Mortalidade por leishmaniose visceral em Campo Grande – Mato Grosso do Sul, 2003 – 2008 : aspectos clínicos e laboratoriais

Detalhes bibliográficos
Autor(a) principal: Oliveira, Janaina Michelle de
Data de Publicação: 2009
Tipo de documento: Dissertação
Idioma: por
Título da fonte: Repositório Institucional da UFMS
Texto Completo: https://repositorio.ufms.br/handle/123456789/1864
Resumo: A leishmaniose visceral é uma doença infecciosa sistêmica conhecida desde a antiguidade, de ampla distribuição geográfica, ocorrendo tanto no Velho Mundo como nas Américas. Caracterizada pelo alto potencial de letalidade, é considerada uma das grandes doenças emergentes, negligenciadas e fora de controle. Visando contribuir com a redução da mortalidade, bem como auxiliar profissionais da saúde no manejo clínico adequado dos pacientes portadores desse agravo, este trabalho teve como objetivo investigar as características clínicas e laboratoriais dos casos que evoluíram para o êxito letal em hospitais públicos de Campo Grande, MS nos anos de 2003 a 2008. Foram analisados 55 prontuários de pacientes que tiveram a leishmaniose visceral como causa de óbito. Entre estes, 37 (67,2%) eram procedentes do município de Campo Grande. Em relação ao sexo, 41 (74,5%) eram do sexo masculino, com predominância da faixa etária acima dos 40 anos. Dos sinais e sintomas presentes no momento da admissão hospitalar, a febre esteve presente em quase todos os casos, ocorrendo em 89,1% dos pacientes. A duração da doença variou de um a 365 dias, com média de 78,2 dias. Na internação, 39 (70,9%) pacientes apresentavam uma ou mais patologias associadas, sendo a desnutrição e o etilismo as mais frequentes. A confirmação do diagnóstico ocorreu em média 6,7 dias após a internação. O antimoniato de N-metil glucamina foi a droga mais utilizada, sendo que 58,2% dos pacientes tiveram algum tipo de reação adversa à medicação. Infecções bacterianas ocorreram antes ou durante a internação em 36 pacientes, destacando-se a sepse e a pneumonia em 66,7% e 63,9% dos casos, respectivamente. Das causas que contribuíram para o óbito, as infecções bacterianas foram as principais, ocorrendo em 27 (49%) dos pacientes. Esses resultados impõem a necessidade de profissionais capacitados para o reconhecimento precoce da doença, bem como o desenvolvimento de novas drogas com baixa toxicidade, a fim de reduzir a mortalidade por essa parasitose.
id UFMS_ebd2dd66481b41923e2761444b708cf6
oai_identifier_str oai:repositorio.ufms.br:123456789/1864
network_acronym_str UFMS
network_name_str Repositório Institucional da UFMS
repository_id_str 2124
spelling 2013-11-19T13:39:43Z2021-09-30T19:56:06Z2009https://repositorio.ufms.br/handle/123456789/1864A leishmaniose visceral é uma doença infecciosa sistêmica conhecida desde a antiguidade, de ampla distribuição geográfica, ocorrendo tanto no Velho Mundo como nas Américas. Caracterizada pelo alto potencial de letalidade, é considerada uma das grandes doenças emergentes, negligenciadas e fora de controle. Visando contribuir com a redução da mortalidade, bem como auxiliar profissionais da saúde no manejo clínico adequado dos pacientes portadores desse agravo, este trabalho teve como objetivo investigar as características clínicas e laboratoriais dos casos que evoluíram para o êxito letal em hospitais públicos de Campo Grande, MS nos anos de 2003 a 2008. Foram analisados 55 prontuários de pacientes que tiveram a leishmaniose visceral como causa de óbito. Entre estes, 37 (67,2%) eram procedentes do município de Campo Grande. Em relação ao sexo, 41 (74,5%) eram do sexo masculino, com predominância da faixa etária acima dos 40 anos. Dos sinais e sintomas presentes no momento da admissão hospitalar, a febre esteve presente em quase todos os casos, ocorrendo em 89,1% dos pacientes. A duração da doença variou de um a 365 dias, com média de 78,2 dias. Na internação, 39 (70,9%) pacientes apresentavam uma ou mais patologias associadas, sendo a desnutrição e o etilismo as mais frequentes. A confirmação do diagnóstico ocorreu em média 6,7 dias após a internação. O antimoniato de N-metil glucamina foi a droga mais utilizada, sendo que 58,2% dos pacientes tiveram algum tipo de reação adversa à medicação. Infecções bacterianas ocorreram antes ou durante a internação em 36 pacientes, destacando-se a sepse e a pneumonia em 66,7% e 63,9% dos casos, respectivamente. Das causas que contribuíram para o óbito, as infecções bacterianas foram as principais, ocorrendo em 27 (49%) dos pacientes. Esses resultados impõem a necessidade de profissionais capacitados para o reconhecimento precoce da doença, bem como o desenvolvimento de novas drogas com baixa toxicidade, a fim de reduzir a mortalidade por essa parasitose.Visceral leishmaniasis is a systemic infectious disease dating back to the ancient times. It is widely spread geographically and can be seen both in the Old World and the Americas. Characterized by a high potential of lethality, it is considered one of the major emerging diseases, neglected and out of control. With the aim of contributing to the decrease of mortality, and of helping healthcare professionals to offer a suitable clinical management to leishmaniasis sufferers, this paper tried to investigate the clinical and laboratory characteristics of cases that evolved to mortality in public hospitals of Campo Grande, MS, between 2003 and 2008. Fifty five medical reports of patients who died of visceral leishmaniasis have been analyzed. Among these, 37 (67.2%) came from Campo Grande; 41 (74.5%) were male; and most patients were over 40 years. Among signals and symptoms reported on hospital admission, fever was present in almost all cases, occurring in 89.1% of patients. The disease lasted from one to 365 days, with average of 78.2 days. On admission, 39 (70.9%) patients presented with one or more associated pathologies; malnutrition and alcoholism were the commonest. The confirmation of diagnosis occurred about 6.7 days after admission. Antimoniate of N-metil glucamine was the most used drug; 58.2% of the patients presented some kind of adverse effects to the medication. Before or during hospital stay, 36 patients presented bacterial infections, especially sepsis (66.7%) and pneumonia (63.9%). Among the causes leading to the patients´ death, bacterial infections predominated, affecting 27 (49%) of the patients. These results point to the need of highly trained personnel to perform early identification of the disease, as well as to the development of new low-toxicity drugs in order to decrease mortality indices provoked by the disease.porLeishmaniose Visceral - mortalidadeLeishmaniasis, Visceral - mortalityInfecções BacterianasBacterial InfectionsLeishmaniose Visceral - epidemiologiaLeishmaniasis, Visceral - epidemiologyMortalidade por leishmaniose visceral em Campo Grande – Mato Grosso do Sul, 2003 – 2008 : aspectos clínicos e laboratoriaisinfo:eu-repo/semantics/publishedVersioninfo:eu-repo/semantics/masterThesisOliveira, Ana Lúcia Lyrio deOliveira, Janaina Michelle deinfo:eu-repo/semantics/openAccessreponame:Repositório Institucional da UFMSinstname:Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)instacron:UFMSTHUMBNAILJANAINA MICHELLE DE OLIVEIRA.PDF.jpgJANAINA MICHELLE DE OLIVEIRA.PDF.jpgGenerated Thumbnailimage/jpeg1126https://repositorio.ufms.br/bitstream/123456789/1864/4/JANAINA%20MICHELLE%20DE%20OLIVEIRA.PDF.jpg092828a741f9e7a42cff2e2102bf4642MD54TEXTJANAINA MICHELLE DE OLIVEIRA.PDF.txtJANAINA MICHELLE DE OLIVEIRA.PDF.txtExtracted texttext/plain116023https://repositorio.ufms.br/bitstream/123456789/1864/3/JANAINA%20MICHELLE%20DE%20OLIVEIRA.PDF.txt226ced6149e31dbd216e1848fc7abeaaMD53ORIGINALJANAINA MICHELLE DE OLIVEIRA.PDFJANAINA MICHELLE DE OLIVEIRA.PDFapplication/pdf2435113https://repositorio.ufms.br/bitstream/123456789/1864/1/JANAINA%20MICHELLE%20DE%20OLIVEIRA.PDFa4b76cfb8da771a1549ad5291adad060MD51LICENSElicense.txtlicense.txttext/plain; charset=utf-81748https://repositorio.ufms.br/bitstream/123456789/1864/2/license.txt8a4605be74aa9ea9d79846c1fba20a33MD52123456789/18642021-09-30 15:56:06.093oai:repositorio.ufms.br:123456789/1864Tk9URTogUExBQ0UgWU9VUiBPV04gTElDRU5TRSBIRVJFClRoaXMgc2FtcGxlIGxpY2Vuc2UgaXMgcHJvdmlkZWQgZm9yIGluZm9ybWF0aW9uYWwgcHVycG9zZXMgb25seS4KCk5PTi1FWENMVVNJVkUgRElTVFJJQlVUSU9OIExJQ0VOU0UKCkJ5IHNpZ25pbmcgYW5kIHN1Ym1pdHRpbmcgdGhpcyBsaWNlbnNlLCB5b3UgKHRoZSBhdXRob3Iocykgb3IgY29weXJpZ2h0Cm93bmVyKSBncmFudHMgdG8gRFNwYWNlIFVuaXZlcnNpdHkgKERTVSkgdGhlIG5vbi1leGNsdXNpdmUgcmlnaHQgdG8gcmVwcm9kdWNlLAp0cmFuc2xhdGUgKGFzIGRlZmluZWQgYmVsb3cpLCBhbmQvb3IgZGlzdHJpYnV0ZSB5b3VyIHN1Ym1pc3Npb24gKGluY2x1ZGluZwp0aGUgYWJzdHJhY3QpIHdvcmxkd2lkZSBpbiBwcmludCBhbmQgZWxlY3Ryb25pYyBmb3JtYXQgYW5kIGluIGFueSBtZWRpdW0sCmluY2x1ZGluZyBidXQgbm90IGxpbWl0ZWQgdG8gYXVkaW8gb3IgdmlkZW8uCgpZb3UgYWdyZWUgdGhhdCBEU1UgbWF5LCB3aXRob3V0IGNoYW5naW5nIHRoZSBjb250ZW50LCB0cmFuc2xhdGUgdGhlCnN1Ym1pc3Npb24gdG8gYW55IG1lZGl1bSBvciBmb3JtYXQgZm9yIHRoZSBwdXJwb3NlIG9mIHByZXNlcnZhdGlvbi4KCllvdSBhbHNvIGFncmVlIHRoYXQgRFNVIG1heSBrZWVwIG1vcmUgdGhhbiBvbmUgY29weSBvZiB0aGlzIHN1Ym1pc3Npb24gZm9yCnB1cnBvc2VzIG9mIHNlY3VyaXR5LCBiYWNrLXVwIGFuZCBwcmVzZXJ2YXRpb24uCgpZb3UgcmVwcmVzZW50IHRoYXQgdGhlIHN1Ym1pc3Npb24gaXMgeW91ciBvcmlnaW5hbCB3b3JrLCBhbmQgdGhhdCB5b3UgaGF2ZQp0aGUgcmlnaHQgdG8gZ3JhbnQgdGhlIHJpZ2h0cyBjb250YWluZWQgaW4gdGhpcyBsaWNlbnNlLiBZb3UgYWxzbyByZXByZXNlbnQKdGhhdCB5b3VyIHN1Ym1pc3Npb24gZG9lcyBub3QsIHRvIHRoZSBiZXN0IG9mIHlvdXIga25vd2xlZGdlLCBpbmZyaW5nZSB1cG9uCmFueW9uZSdzIGNvcHlyaWdodC4KCklmIHRoZSBzdWJtaXNzaW9uIGNvbnRhaW5zIG1hdGVyaWFsIGZvciB3aGljaCB5b3UgZG8gbm90IGhvbGQgY29weXJpZ2h0LAp5b3UgcmVwcmVzZW50IHRoYXQgeW91IGhhdmUgb2J0YWluZWQgdGhlIHVucmVzdHJpY3RlZCBwZXJtaXNzaW9uIG9mIHRoZQpjb3B5cmlnaHQgb3duZXIgdG8gZ3JhbnQgRFNVIHRoZSByaWdodHMgcmVxdWlyZWQgYnkgdGhpcyBsaWNlbnNlLCBhbmQgdGhhdApzdWNoIHRoaXJkLXBhcnR5IG93bmVkIG1hdGVyaWFsIGlzIGNsZWFybHkgaWRlbnRpZmllZCBhbmQgYWNrbm93bGVkZ2VkCndpdGhpbiB0aGUgdGV4dCBvciBjb250ZW50IG9mIHRoZSBzdWJtaXNzaW9uLgoKSUYgVEhFIFNVQk1JU1NJT04gSVMgQkFTRUQgVVBPTiBXT1JLIFRIQVQgSEFTIEJFRU4gU1BPTlNPUkVEIE9SIFNVUFBPUlRFRApCWSBBTiBBR0VOQ1kgT1IgT1JHQU5JWkFUSU9OIE9USEVSIFRIQU4gRFNVLCBZT1UgUkVQUkVTRU5UIFRIQVQgWU9VIEhBVkUKRlVMRklMTEVEIEFOWSBSSUdIVCBPRiBSRVZJRVcgT1IgT1RIRVIgT0JMSUdBVElPTlMgUkVRVUlSRUQgQlkgU1VDSApDT05UUkFDVCBPUiBBR1JFRU1FTlQuCgpEU1Ugd2lsbCBjbGVhcmx5IGlkZW50aWZ5IHlvdXIgbmFtZShzKSBhcyB0aGUgYXV0aG9yKHMpIG9yIG93bmVyKHMpIG9mIHRoZQpzdWJtaXNzaW9uLCBhbmQgd2lsbCBub3QgbWFrZSBhbnkgYWx0ZXJhdGlvbiwgb3RoZXIgdGhhbiBhcyBhbGxvd2VkIGJ5IHRoaXMKbGljZW5zZSwgdG8geW91ciBzdWJtaXNzaW9uLgo=Repositório InstitucionalPUBhttps://repositorio.ufms.br/oai/requestri.prograd@ufms.bropendoar:21242021-09-30T19:56:06Repositório Institucional da UFMS - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)false
dc.title.pt_BR.fl_str_mv Mortalidade por leishmaniose visceral em Campo Grande – Mato Grosso do Sul, 2003 – 2008 : aspectos clínicos e laboratoriais
title Mortalidade por leishmaniose visceral em Campo Grande – Mato Grosso do Sul, 2003 – 2008 : aspectos clínicos e laboratoriais
spellingShingle Mortalidade por leishmaniose visceral em Campo Grande – Mato Grosso do Sul, 2003 – 2008 : aspectos clínicos e laboratoriais
Oliveira, Janaina Michelle de
Leishmaniose Visceral - mortalidade
Leishmaniasis, Visceral - mortality
Infecções Bacterianas
Bacterial Infections
Leishmaniose Visceral - epidemiologia
Leishmaniasis, Visceral - epidemiology
title_short Mortalidade por leishmaniose visceral em Campo Grande – Mato Grosso do Sul, 2003 – 2008 : aspectos clínicos e laboratoriais
title_full Mortalidade por leishmaniose visceral em Campo Grande – Mato Grosso do Sul, 2003 – 2008 : aspectos clínicos e laboratoriais
title_fullStr Mortalidade por leishmaniose visceral em Campo Grande – Mato Grosso do Sul, 2003 – 2008 : aspectos clínicos e laboratoriais
title_full_unstemmed Mortalidade por leishmaniose visceral em Campo Grande – Mato Grosso do Sul, 2003 – 2008 : aspectos clínicos e laboratoriais
title_sort Mortalidade por leishmaniose visceral em Campo Grande – Mato Grosso do Sul, 2003 – 2008 : aspectos clínicos e laboratoriais
author Oliveira, Janaina Michelle de
author_facet Oliveira, Janaina Michelle de
author_role author
dc.contributor.advisor1.fl_str_mv Oliveira, Ana Lúcia Lyrio de
dc.contributor.author.fl_str_mv Oliveira, Janaina Michelle de
contributor_str_mv Oliveira, Ana Lúcia Lyrio de
dc.subject.por.fl_str_mv Leishmaniose Visceral - mortalidade
Leishmaniasis, Visceral - mortality
Infecções Bacterianas
Bacterial Infections
Leishmaniose Visceral - epidemiologia
Leishmaniasis, Visceral - epidemiology
topic Leishmaniose Visceral - mortalidade
Leishmaniasis, Visceral - mortality
Infecções Bacterianas
Bacterial Infections
Leishmaniose Visceral - epidemiologia
Leishmaniasis, Visceral - epidemiology
description A leishmaniose visceral é uma doença infecciosa sistêmica conhecida desde a antiguidade, de ampla distribuição geográfica, ocorrendo tanto no Velho Mundo como nas Américas. Caracterizada pelo alto potencial de letalidade, é considerada uma das grandes doenças emergentes, negligenciadas e fora de controle. Visando contribuir com a redução da mortalidade, bem como auxiliar profissionais da saúde no manejo clínico adequado dos pacientes portadores desse agravo, este trabalho teve como objetivo investigar as características clínicas e laboratoriais dos casos que evoluíram para o êxito letal em hospitais públicos de Campo Grande, MS nos anos de 2003 a 2008. Foram analisados 55 prontuários de pacientes que tiveram a leishmaniose visceral como causa de óbito. Entre estes, 37 (67,2%) eram procedentes do município de Campo Grande. Em relação ao sexo, 41 (74,5%) eram do sexo masculino, com predominância da faixa etária acima dos 40 anos. Dos sinais e sintomas presentes no momento da admissão hospitalar, a febre esteve presente em quase todos os casos, ocorrendo em 89,1% dos pacientes. A duração da doença variou de um a 365 dias, com média de 78,2 dias. Na internação, 39 (70,9%) pacientes apresentavam uma ou mais patologias associadas, sendo a desnutrição e o etilismo as mais frequentes. A confirmação do diagnóstico ocorreu em média 6,7 dias após a internação. O antimoniato de N-metil glucamina foi a droga mais utilizada, sendo que 58,2% dos pacientes tiveram algum tipo de reação adversa à medicação. Infecções bacterianas ocorreram antes ou durante a internação em 36 pacientes, destacando-se a sepse e a pneumonia em 66,7% e 63,9% dos casos, respectivamente. Das causas que contribuíram para o óbito, as infecções bacterianas foram as principais, ocorrendo em 27 (49%) dos pacientes. Esses resultados impõem a necessidade de profissionais capacitados para o reconhecimento precoce da doença, bem como o desenvolvimento de novas drogas com baixa toxicidade, a fim de reduzir a mortalidade por essa parasitose.
publishDate 2009
dc.date.issued.fl_str_mv 2009
dc.date.accessioned.fl_str_mv 2013-11-19T13:39:43Z
dc.date.available.fl_str_mv 2021-09-30T19:56:06Z
dc.type.status.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/publishedVersion
dc.type.driver.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/masterThesis
format masterThesis
status_str publishedVersion
dc.identifier.uri.fl_str_mv https://repositorio.ufms.br/handle/123456789/1864
url https://repositorio.ufms.br/handle/123456789/1864
dc.language.iso.fl_str_mv por
language por
dc.rights.driver.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/openAccess
eu_rights_str_mv openAccess
dc.source.none.fl_str_mv reponame:Repositório Institucional da UFMS
instname:Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)
instacron:UFMS
instname_str Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)
instacron_str UFMS
institution UFMS
reponame_str Repositório Institucional da UFMS
collection Repositório Institucional da UFMS
bitstream.url.fl_str_mv https://repositorio.ufms.br/bitstream/123456789/1864/4/JANAINA%20MICHELLE%20DE%20OLIVEIRA.PDF.jpg
https://repositorio.ufms.br/bitstream/123456789/1864/3/JANAINA%20MICHELLE%20DE%20OLIVEIRA.PDF.txt
https://repositorio.ufms.br/bitstream/123456789/1864/1/JANAINA%20MICHELLE%20DE%20OLIVEIRA.PDF
https://repositorio.ufms.br/bitstream/123456789/1864/2/license.txt
bitstream.checksum.fl_str_mv 092828a741f9e7a42cff2e2102bf4642
226ced6149e31dbd216e1848fc7abeaa
a4b76cfb8da771a1549ad5291adad060
8a4605be74aa9ea9d79846c1fba20a33
bitstream.checksumAlgorithm.fl_str_mv MD5
MD5
MD5
MD5
repository.name.fl_str_mv Repositório Institucional da UFMS - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)
repository.mail.fl_str_mv ri.prograd@ufms.br
_version_ 1801678539888525312