Efeito de porta-enxertos e espaçamentos entre plantas na qualidade de pêssegos 'Aurora-1'

Detalhes bibliográficos
Autor(a) principal: Mathias, Carolina [UNESP]
Data de Publicação: 2008
Outros Autores: Mayer, Newton Alex, Mattiuz, Ben-Hur [UNESP], Pereira, Fernando Mendes [UNESP]
Tipo de documento: Artigo
Idioma: por
Título da fonte: Repositório Institucional da UNESP
Texto Completo: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-29452008000100030
http://hdl.handle.net/11449/3482
Resumo: O objetivo deste trabalho foi avaliar a qualidade pós-colheita de pêssegos da cultivar 'Aurora-1' enxertada sobre quatro porta-enxertos: 'Okinawa' propagado por sementes e por estacas herbáceas, Clone 15 e cv. Rigitano de umezeiro propagados por estacas herbáceas, e conduzidos em três espaçamentos: 6 x 2 m, 6 x 3 m e 6 x 4 m. Os frutos foram colhidos na safra de 2005, obedecendo ao estádio de maturação correspondente à coloração exigida para a comercialização in natura, eliminando-se os defeituosos, machucados ou fora do padrão de maturação estipulado. Foram realizadas análises físicas (massa fresca do fruto, diâmetro longitudinal, diâmetro equatorial, coloração externa, coloração interna e firmeza) e químicas dos frutos (sólidos solúveis, acidez titulável e índice de maturação). Os porta-enxertos e os espaçamentos estudados não influenciaram na coloração externa, no ângulo de cor e na luminosidade do mesocarpo, na firmeza e na acidez dos pêssegos 'Aurora-1'. Pêssegos 'Aurora-1' apresentaram maior massa fresca, diâmetro longitudinal e diâmetro equatorial, quando produzidos no Clone 15 e na cv. Rigitano de umezeiro como porta-enxerto. O uso do Clone 15 de umezeiro como porta-enxerto induziu à produção de frutos com maior teor de sólidos solúveis e melhor índice de maturação (gosto), em relação ao 'Okinawa' propagado por estacas herbáceas. O maior espaçamento entre plantas (6 x 4 m) induziu à produção de pêssegos menores, entretanto com maior teor de sólidos solúveis e melhor relação SS/AT.
id UNSP_77dafaea044da643ca0b5c91a017e819
oai_identifier_str oai:repositorio.unesp.br:11449/3482
network_acronym_str UNSP
network_name_str Repositório Institucional da UNESP
repository_id_str 2946
spelling Efeito de porta-enxertos e espaçamentos entre plantas na qualidade de pêssegos 'Aurora-1'Effect of rootstocks and tree spacing on 'Aurora-1' peach qualityPrunus persicaPrunus mumeRootstockChemical compositionPrunus persicaPrunus mumePorta-enxertoComposição químicaO objetivo deste trabalho foi avaliar a qualidade pós-colheita de pêssegos da cultivar 'Aurora-1' enxertada sobre quatro porta-enxertos: 'Okinawa' propagado por sementes e por estacas herbáceas, Clone 15 e cv. Rigitano de umezeiro propagados por estacas herbáceas, e conduzidos em três espaçamentos: 6 x 2 m, 6 x 3 m e 6 x 4 m. Os frutos foram colhidos na safra de 2005, obedecendo ao estádio de maturação correspondente à coloração exigida para a comercialização in natura, eliminando-se os defeituosos, machucados ou fora do padrão de maturação estipulado. Foram realizadas análises físicas (massa fresca do fruto, diâmetro longitudinal, diâmetro equatorial, coloração externa, coloração interna e firmeza) e químicas dos frutos (sólidos solúveis, acidez titulável e índice de maturação). Os porta-enxertos e os espaçamentos estudados não influenciaram na coloração externa, no ângulo de cor e na luminosidade do mesocarpo, na firmeza e na acidez dos pêssegos 'Aurora-1'. Pêssegos 'Aurora-1' apresentaram maior massa fresca, diâmetro longitudinal e diâmetro equatorial, quando produzidos no Clone 15 e na cv. Rigitano de umezeiro como porta-enxerto. O uso do Clone 15 de umezeiro como porta-enxerto induziu à produção de frutos com maior teor de sólidos solúveis e melhor índice de maturação (gosto), em relação ao 'Okinawa' propagado por estacas herbáceas. O maior espaçamento entre plantas (6 x 4 m) induziu à produção de pêssegos menores, entretanto com maior teor de sólidos solúveis e melhor relação SS/AT.The objective this research was to evaluate the post harvest 'Aurora-1' peaches quality, budded on four rootstocks ('Okinawa' propagated by seeds and herbaceous cuttings, Clone 15 and 'Rigitano' mume propagated by herbaceous cuttings), cultivated in three spacing: 6 x 2 m, 6 x 3 m and 6 x 4 m. Fruits harvest was realized in 2005, based on peel colors, which is the demand for in natura commercialization, corresponding to the maturation indexes. Fruit physical attributes like fruit fresh weight, longitudinal and equatorial diameter, firmness, external and internal color and chemical evaluations (soluble solids, acidity contents and ratio) were analyzed. Through the obtained data, it was verified that rootstocks and tree spacing did not influence the external color, hue and internal lightness mesocarp, the firmness and acidity contents of 'Aurora-1' peaches. The highest fruit fresh weight, longitudinal and equatorial diameters were obtained on Clone 15 and 'Rigitano' mume rootstock. 'Aurora-1' peach trees budded on Clone 15 mume rootstocks have got the highest soluble solids contents and ratio than 'Okinawa' propagated by herbaceous cuttings. 'Aurora-1' peach trees cultivated in 6 x 4 m space produced shorter fruits, but with the highest soluble solids contents and ratio.Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP)UNESP FCAV Depto. de TecnologiaEmpresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA) Clima TemperadoUniversidade Estadual Paulista FCAV Departamento de TecnologiaUNESP FCAV Depto. de Produção VegetalUNESP FCAV Depto. de TecnologiaUniversidade Estadual Paulista FCAV Departamento de TecnologiaUNESP FCAV Depto. de Produção VegetalSociedade Brasileira de FruticulturaUniversidade Estadual Paulista (Unesp)Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA)Mathias, Carolina [UNESP]Mayer, Newton AlexMattiuz, Ben-Hur [UNESP]Pereira, Fernando Mendes [UNESP]2014-05-20T13:16:44Z2014-05-20T13:16:44Z2008-03-01info:eu-repo/semantics/publishedVersioninfo:eu-repo/semantics/article165-170application/pdfhttp://dx.doi.org/10.1590/S0100-29452008000100030Revista Brasileira de Fruticultura. Sociedade Brasileira de Fruticultura, v. 30, n. 1, p. 165-170, 2008.0100-2945http://hdl.handle.net/11449/348210.1590/S0100-29452008000100030S0100-29452008000100030WOS:000254961600028S0100-29452008000100030.pdfSciELOreponame:Repositório Institucional da UNESPinstname:Universidade Estadual Paulista (UNESP)instacron:UNESPporRevista Brasileira de Fruticultura0.4750,410info:eu-repo/semantics/openAccess2024-06-07T15:32:23Zoai:repositorio.unesp.br:11449/3482Repositório InstitucionalPUBhttp://repositorio.unesp.br/oai/requestopendoar:29462024-06-07T15:32:23Repositório Institucional da UNESP - Universidade Estadual Paulista (UNESP)false
dc.title.none.fl_str_mv Efeito de porta-enxertos e espaçamentos entre plantas na qualidade de pêssegos 'Aurora-1'
Effect of rootstocks and tree spacing on 'Aurora-1' peach quality
title Efeito de porta-enxertos e espaçamentos entre plantas na qualidade de pêssegos 'Aurora-1'
spellingShingle Efeito de porta-enxertos e espaçamentos entre plantas na qualidade de pêssegos 'Aurora-1'
Mathias, Carolina [UNESP]
Prunus persica
Prunus mume
Rootstock
Chemical composition
Prunus persica
Prunus mume
Porta-enxerto
Composição química
title_short Efeito de porta-enxertos e espaçamentos entre plantas na qualidade de pêssegos 'Aurora-1'
title_full Efeito de porta-enxertos e espaçamentos entre plantas na qualidade de pêssegos 'Aurora-1'
title_fullStr Efeito de porta-enxertos e espaçamentos entre plantas na qualidade de pêssegos 'Aurora-1'
title_full_unstemmed Efeito de porta-enxertos e espaçamentos entre plantas na qualidade de pêssegos 'Aurora-1'
title_sort Efeito de porta-enxertos e espaçamentos entre plantas na qualidade de pêssegos 'Aurora-1'
author Mathias, Carolina [UNESP]
author_facet Mathias, Carolina [UNESP]
Mayer, Newton Alex
Mattiuz, Ben-Hur [UNESP]
Pereira, Fernando Mendes [UNESP]
author_role author
author2 Mayer, Newton Alex
Mattiuz, Ben-Hur [UNESP]
Pereira, Fernando Mendes [UNESP]
author2_role author
author
author
dc.contributor.none.fl_str_mv Universidade Estadual Paulista (Unesp)
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA)
dc.contributor.author.fl_str_mv Mathias, Carolina [UNESP]
Mayer, Newton Alex
Mattiuz, Ben-Hur [UNESP]
Pereira, Fernando Mendes [UNESP]
dc.subject.por.fl_str_mv Prunus persica
Prunus mume
Rootstock
Chemical composition
Prunus persica
Prunus mume
Porta-enxerto
Composição química
topic Prunus persica
Prunus mume
Rootstock
Chemical composition
Prunus persica
Prunus mume
Porta-enxerto
Composição química
description O objetivo deste trabalho foi avaliar a qualidade pós-colheita de pêssegos da cultivar 'Aurora-1' enxertada sobre quatro porta-enxertos: 'Okinawa' propagado por sementes e por estacas herbáceas, Clone 15 e cv. Rigitano de umezeiro propagados por estacas herbáceas, e conduzidos em três espaçamentos: 6 x 2 m, 6 x 3 m e 6 x 4 m. Os frutos foram colhidos na safra de 2005, obedecendo ao estádio de maturação correspondente à coloração exigida para a comercialização in natura, eliminando-se os defeituosos, machucados ou fora do padrão de maturação estipulado. Foram realizadas análises físicas (massa fresca do fruto, diâmetro longitudinal, diâmetro equatorial, coloração externa, coloração interna e firmeza) e químicas dos frutos (sólidos solúveis, acidez titulável e índice de maturação). Os porta-enxertos e os espaçamentos estudados não influenciaram na coloração externa, no ângulo de cor e na luminosidade do mesocarpo, na firmeza e na acidez dos pêssegos 'Aurora-1'. Pêssegos 'Aurora-1' apresentaram maior massa fresca, diâmetro longitudinal e diâmetro equatorial, quando produzidos no Clone 15 e na cv. Rigitano de umezeiro como porta-enxerto. O uso do Clone 15 de umezeiro como porta-enxerto induziu à produção de frutos com maior teor de sólidos solúveis e melhor índice de maturação (gosto), em relação ao 'Okinawa' propagado por estacas herbáceas. O maior espaçamento entre plantas (6 x 4 m) induziu à produção de pêssegos menores, entretanto com maior teor de sólidos solúveis e melhor relação SS/AT.
publishDate 2008
dc.date.none.fl_str_mv 2008-03-01
2014-05-20T13:16:44Z
2014-05-20T13:16:44Z
dc.type.status.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/publishedVersion
dc.type.driver.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/article
format article
status_str publishedVersion
dc.identifier.uri.fl_str_mv http://dx.doi.org/10.1590/S0100-29452008000100030
Revista Brasileira de Fruticultura. Sociedade Brasileira de Fruticultura, v. 30, n. 1, p. 165-170, 2008.
0100-2945
http://hdl.handle.net/11449/3482
10.1590/S0100-29452008000100030
S0100-29452008000100030
WOS:000254961600028
S0100-29452008000100030.pdf
url http://dx.doi.org/10.1590/S0100-29452008000100030
http://hdl.handle.net/11449/3482
identifier_str_mv Revista Brasileira de Fruticultura. Sociedade Brasileira de Fruticultura, v. 30, n. 1, p. 165-170, 2008.
0100-2945
10.1590/S0100-29452008000100030
S0100-29452008000100030
WOS:000254961600028
S0100-29452008000100030.pdf
dc.language.iso.fl_str_mv por
language por
dc.relation.none.fl_str_mv Revista Brasileira de Fruticultura
0.475
0,410
dc.rights.driver.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/openAccess
eu_rights_str_mv openAccess
dc.format.none.fl_str_mv 165-170
application/pdf
dc.publisher.none.fl_str_mv Sociedade Brasileira de Fruticultura
publisher.none.fl_str_mv Sociedade Brasileira de Fruticultura
dc.source.none.fl_str_mv SciELO
reponame:Repositório Institucional da UNESP
instname:Universidade Estadual Paulista (UNESP)
instacron:UNESP
instname_str Universidade Estadual Paulista (UNESP)
instacron_str UNESP
institution UNESP
reponame_str Repositório Institucional da UNESP
collection Repositório Institucional da UNESP
repository.name.fl_str_mv Repositório Institucional da UNESP - Universidade Estadual Paulista (UNESP)
repository.mail.fl_str_mv
_version_ 1803650110624628736