Injúrias mecânicas e seus efeitos em pêssegos 'Aurora-1'

Detalhes bibliográficos
Autor(a) principal: Kasat, Giorgia Fernanda [UNESP]
Data de Publicação: 2007
Outros Autores: Mattiuz, Ben-Hur [UNESP], Ogassavara, Flávia Okushiro [UNESP], Bianco, Matheus Saraiva [UNESP], Morgado, Cristiane Maria Ascari [UNESP], Cunha Junior, Luis Carlos [UNESP]
Tipo de documento: Artigo
Idioma: por
Título da fonte: Repositório Institucional da UNESP
Texto Completo: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-29452007000200025
http://hdl.handle.net/11449/4160
Resumo: O objetivo deste trabalho foi avaliar os efeitos das injúrias mecânicas por corte, compressão e impacto na qualidade pós-colheita de pêssegos 'Aurora-1'. Na injúria por impacto, os pêssegos foram deixados cair duas vezes de uma altura de 1,20 m. Por compressão, os frutos foram colocados sob um bloco exercendo um peso constante de 3 kg por 10 minutos. Para a injúria por corte, promoveram-se três incisões longitudinalmente. Manteve-se, ainda, um lote de pêssegos intactos, correspondente ao controle. Após esses tratamentos, os frutos foram armazenados a 10±1,5 °C e 85±2% UR por 8 dias. Avaliaram-se o teor de sólidos solúveis (SS), de acidez titulável (AT) e a relação SS/AT, a perda de massa fresca, a aparência, a coloração, a firmeza e o conteúdo de carboidratos solúveis. As injúrias mecânicas promoveram marcas nos pêssegos 'Aurora-1', afetando a aparência dos mesmos, que obtiveram nota ruim a partir do sexto dia de armazenamento. Esses pêssegos, quando submetidos à injúria de impacto, apresentaram maior perda de massa fresca que os do controle, da compressão e do corte. As áreas lesionadas apresentaram-se mais escurecidas, menos amareladas, com menor cromaticidade e menos firmes que as áreas dos frutos não-submetidas às injúrias. Esse efeito deletério também foi verificado quando os frutos eram submetidos à injúria por Impacto, quando comparado com os demais tratamentos. As injúrias mecânicas promoveram um amadurecimento mais rápido dos frutos, verificado pelos maiores valores da relação SS/AT.
id UNSP_c07a0c5cf0a34f2196a4141c4c2a7b20
oai_identifier_str oai:repositorio.unesp.br:11449/4160
network_acronym_str UNSP
network_name_str Repositório Institucional da UNESP
repository_id_str 2946
spelling Injúrias mecânicas e seus efeitos em pêssegos 'Aurora-1'Effect of mechanical injuries on 'Aurora-1' peachesPrunus persicaPostharvestmechanical damagesPrunus persicaPós-colheitadano mecânicoO objetivo deste trabalho foi avaliar os efeitos das injúrias mecânicas por corte, compressão e impacto na qualidade pós-colheita de pêssegos 'Aurora-1'. Na injúria por impacto, os pêssegos foram deixados cair duas vezes de uma altura de 1,20 m. Por compressão, os frutos foram colocados sob um bloco exercendo um peso constante de 3 kg por 10 minutos. Para a injúria por corte, promoveram-se três incisões longitudinalmente. Manteve-se, ainda, um lote de pêssegos intactos, correspondente ao controle. Após esses tratamentos, os frutos foram armazenados a 10±1,5 °C e 85±2% UR por 8 dias. Avaliaram-se o teor de sólidos solúveis (SS), de acidez titulável (AT) e a relação SS/AT, a perda de massa fresca, a aparência, a coloração, a firmeza e o conteúdo de carboidratos solúveis. As injúrias mecânicas promoveram marcas nos pêssegos 'Aurora-1', afetando a aparência dos mesmos, que obtiveram nota ruim a partir do sexto dia de armazenamento. Esses pêssegos, quando submetidos à injúria de impacto, apresentaram maior perda de massa fresca que os do controle, da compressão e do corte. As áreas lesionadas apresentaram-se mais escurecidas, menos amareladas, com menor cromaticidade e menos firmes que as áreas dos frutos não-submetidas às injúrias. Esse efeito deletério também foi verificado quando os frutos eram submetidos à injúria por Impacto, quando comparado com os demais tratamentos. As injúrias mecânicas promoveram um amadurecimento mais rápido dos frutos, verificado pelos maiores valores da relação SS/AT.This work aimed to evaluate the effect of mechanical injuries, impact, compression and cut on the postharvest quality of peaches cv. Aurora-1. Impact injury was obtained dropping fruit, twice, from a height of 1.20 m. Compression injury was performed with the fruit submitted to weight (3 kg) for 10 minutes. Cut injury was obtained cutting fruits, three times, in the longitudinal direction. after these treatments the injured fruit and the control (not damage fruit) were stored to 10±1.5 °C and 85±2 % RH for 8 days. The loss of fresh mass, appearance, color and contents of soluble solids (SS), titratable acidity (TA), soluble sugars, pH and firmness were evaluated. Mechanical injuries promoted marks in peaches 'Aurora-1', affecting the appearance that obtained a low score at the sixth day of storage. 'Aurora-1' peaches submitted to impact had greater loss of fresh mass than control, compression and cut. The injured area was darker and colorless than intact areas. This deleterious effect also was verified when the fruit were submitted to impact, when compared with the other treatments. The chemical composition was not affected by the injuries. During the storage there was an increase in SS content and soluble sugars and reduction in TA, resulting in better ratio SS:TA.Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP)Universidade Estadual Paulista FCAVUniversidade Estadual Paulista FCAV Departamento de TecnologiaUNESP FCAVUniversidade Estadual Paulista FCAVUniversidade Estadual Paulista FCAV Departamento de TecnologiaUNESP FCAVSociedade Brasileira de FruticulturaUniversidade Estadual Paulista (Unesp)Kasat, Giorgia Fernanda [UNESP]Mattiuz, Ben-Hur [UNESP]Ogassavara, Flávia Okushiro [UNESP]Bianco, Matheus Saraiva [UNESP]Morgado, Cristiane Maria Ascari [UNESP]Cunha Junior, Luis Carlos [UNESP]2014-05-20T13:17:52Z2014-05-20T13:17:52Z2007-08-01info:eu-repo/semantics/publishedVersioninfo:eu-repo/semantics/article318-322application/pdfhttp://dx.doi.org/10.1590/S0100-29452007000200025Revista Brasileira de Fruticultura. Sociedade Brasileira de Fruticultura, v. 29, n. 2, p. 318-322, 2007.0100-2945http://hdl.handle.net/11449/416010.1590/S0100-29452007000200025S0100-29452007000200025S0100-29452007000200025.pdfSciELOreponame:Repositório Institucional da UNESPinstname:Universidade Estadual Paulista (UNESP)instacron:UNESPporRevista Brasileira de Fruticultura0.4750,410info:eu-repo/semantics/openAccess2024-06-07T15:32:22Zoai:repositorio.unesp.br:11449/4160Repositório InstitucionalPUBhttp://repositorio.unesp.br/oai/requestopendoar:29462024-06-07T15:32:22Repositório Institucional da UNESP - Universidade Estadual Paulista (UNESP)false
dc.title.none.fl_str_mv Injúrias mecânicas e seus efeitos em pêssegos 'Aurora-1'
Effect of mechanical injuries on 'Aurora-1' peaches
title Injúrias mecânicas e seus efeitos em pêssegos 'Aurora-1'
spellingShingle Injúrias mecânicas e seus efeitos em pêssegos 'Aurora-1'
Kasat, Giorgia Fernanda [UNESP]
Prunus persica
Postharvest
mechanical damages
Prunus persica
Pós-colheita
dano mecânico
title_short Injúrias mecânicas e seus efeitos em pêssegos 'Aurora-1'
title_full Injúrias mecânicas e seus efeitos em pêssegos 'Aurora-1'
title_fullStr Injúrias mecânicas e seus efeitos em pêssegos 'Aurora-1'
title_full_unstemmed Injúrias mecânicas e seus efeitos em pêssegos 'Aurora-1'
title_sort Injúrias mecânicas e seus efeitos em pêssegos 'Aurora-1'
author Kasat, Giorgia Fernanda [UNESP]
author_facet Kasat, Giorgia Fernanda [UNESP]
Mattiuz, Ben-Hur [UNESP]
Ogassavara, Flávia Okushiro [UNESP]
Bianco, Matheus Saraiva [UNESP]
Morgado, Cristiane Maria Ascari [UNESP]
Cunha Junior, Luis Carlos [UNESP]
author_role author
author2 Mattiuz, Ben-Hur [UNESP]
Ogassavara, Flávia Okushiro [UNESP]
Bianco, Matheus Saraiva [UNESP]
Morgado, Cristiane Maria Ascari [UNESP]
Cunha Junior, Luis Carlos [UNESP]
author2_role author
author
author
author
author
dc.contributor.none.fl_str_mv Universidade Estadual Paulista (Unesp)
dc.contributor.author.fl_str_mv Kasat, Giorgia Fernanda [UNESP]
Mattiuz, Ben-Hur [UNESP]
Ogassavara, Flávia Okushiro [UNESP]
Bianco, Matheus Saraiva [UNESP]
Morgado, Cristiane Maria Ascari [UNESP]
Cunha Junior, Luis Carlos [UNESP]
dc.subject.por.fl_str_mv Prunus persica
Postharvest
mechanical damages
Prunus persica
Pós-colheita
dano mecânico
topic Prunus persica
Postharvest
mechanical damages
Prunus persica
Pós-colheita
dano mecânico
description O objetivo deste trabalho foi avaliar os efeitos das injúrias mecânicas por corte, compressão e impacto na qualidade pós-colheita de pêssegos 'Aurora-1'. Na injúria por impacto, os pêssegos foram deixados cair duas vezes de uma altura de 1,20 m. Por compressão, os frutos foram colocados sob um bloco exercendo um peso constante de 3 kg por 10 minutos. Para a injúria por corte, promoveram-se três incisões longitudinalmente. Manteve-se, ainda, um lote de pêssegos intactos, correspondente ao controle. Após esses tratamentos, os frutos foram armazenados a 10±1,5 °C e 85±2% UR por 8 dias. Avaliaram-se o teor de sólidos solúveis (SS), de acidez titulável (AT) e a relação SS/AT, a perda de massa fresca, a aparência, a coloração, a firmeza e o conteúdo de carboidratos solúveis. As injúrias mecânicas promoveram marcas nos pêssegos 'Aurora-1', afetando a aparência dos mesmos, que obtiveram nota ruim a partir do sexto dia de armazenamento. Esses pêssegos, quando submetidos à injúria de impacto, apresentaram maior perda de massa fresca que os do controle, da compressão e do corte. As áreas lesionadas apresentaram-se mais escurecidas, menos amareladas, com menor cromaticidade e menos firmes que as áreas dos frutos não-submetidas às injúrias. Esse efeito deletério também foi verificado quando os frutos eram submetidos à injúria por Impacto, quando comparado com os demais tratamentos. As injúrias mecânicas promoveram um amadurecimento mais rápido dos frutos, verificado pelos maiores valores da relação SS/AT.
publishDate 2007
dc.date.none.fl_str_mv 2007-08-01
2014-05-20T13:17:52Z
2014-05-20T13:17:52Z
dc.type.status.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/publishedVersion
dc.type.driver.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/article
format article
status_str publishedVersion
dc.identifier.uri.fl_str_mv http://dx.doi.org/10.1590/S0100-29452007000200025
Revista Brasileira de Fruticultura. Sociedade Brasileira de Fruticultura, v. 29, n. 2, p. 318-322, 2007.
0100-2945
http://hdl.handle.net/11449/4160
10.1590/S0100-29452007000200025
S0100-29452007000200025
S0100-29452007000200025.pdf
url http://dx.doi.org/10.1590/S0100-29452007000200025
http://hdl.handle.net/11449/4160
identifier_str_mv Revista Brasileira de Fruticultura. Sociedade Brasileira de Fruticultura, v. 29, n. 2, p. 318-322, 2007.
0100-2945
10.1590/S0100-29452007000200025
S0100-29452007000200025
S0100-29452007000200025.pdf
dc.language.iso.fl_str_mv por
language por
dc.relation.none.fl_str_mv Revista Brasileira de Fruticultura
0.475
0,410
dc.rights.driver.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/openAccess
eu_rights_str_mv openAccess
dc.format.none.fl_str_mv 318-322
application/pdf
dc.publisher.none.fl_str_mv Sociedade Brasileira de Fruticultura
publisher.none.fl_str_mv Sociedade Brasileira de Fruticultura
dc.source.none.fl_str_mv SciELO
reponame:Repositório Institucional da UNESP
instname:Universidade Estadual Paulista (UNESP)
instacron:UNESP
instname_str Universidade Estadual Paulista (UNESP)
instacron_str UNESP
institution UNESP
reponame_str Repositório Institucional da UNESP
collection Repositório Institucional da UNESP
repository.name.fl_str_mv Repositório Institucional da UNESP - Universidade Estadual Paulista (UNESP)
repository.mail.fl_str_mv
_version_ 1805283414361767936