Funcionamento do gênero de divulgação científica : o tema do uso de animais não humanos em experimentos

Bibliographic Details
Main Author: Seidel, Verônica Franciele
Publication Date: 2016
Format: Master thesis
Language: por
Source: Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFRGS
Download full: http://hdl.handle.net/10183/140870
Summary: Entendemos, conforme a perspectiva bakhtiniana, que nenhum fato ou fenômeno da natureza tem significado em si mesmo, mas que tal significado surge justamente por meio da língua. Sendo assim, a análise da língua auxilia a compreender os posicionamentos ideológicos que sustentam os discursos. Tendo isso em vista, pretendemos compreender como o gênero de divulgação científica, estreitamente relacionado com o gênero científico, funciona e quais são os mecanismos de que se utiliza para estruturar suas práticas discursivas. Para isso, analisamos um artigo científico e um artigo de divulgação científica acerca da experimentação científica em animais, utilizando como categorias de análise do artigo científico as noções de tema/significação e discurso de outrem/citação e como categorias de análise do artigo de divulgação científica as noções de discurso parafrástico. A fim de guiar nossa análise, propusemo-nos a responder as seguintes questões: a) quais são as condições sociais e históricas que originaram esse gênero?; b) quais as suas finalidades?; c) esse discurso é de cunho perifrástico ou parafrástico?; d) quem são os interlocutores levados em conta durante a construção dos seus enunciados?; e) qual a resposta que se espera desse auditório?; f) de que modo o tema dos artigos selecionados para análise é significado? Percebemos que as primeiras manifestações de divulgação científica ocorreram em um contexto em que as atividades relacionadas à ciência eram escassas, havia pouquíssimas instituições de ensino superior no país e a maioria da população era iletrada. Havia, dessa forma, a necessidade de: elaborar materiais sobre a ciência calcados em parâmetros culturais e linguísticos acessíveis às pessoas em geral; obter fundos e reconhecimento para a ciência; intervir na realidade de alienação do povo; e servir aos interesses econômicos de organizações como as editoras e a indústria farmacêutica. Entendemos que os discursos de divulgação científica são o resultado de um processo de parafraseamento de discursos científicos, funcionando discursivamente como um trabalho de reformulação e de pedagogização do discurso científico. Percebemos, também, nos discursos analisados, a perspectiva de que o emprego de animais é imprescindível ao progresso da ciência, de modo que toda e qualquer atividade contrária à realização de tal prática é vista como radical e prejudicial ao desenvolvimento científico. A partir disso, observamos que o discurso de divulgação científica referenda o status quo do modo de produção científico.
id URGS_6b67f6fae238edea447cf856e682b36f
oai_identifier_str oai:www.lume.ufrgs.br:10183/140870
network_acronym_str URGS
network_name_str Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFRGS
repository_id_str 1853
spelling Seidel, Verônica FrancieleZandwais, Ana2016-05-12T02:15:18Z2016http://hdl.handle.net/10183/140870000991561Entendemos, conforme a perspectiva bakhtiniana, que nenhum fato ou fenômeno da natureza tem significado em si mesmo, mas que tal significado surge justamente por meio da língua. Sendo assim, a análise da língua auxilia a compreender os posicionamentos ideológicos que sustentam os discursos. Tendo isso em vista, pretendemos compreender como o gênero de divulgação científica, estreitamente relacionado com o gênero científico, funciona e quais são os mecanismos de que se utiliza para estruturar suas práticas discursivas. Para isso, analisamos um artigo científico e um artigo de divulgação científica acerca da experimentação científica em animais, utilizando como categorias de análise do artigo científico as noções de tema/significação e discurso de outrem/citação e como categorias de análise do artigo de divulgação científica as noções de discurso parafrástico. A fim de guiar nossa análise, propusemo-nos a responder as seguintes questões: a) quais são as condições sociais e históricas que originaram esse gênero?; b) quais as suas finalidades?; c) esse discurso é de cunho perifrástico ou parafrástico?; d) quem são os interlocutores levados em conta durante a construção dos seus enunciados?; e) qual a resposta que se espera desse auditório?; f) de que modo o tema dos artigos selecionados para análise é significado? Percebemos que as primeiras manifestações de divulgação científica ocorreram em um contexto em que as atividades relacionadas à ciência eram escassas, havia pouquíssimas instituições de ensino superior no país e a maioria da população era iletrada. Havia, dessa forma, a necessidade de: elaborar materiais sobre a ciência calcados em parâmetros culturais e linguísticos acessíveis às pessoas em geral; obter fundos e reconhecimento para a ciência; intervir na realidade de alienação do povo; e servir aos interesses econômicos de organizações como as editoras e a indústria farmacêutica. Entendemos que os discursos de divulgação científica são o resultado de um processo de parafraseamento de discursos científicos, funcionando discursivamente como um trabalho de reformulação e de pedagogização do discurso científico. Percebemos, também, nos discursos analisados, a perspectiva de que o emprego de animais é imprescindível ao progresso da ciência, de modo que toda e qualquer atividade contrária à realização de tal prática é vista como radical e prejudicial ao desenvolvimento científico. A partir disso, observamos que o discurso de divulgação científica referenda o status quo do modo de produção científico.We understand, according to the bakhtinian perspective, that no fact or phenomenon of nature has meaning in itself, but the meaning just arises through language. Thus, the analysis of language helps to understand the ideological positions that support the discourses. In this sense, we aim to understand how the scientific divulgation genre, closely related to the scientific genre, works and what are the mechanisms that are used to structure its discursive practices. For this, we analyzed a scientific article and a scientific divulgation article about scientific experimentation on animals, using as categories of analysis of the scientific article the notions theme/meaning and others speech/quote and as categories of analysis of scientific divulgation article the notions of paraphrastic discourse. In order to guide our analysis, we have proposed ourselves to answer the following questions: a) what are the social and historical conditions that gave rise to this genre?; b) what are its purposes?; c) this speech is of periphrastic or paraphrastic nature?; d) who are the interlocutors considered during the construction of its statements ?; e) what response is expected from this audience ?; f) how the theme of the articles selected for analysis is meant? We realize that the first manifestations of scientific divulgation occurred in a context in which activities related to science were scarce, there were very few higher education institutions in the country and most of the population was illiterate. There was thus a need to: elaborate materials on science based on cultural and linguistic parameters accessible to people in general; obtain funding and recognition for science; intervene on the reality of alienation of people; serve the economic interests of organizations such as publishers and the pharmaceutical industry. We understand that the scientific divulgation discourses are the result of a paraphrasing process of scientific discourses, acting discursively as a work of redesign and pedagogization of scientific discourse. We realize, too, in the analyzed texts, the perspective that the use of animals is essential to the progress of science, so that any activity contrary to the realization of this practice is seen as radical and harmful to the scientific development. From this, we observed that the scientific divulgation discourse endorses the status quo of scientific production.application/pdfporBakhtin, M. M. (Mikhail Mikhailovitch) , 1895-1975Divulgação científicaDiscursoParáfraseScientific divulgation genreScientific experimentation on animalsParaphraseIdeological positionFuncionamento do gênero de divulgação científica : o tema do uso de animais não humanos em experimentosinfo:eu-repo/semantics/publishedVersioninfo:eu-repo/semantics/masterThesisUniversidade Federal do Rio Grande do SulInstituto de LetrasPrograma de Pós-Graduação em LetrasPorto Alegre, BR-RS2016mestradoinfo:eu-repo/semantics/openAccessreponame:Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFRGSinstname:Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)instacron:UFRGSORIGINAL000991561.pdf000991561.pdfTexto completoapplication/pdf2904176http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/10183/140870/1/000991561.pdf634aef955be0577d12c5cfc192a11e2fMD51TEXT000991561.pdf.txt000991561.pdf.txtExtracted Texttext/plain318492http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/10183/140870/2/000991561.pdf.txt382815b025488e33ac856edb485c6706MD52THUMBNAIL000991561.pdf.jpg000991561.pdf.jpgGenerated Thumbnailimage/jpeg1258http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/10183/140870/3/000991561.pdf.jpgf364fcbee91b39ab18f672f4d92dafabMD5310183/1408702019-07-19 02:36:22.611404oai:www.lume.ufrgs.br:10183/140870Biblioteca Digital de Teses e Dissertaçõeshttps://lume.ufrgs.br/handle/10183/2PUBhttps://lume.ufrgs.br/oai/requestlume@ufrgs.br||lume@ufrgs.bropendoar:18532019-07-19T05:36:22Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFRGS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)false
dc.title.pt_BR.fl_str_mv Funcionamento do gênero de divulgação científica : o tema do uso de animais não humanos em experimentos
title Funcionamento do gênero de divulgação científica : o tema do uso de animais não humanos em experimentos
spellingShingle Funcionamento do gênero de divulgação científica : o tema do uso de animais não humanos em experimentos
Seidel, Verônica Franciele
Bakhtin, M. M. (Mikhail Mikhailovitch) , 1895-1975
Divulgação científica
Discurso
Paráfrase
Scientific divulgation genre
Scientific experimentation on animals
Paraphrase
Ideological position
title_short Funcionamento do gênero de divulgação científica : o tema do uso de animais não humanos em experimentos
title_full Funcionamento do gênero de divulgação científica : o tema do uso de animais não humanos em experimentos
title_fullStr Funcionamento do gênero de divulgação científica : o tema do uso de animais não humanos em experimentos
title_full_unstemmed Funcionamento do gênero de divulgação científica : o tema do uso de animais não humanos em experimentos
title_sort Funcionamento do gênero de divulgação científica : o tema do uso de animais não humanos em experimentos
author Seidel, Verônica Franciele
author_facet Seidel, Verônica Franciele
author_role author
dc.contributor.author.fl_str_mv Seidel, Verônica Franciele
dc.contributor.advisor1.fl_str_mv Zandwais, Ana
contributor_str_mv Zandwais, Ana
dc.subject.por.fl_str_mv Bakhtin, M. M. (Mikhail Mikhailovitch) , 1895-1975
Divulgação científica
Discurso
Paráfrase
topic Bakhtin, M. M. (Mikhail Mikhailovitch) , 1895-1975
Divulgação científica
Discurso
Paráfrase
Scientific divulgation genre
Scientific experimentation on animals
Paraphrase
Ideological position
dc.subject.eng.fl_str_mv Scientific divulgation genre
Scientific experimentation on animals
Paraphrase
Ideological position
description Entendemos, conforme a perspectiva bakhtiniana, que nenhum fato ou fenômeno da natureza tem significado em si mesmo, mas que tal significado surge justamente por meio da língua. Sendo assim, a análise da língua auxilia a compreender os posicionamentos ideológicos que sustentam os discursos. Tendo isso em vista, pretendemos compreender como o gênero de divulgação científica, estreitamente relacionado com o gênero científico, funciona e quais são os mecanismos de que se utiliza para estruturar suas práticas discursivas. Para isso, analisamos um artigo científico e um artigo de divulgação científica acerca da experimentação científica em animais, utilizando como categorias de análise do artigo científico as noções de tema/significação e discurso de outrem/citação e como categorias de análise do artigo de divulgação científica as noções de discurso parafrástico. A fim de guiar nossa análise, propusemo-nos a responder as seguintes questões: a) quais são as condições sociais e históricas que originaram esse gênero?; b) quais as suas finalidades?; c) esse discurso é de cunho perifrástico ou parafrástico?; d) quem são os interlocutores levados em conta durante a construção dos seus enunciados?; e) qual a resposta que se espera desse auditório?; f) de que modo o tema dos artigos selecionados para análise é significado? Percebemos que as primeiras manifestações de divulgação científica ocorreram em um contexto em que as atividades relacionadas à ciência eram escassas, havia pouquíssimas instituições de ensino superior no país e a maioria da população era iletrada. Havia, dessa forma, a necessidade de: elaborar materiais sobre a ciência calcados em parâmetros culturais e linguísticos acessíveis às pessoas em geral; obter fundos e reconhecimento para a ciência; intervir na realidade de alienação do povo; e servir aos interesses econômicos de organizações como as editoras e a indústria farmacêutica. Entendemos que os discursos de divulgação científica são o resultado de um processo de parafraseamento de discursos científicos, funcionando discursivamente como um trabalho de reformulação e de pedagogização do discurso científico. Percebemos, também, nos discursos analisados, a perspectiva de que o emprego de animais é imprescindível ao progresso da ciência, de modo que toda e qualquer atividade contrária à realização de tal prática é vista como radical e prejudicial ao desenvolvimento científico. A partir disso, observamos que o discurso de divulgação científica referenda o status quo do modo de produção científico.
publishDate 2016
dc.date.accessioned.fl_str_mv 2016-05-12T02:15:18Z
dc.date.issued.fl_str_mv 2016
dc.type.status.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/publishedVersion
dc.type.driver.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/masterThesis
format masterThesis
status_str publishedVersion
dc.identifier.uri.fl_str_mv http://hdl.handle.net/10183/140870
dc.identifier.nrb.pt_BR.fl_str_mv 000991561
url http://hdl.handle.net/10183/140870
identifier_str_mv 000991561
dc.language.iso.fl_str_mv por
language por
dc.rights.driver.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/openAccess
eu_rights_str_mv openAccess
dc.format.none.fl_str_mv application/pdf
dc.source.none.fl_str_mv reponame:Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFRGS
instname:Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
instacron:UFRGS
instname_str Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
instacron_str UFRGS
institution UFRGS
reponame_str Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFRGS
collection Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFRGS
bitstream.url.fl_str_mv http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/10183/140870/1/000991561.pdf
http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/10183/140870/2/000991561.pdf.txt
http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/10183/140870/3/000991561.pdf.jpg
bitstream.checksum.fl_str_mv 634aef955be0577d12c5cfc192a11e2f
382815b025488e33ac856edb485c6706
f364fcbee91b39ab18f672f4d92dafab
bitstream.checksumAlgorithm.fl_str_mv MD5
MD5
MD5
repository.name.fl_str_mv Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFRGS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
repository.mail.fl_str_mv lume@ufrgs.br||lume@ufrgs.br
_version_ 1748869892411490304