Injúria pelo frio na qualidade pós-colheita de mangas cv. Palmer

Detalhes bibliográficos
Autor(a) principal: Miguel, Ana Carolina Almeida [UNESP]
Data de Publicação: 2011
Outros Autores: Durigan, José Fernando [UNESP], Morgado, Cristiane Maria Ascari [UNESP], Gomes, Ramon Felipe de Oliveira [UNESP]
Tipo de documento: Artigo
Idioma: por
Título da fonte: Repositório Institucional da UNESP
Texto Completo: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-29452011000500031
http://hdl.handle.net/11449/4122
Resumo: Este trabalho objetivou estabelecer os binômios temperatura x tempo, que podem ocasionar injúria pelo frio em mangas 'Palmer'. Frutos colhidos no estádio de vez foram cuidadosamente transportados para laboratório, onde foram selecionados, padronizados quanto à coloração, ao tamanho e à ausência de injúrias, e tratados com fungicida antes de serem armazenados a 2 ºC, 5 ºC e 12 ºC, por até 28 dias. Os frutos foram avaliados semanalmente quanto à ocorrência de podridões, danos pelo frio, atividade respiratória, coloração da casca e da polpa, massa fresca, firmeza da polpa, teores de sólidos solúveis (SS) e de acidez titulável (AT), e relação SS/AT. Os resultados indicaram que os sintomas de injúrias pelo frio foram exteriorizados após 7 dias do armazenamento refrigerado a 2 ºC ou 5 ºC, com os frutos não diferindo quanto à gravidade dos danos. A presença dos danos não impediu o desenvolvimento da coloração característica da polpa, porém levou ao escurecimento da casca e afetou o amadurecimento normal dos frutos. Frutos armazenados a 12 ºC não apresentaram sinais de danos pelo frio ou prejuízos aos seus processos metabólicos normais.
id UNSP_4f8fab4c4ac42020cf7047e6386eeb06
oai_identifier_str oai:repositorio.unesp.br:11449/4122
network_acronym_str UNSP
network_name_str Repositório Institucional da UNESP
repository_id_str 2946
spelling Injúria pelo frio na qualidade pós-colheita de mangas cv. PalmerChilling injury in mangoes cv. PalmerMangifera indicaPostharvestRefrigerationMangifera indicaPós-colheitaRefrigeraçãoEste trabalho objetivou estabelecer os binômios temperatura x tempo, que podem ocasionar injúria pelo frio em mangas 'Palmer'. Frutos colhidos no estádio de vez foram cuidadosamente transportados para laboratório, onde foram selecionados, padronizados quanto à coloração, ao tamanho e à ausência de injúrias, e tratados com fungicida antes de serem armazenados a 2 ºC, 5 ºC e 12 ºC, por até 28 dias. Os frutos foram avaliados semanalmente quanto à ocorrência de podridões, danos pelo frio, atividade respiratória, coloração da casca e da polpa, massa fresca, firmeza da polpa, teores de sólidos solúveis (SS) e de acidez titulável (AT), e relação SS/AT. Os resultados indicaram que os sintomas de injúrias pelo frio foram exteriorizados após 7 dias do armazenamento refrigerado a 2 ºC ou 5 ºC, com os frutos não diferindo quanto à gravidade dos danos. A presença dos danos não impediu o desenvolvimento da coloração característica da polpa, porém levou ao escurecimento da casca e afetou o amadurecimento normal dos frutos. Frutos armazenados a 12 ºC não apresentaram sinais de danos pelo frio ou prejuízos aos seus processos metabólicos normais.This study aimed to establish the binomials temperature vs. time, which can cause chilling injury in mangoes 'Palmer'. Semi-ripe fruits were harvested and carefully transported to the laboratory where they were selected, standardized according to the color, size and absence of injuries and treated with fungicide before being stored at 2 ºC, 5 ºC and 12 ºC up to 28 days. The fruits were evaluated weekly for the occurrence of decay, chilling injury, respiratory activity, peel and pulp color, fresh weight mass, firmness, soluble solids (SS) and titratable acidity (TA) and ratio. The results showed that the symptoms of chilling injuries were exteriorized after 7 days of refrigerated storage at 2 ºC or 5 ºC, and the fruits did not differ in the severity of the damage. The presence of damage did not prevent the development of the characteristic pulp color, although it has led to the darkening of the skin and has affected the normal ripening of fruits. Fruit stored at 12 ºC showed no signs of cold damage, and no impairment to their normal metabolic processes.Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP)UNESP Faculdade de Ciências Agrárias e VeterináriasUNESP FCAV Departamento de TecnologiaUNESP FCAVUNESP Faculdade de Ciências Agrárias e VeterináriasUNESP FCAV Departamento de TecnologiaUNESP FCAVSociedade Brasileira de FruticulturaUniversidade Estadual Paulista (Unesp)Miguel, Ana Carolina Almeida [UNESP]Durigan, José Fernando [UNESP]Morgado, Cristiane Maria Ascari [UNESP]Gomes, Ramon Felipe de Oliveira [UNESP]2014-05-20T13:17:47Z2014-05-20T13:17:47Z2011-10-01info:eu-repo/semantics/publishedVersioninfo:eu-repo/semantics/article255-260application/pdfhttp://dx.doi.org/10.1590/S0100-29452011000500031Revista Brasileira de Fruticultura. Sociedade Brasileira de Fruticultura, v. 33, n. spe1, p. 255-260, 2011.0100-2945http://hdl.handle.net/11449/412210.1590/S0100-29452011000500031S0100-29452011000500031S0100-29452011000500031.pdfSciELOreponame:Repositório Institucional da UNESPinstname:Universidade Estadual Paulista (UNESP)instacron:UNESPporRevista Brasileira de Fruticultura0.4750,410info:eu-repo/semantics/openAccess2024-06-07T15:31:12Zoai:repositorio.unesp.br:11449/4122Repositório InstitucionalPUBhttp://repositorio.unesp.br/oai/requestopendoar:29462024-06-07T15:31:12Repositório Institucional da UNESP - Universidade Estadual Paulista (UNESP)false
dc.title.none.fl_str_mv Injúria pelo frio na qualidade pós-colheita de mangas cv. Palmer
Chilling injury in mangoes cv. Palmer
title Injúria pelo frio na qualidade pós-colheita de mangas cv. Palmer
spellingShingle Injúria pelo frio na qualidade pós-colheita de mangas cv. Palmer
Miguel, Ana Carolina Almeida [UNESP]
Mangifera indica
Postharvest
Refrigeration
Mangifera indica
Pós-colheita
Refrigeração
title_short Injúria pelo frio na qualidade pós-colheita de mangas cv. Palmer
title_full Injúria pelo frio na qualidade pós-colheita de mangas cv. Palmer
title_fullStr Injúria pelo frio na qualidade pós-colheita de mangas cv. Palmer
title_full_unstemmed Injúria pelo frio na qualidade pós-colheita de mangas cv. Palmer
title_sort Injúria pelo frio na qualidade pós-colheita de mangas cv. Palmer
author Miguel, Ana Carolina Almeida [UNESP]
author_facet Miguel, Ana Carolina Almeida [UNESP]
Durigan, José Fernando [UNESP]
Morgado, Cristiane Maria Ascari [UNESP]
Gomes, Ramon Felipe de Oliveira [UNESP]
author_role author
author2 Durigan, José Fernando [UNESP]
Morgado, Cristiane Maria Ascari [UNESP]
Gomes, Ramon Felipe de Oliveira [UNESP]
author2_role author
author
author
dc.contributor.none.fl_str_mv Universidade Estadual Paulista (Unesp)
dc.contributor.author.fl_str_mv Miguel, Ana Carolina Almeida [UNESP]
Durigan, José Fernando [UNESP]
Morgado, Cristiane Maria Ascari [UNESP]
Gomes, Ramon Felipe de Oliveira [UNESP]
dc.subject.por.fl_str_mv Mangifera indica
Postharvest
Refrigeration
Mangifera indica
Pós-colheita
Refrigeração
topic Mangifera indica
Postharvest
Refrigeration
Mangifera indica
Pós-colheita
Refrigeração
description Este trabalho objetivou estabelecer os binômios temperatura x tempo, que podem ocasionar injúria pelo frio em mangas 'Palmer'. Frutos colhidos no estádio de vez foram cuidadosamente transportados para laboratório, onde foram selecionados, padronizados quanto à coloração, ao tamanho e à ausência de injúrias, e tratados com fungicida antes de serem armazenados a 2 ºC, 5 ºC e 12 ºC, por até 28 dias. Os frutos foram avaliados semanalmente quanto à ocorrência de podridões, danos pelo frio, atividade respiratória, coloração da casca e da polpa, massa fresca, firmeza da polpa, teores de sólidos solúveis (SS) e de acidez titulável (AT), e relação SS/AT. Os resultados indicaram que os sintomas de injúrias pelo frio foram exteriorizados após 7 dias do armazenamento refrigerado a 2 ºC ou 5 ºC, com os frutos não diferindo quanto à gravidade dos danos. A presença dos danos não impediu o desenvolvimento da coloração característica da polpa, porém levou ao escurecimento da casca e afetou o amadurecimento normal dos frutos. Frutos armazenados a 12 ºC não apresentaram sinais de danos pelo frio ou prejuízos aos seus processos metabólicos normais.
publishDate 2011
dc.date.none.fl_str_mv 2011-10-01
2014-05-20T13:17:47Z
2014-05-20T13:17:47Z
dc.type.status.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/publishedVersion
dc.type.driver.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/article
format article
status_str publishedVersion
dc.identifier.uri.fl_str_mv http://dx.doi.org/10.1590/S0100-29452011000500031
Revista Brasileira de Fruticultura. Sociedade Brasileira de Fruticultura, v. 33, n. spe1, p. 255-260, 2011.
0100-2945
http://hdl.handle.net/11449/4122
10.1590/S0100-29452011000500031
S0100-29452011000500031
S0100-29452011000500031.pdf
url http://dx.doi.org/10.1590/S0100-29452011000500031
http://hdl.handle.net/11449/4122
identifier_str_mv Revista Brasileira de Fruticultura. Sociedade Brasileira de Fruticultura, v. 33, n. spe1, p. 255-260, 2011.
0100-2945
10.1590/S0100-29452011000500031
S0100-29452011000500031
S0100-29452011000500031.pdf
dc.language.iso.fl_str_mv por
language por
dc.relation.none.fl_str_mv Revista Brasileira de Fruticultura
0.475
0,410
dc.rights.driver.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/openAccess
eu_rights_str_mv openAccess
dc.format.none.fl_str_mv 255-260
application/pdf
dc.publisher.none.fl_str_mv Sociedade Brasileira de Fruticultura
publisher.none.fl_str_mv Sociedade Brasileira de Fruticultura
dc.source.none.fl_str_mv SciELO
reponame:Repositório Institucional da UNESP
instname:Universidade Estadual Paulista (UNESP)
instacron:UNESP
instname_str Universidade Estadual Paulista (UNESP)
instacron_str UNESP
institution UNESP
reponame_str Repositório Institucional da UNESP
collection Repositório Institucional da UNESP
repository.name.fl_str_mv Repositório Institucional da UNESP - Universidade Estadual Paulista (UNESP)
repository.mail.fl_str_mv
_version_ 1805282479100133376