (2005, p.4-9). A pesquisa qualitativa, “compreende um conjunto de diferentes técnicas interpretativas que visam descrever e decodificar os componentes de um sistema complexo de significados, o objetivo é traduzir, expressar o sentido dos fenômenos sociais” MAANEN (1979, p. 520). A pesquisa bibliográfica conduzirá todo o trabalho a ser desenvolvido nesse estudo
publishDate 2021
dc.date.none.fl_str_mv 2021-10-08
dc.type.driver.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/article
info:eu-repo/semantics/publishedVersion
format article
status_str publishedVersion
dc.identifier.uri.fl_str_mv https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/aurora/article/view/2353
10.36311/1982-8004.2012.v5n2.2353
url https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/aurora/article/view/2353
identifier_str_mv 10.36311/1982-8004.2012.v5n2.2353
dc.language.iso.fl_str_mv por
language por
dc.relation.none.fl_str_mv https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/aurora/article/view/2353/1914
dc.rights.driver.fl_str_mv Copyright (c) 2012 Revista Aurora
https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/
info:eu-repo/semantics/openAccess
rights_invalid_str_mv Copyright (c) 2012 Revista Aurora
https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/
eu_rights_str_mv openAccess
dc.format.none.fl_str_mv application/pdf
dc.publisher.none.fl_str_mv Faculdade de Filosofia e Ciências
publisher.none.fl_str_mv Faculdade de Filosofia e Ciências
dc.source.none.fl_str_mv Revista Aurora; v. 5 n. 2 (2012); 101-120
1982-8004
2177-0484
reponame:Revista Aurora (Online)
instname:Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP)
instacron:UNESP
instname_str Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP)
instacron_str UNESP
institution UNESP
reponame_str Revista Aurora (Online)
collection Revista Aurora (Online)
repository.name.fl_str_mv
repository.mail.fl_str_mv
_version_ 1727298264088182784