Conservação de pêssego 'Aurora-1' armazenados sob refrigeração

Detalhes bibliográficos
Autor(a) principal: Cunha Junior, Luis Carlos
Data de Publicação: 2010
Outros Autores: Durigan, Maria Fernanda Berlingieri [UNESP], Mattiuz, Ben-Hur [UNESP]
Tipo de documento: Artigo
Idioma: por
Título da fonte: Repositório Institucional da UNESP
Texto Completo: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-29452010005000041
http://hdl.handle.net/11449/27513
Resumo: Avaliou-se o comportamento pós-colheita de pêssegos da cv. Aurora-1 armazenados sob refrigeração. Os frutos foram colhidos em dois estádios de maturação, verde maduro (de vez) e maduro. Os lotes foram armazenados em três temperaturas (2°C; 6°C e 12°C), por 35 dias, e avaliados a cada sete dias: quanto à coloração da casca, perda acumulada de massa fresca (PMF), firmeza (FIR), aparência, teores de acidez titulável (AT), sólidos solúveis (SS), açúcares solúveis (AS) e redutores (AR), pectina solúvel (PS) e total (PT), além da porcentagem de solubilização de pectinas (SOL). A menor temperatura de armazenamento elevou o tempo de prateleira dos pêssegos, e os frutos de vez apresentaram melhor aparência. A PMF demonstrou um gradiente em função do aumento da temperatura, e os frutos de vez apresentaram menor perda ao final do armazenamento sob todas as temperaturas, quando comparados aos maduros. A coloração da casca dos frutos de vez, a 2°C, teve pouca alteração, conferindo-lhes mudança de coloração de verde-amarelada para amarelo-clara; enquanto nas temperaturas de 6°C e 12°C esse gradiente foi mais intenso. O mesmo efeito foi verificado nos pêssegos maduros. A FIR sofreu efeito da temperatura, pois temperaturas menores sofreram redução mais lenta e AT dos pêssegos maduros foi superior aos de vez. Não houve influência dos tratamentos nos teores de SS, AS e AR. Os pêssegos 'Aurora-1' não demonstraram sensibilidade ao frio, e os de vez, armazenados a 2°C, tiveram vida útil de 35 dias.
id UNSP_3ebf366e9cc5cd5e7360294f5172e63a
oai_identifier_str oai:repositorio.unesp.br:11449/27513
network_acronym_str UNSP
network_name_str Repositório Institucional da UNESP
repository_id_str 2946
spelling Conservação de pêssego 'Aurora-1' armazenados sob refrigeraçãoKeeping quality of peaches 'Aurora-1' stored under refrigerationPrunus persicaharvest stageCold storagePrunus persicaPonto de colheitaArmazenamento refrigeradoAvaliou-se o comportamento pós-colheita de pêssegos da cv. Aurora-1 armazenados sob refrigeração. Os frutos foram colhidos em dois estádios de maturação, verde maduro (de vez) e maduro. Os lotes foram armazenados em três temperaturas (2°C; 6°C e 12°C), por 35 dias, e avaliados a cada sete dias: quanto à coloração da casca, perda acumulada de massa fresca (PMF), firmeza (FIR), aparência, teores de acidez titulável (AT), sólidos solúveis (SS), açúcares solúveis (AS) e redutores (AR), pectina solúvel (PS) e total (PT), além da porcentagem de solubilização de pectinas (SOL). A menor temperatura de armazenamento elevou o tempo de prateleira dos pêssegos, e os frutos de vez apresentaram melhor aparência. A PMF demonstrou um gradiente em função do aumento da temperatura, e os frutos de vez apresentaram menor perda ao final do armazenamento sob todas as temperaturas, quando comparados aos maduros. A coloração da casca dos frutos de vez, a 2°C, teve pouca alteração, conferindo-lhes mudança de coloração de verde-amarelada para amarelo-clara; enquanto nas temperaturas de 6°C e 12°C esse gradiente foi mais intenso. O mesmo efeito foi verificado nos pêssegos maduros. A FIR sofreu efeito da temperatura, pois temperaturas menores sofreram redução mais lenta e AT dos pêssegos maduros foi superior aos de vez. Não houve influência dos tratamentos nos teores de SS, AS e AR. Os pêssegos 'Aurora-1' não demonstraram sensibilidade ao frio, e os de vez, armazenados a 2°C, tiveram vida útil de 35 dias.This work aimed to evaluate the postharvest of peaches cv. Aurora-1 stored under refrigeration. The fruit were harvested in two stages (mature green and ripe). The lots were stored at three temperatures (2°C, 6°C, and 12°C), for 35 days and evaluated every seven days for skin color, loss of fresh mass (PMF), firmness (FIR), appearance, titratable acidity (TA), soluble solids (SS), soluble (AS) and reducing (AR) sugars, soluble (SP) and total (PT) pectin, and the percentage of pectins solubilization (SOL). The lower storage temperature gave the greatest shelf life and that the fruit at mature green stage had better maintenance of appearance. The PMF showed a gradient of weight loss due to the increase of temperature and the mature green fruit had smaller loss at the end of storage for all temperatures, compared to mature. The skin color of the fruit mature green, stored at 2°C, had little change, from green-yellow to light yellow, while on temperatures at 6°C and 12°C this gradient was more intense. The same effect was found in ripe peaches. The FIR was affected by temperature, and the lowest temperature changed slowly. The AT for ripe peaches was higher for the mature green. There was no influence of treatments on the contents of SS, AS and AR. Peaches 'Aurora-1' showed no chilling injury symptoms and the ones harvested at mature green stage, when stored at 2°C had 35 days of shelf life.ESALQ-USPUNESP-FCAVUniversidade Estadual PaulistaUNESP-FCAVUniversidade Estadual PaulistaSociedade Brasileira de FruticulturaUniversidade de São Paulo (USP)Universidade Estadual Paulista (Unesp)Cunha Junior, Luis CarlosDurigan, Maria Fernanda Berlingieri [UNESP]Mattiuz, Ben-Hur [UNESP]2014-05-20T15:10:09Z2014-05-20T15:10:09Z2010-06-01info:eu-repo/semantics/publishedVersioninfo:eu-repo/semantics/article386-396application/pdfhttp://dx.doi.org/10.1590/S0100-29452010005000041Revista Brasileira de Fruticultura. Sociedade Brasileira de Fruticultura, v. 32, n. 2, p. 386-396, 2010.0100-2945http://hdl.handle.net/11449/2751310.1590/S0100-29452010005000041S0100-29452010000200007WOS:000280002100008S0100-29452010000200007.pdfSciELOreponame:Repositório Institucional da UNESPinstname:Universidade Estadual Paulista (UNESP)instacron:UNESPporRevista Brasileira de Fruticultura0.4750,410info:eu-repo/semantics/openAccess2024-06-07T15:32:49Zoai:repositorio.unesp.br:11449/27513Repositório InstitucionalPUBhttp://repositorio.unesp.br/oai/requestopendoar:29462024-06-07T15:32:49Repositório Institucional da UNESP - Universidade Estadual Paulista (UNESP)false
dc.title.none.fl_str_mv Conservação de pêssego 'Aurora-1' armazenados sob refrigeração
Keeping quality of peaches 'Aurora-1' stored under refrigeration
title Conservação de pêssego 'Aurora-1' armazenados sob refrigeração
spellingShingle Conservação de pêssego 'Aurora-1' armazenados sob refrigeração
Cunha Junior, Luis Carlos
Prunus persica
harvest stage
Cold storage
Prunus persica
Ponto de colheita
Armazenamento refrigerado
title_short Conservação de pêssego 'Aurora-1' armazenados sob refrigeração
title_full Conservação de pêssego 'Aurora-1' armazenados sob refrigeração
title_fullStr Conservação de pêssego 'Aurora-1' armazenados sob refrigeração
title_full_unstemmed Conservação de pêssego 'Aurora-1' armazenados sob refrigeração
title_sort Conservação de pêssego 'Aurora-1' armazenados sob refrigeração
author Cunha Junior, Luis Carlos
author_facet Cunha Junior, Luis Carlos
Durigan, Maria Fernanda Berlingieri [UNESP]
Mattiuz, Ben-Hur [UNESP]
author_role author
author2 Durigan, Maria Fernanda Berlingieri [UNESP]
Mattiuz, Ben-Hur [UNESP]
author2_role author
author
dc.contributor.none.fl_str_mv Universidade de São Paulo (USP)
Universidade Estadual Paulista (Unesp)
dc.contributor.author.fl_str_mv Cunha Junior, Luis Carlos
Durigan, Maria Fernanda Berlingieri [UNESP]
Mattiuz, Ben-Hur [UNESP]
dc.subject.por.fl_str_mv Prunus persica
harvest stage
Cold storage
Prunus persica
Ponto de colheita
Armazenamento refrigerado
topic Prunus persica
harvest stage
Cold storage
Prunus persica
Ponto de colheita
Armazenamento refrigerado
description Avaliou-se o comportamento pós-colheita de pêssegos da cv. Aurora-1 armazenados sob refrigeração. Os frutos foram colhidos em dois estádios de maturação, verde maduro (de vez) e maduro. Os lotes foram armazenados em três temperaturas (2°C; 6°C e 12°C), por 35 dias, e avaliados a cada sete dias: quanto à coloração da casca, perda acumulada de massa fresca (PMF), firmeza (FIR), aparência, teores de acidez titulável (AT), sólidos solúveis (SS), açúcares solúveis (AS) e redutores (AR), pectina solúvel (PS) e total (PT), além da porcentagem de solubilização de pectinas (SOL). A menor temperatura de armazenamento elevou o tempo de prateleira dos pêssegos, e os frutos de vez apresentaram melhor aparência. A PMF demonstrou um gradiente em função do aumento da temperatura, e os frutos de vez apresentaram menor perda ao final do armazenamento sob todas as temperaturas, quando comparados aos maduros. A coloração da casca dos frutos de vez, a 2°C, teve pouca alteração, conferindo-lhes mudança de coloração de verde-amarelada para amarelo-clara; enquanto nas temperaturas de 6°C e 12°C esse gradiente foi mais intenso. O mesmo efeito foi verificado nos pêssegos maduros. A FIR sofreu efeito da temperatura, pois temperaturas menores sofreram redução mais lenta e AT dos pêssegos maduros foi superior aos de vez. Não houve influência dos tratamentos nos teores de SS, AS e AR. Os pêssegos 'Aurora-1' não demonstraram sensibilidade ao frio, e os de vez, armazenados a 2°C, tiveram vida útil de 35 dias.
publishDate 2010
dc.date.none.fl_str_mv 2010-06-01
2014-05-20T15:10:09Z
2014-05-20T15:10:09Z
dc.type.status.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/publishedVersion
dc.type.driver.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/article
format article
status_str publishedVersion
dc.identifier.uri.fl_str_mv http://dx.doi.org/10.1590/S0100-29452010005000041
Revista Brasileira de Fruticultura. Sociedade Brasileira de Fruticultura, v. 32, n. 2, p. 386-396, 2010.
0100-2945
http://hdl.handle.net/11449/27513
10.1590/S0100-29452010005000041
S0100-29452010000200007
WOS:000280002100008
S0100-29452010000200007.pdf
url http://dx.doi.org/10.1590/S0100-29452010005000041
http://hdl.handle.net/11449/27513
identifier_str_mv Revista Brasileira de Fruticultura. Sociedade Brasileira de Fruticultura, v. 32, n. 2, p. 386-396, 2010.
0100-2945
10.1590/S0100-29452010005000041
S0100-29452010000200007
WOS:000280002100008
S0100-29452010000200007.pdf
dc.language.iso.fl_str_mv por
language por
dc.relation.none.fl_str_mv Revista Brasileira de Fruticultura
0.475
0,410
dc.rights.driver.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/openAccess
eu_rights_str_mv openAccess
dc.format.none.fl_str_mv 386-396
application/pdf
dc.publisher.none.fl_str_mv Sociedade Brasileira de Fruticultura
publisher.none.fl_str_mv Sociedade Brasileira de Fruticultura
dc.source.none.fl_str_mv SciELO
reponame:Repositório Institucional da UNESP
instname:Universidade Estadual Paulista (UNESP)
instacron:UNESP
instname_str Universidade Estadual Paulista (UNESP)
instacron_str UNESP
institution UNESP
reponame_str Repositório Institucional da UNESP
collection Repositório Institucional da UNESP
repository.name.fl_str_mv Repositório Institucional da UNESP - Universidade Estadual Paulista (UNESP)
repository.mail.fl_str_mv
_version_ 1803650362939277312